Protestos islamofóbicos se estendem por mais de dez países europeus

O movimento islamofóbico tem grupos na Noruega, Áustria, Suíça e Espanha

Manifestação islamofóbica em Oslo.
Manifestação islamofóbica em Oslo.BERIT ROALD (AFP)

O movimento islamofóbico alemão Pegida (Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente) gerou frutos em mais de dez países europeus, entre eles Áustria, Bulgária, Holanda, Noruega, Itália, França, Dinamarca e Suíça. Foram criadas contas nas redes sociais com essa marca em vários países europeus, inclusive na Espanha, onde tinha sido convocada para domingo uma concentração em Madri, em frente à mesquita da M-30, que foi desmarcada pelo Twitter (tem 725 seguidores) por não ter sido autorizada pela Delegação do Governo. A conta do Pegida Espanha mostrava um mapa com as dezenas de grupos criados com essa denominação em diversos países europeus.

Mais informações

Em Oslo, cerca de 200 pessoas, segundo o canal TV2, manifestaram seu “apoio ao povo francês” e “contra a islamização da Noruega”, em uma marcha convocada pelo Pegida Noruega no Facebook. O repórter da maior rede comercial norueguesa que cobria a marcha, o paquistanês Kadafi Zaman, perguntou ao vivo a um dos manifestantes as razões pelas quais ele ia participar da manifestação, pouco antes de seu início. “Demonstro meu desgosto contra os muçulmanos filhos da puta como você, contra os putos imigrantes como você”, respondeu o jovem entrevistado.

Zaman, impassível, se limitou a devolver a conexão ao estúdio: “Isso é um pouco do que veremos daqui a cerca de 20 minutos”, disse.

O ramo suíço do movimento islamofóbico foi anunciado na sexta-feira passada no Facebook, onde em três dias conseguiu 3.300 “curtidas”.

O Pegida Suíça convocou outra manifestação para 16 de fevereiro, em local ainda não divulgado. Sua porta-foz é Ignaz Bearth, atual presidente do Partido Suíço da Democracia Direta, um pequeno grupo que mantém laços com a Frente Nacional francesa.