Ataque terrorista em Paris

Do rap à jihad

Chérif Kouachi, o mais novo dos dois supostos terroristas, já tinha sido condenado

Irmãos Chérif e Said Kouachi em imagem divulgada pela polícia francesa.
Irmãos Chérif e Said Kouachi em imagem divulgada pela polícia francesa.

Os irmãos Chérif e Said Kouachi, de 32 e 34 anos, já eram conhecidos da polícia. Os supostos autores do ataque terrorista contra o semanário satírico Charlie Hebdo estavam entre o grupo de centenas de suspeitos jihadistas que a polícia vigiava há bastante tempo.

Chérif, o mais novo dos irmãos, era um jovem fã de rap até que cruzou com Farid Benyettou, que o apresentou à rede jihadista Buttes-Chaumont e o convenceu a viajar ao Iraque. Em 2005, quando Chérif, que mudou de nome para Abu Issen, estava prestes a tomar um voo para Damasco, foi preso e ficou detido por um ano e meio.

Mais informações

Quando foi liberado, começou a trabalhar na peixaria de um supermercado. No julgamento, realizado em 2008, foi condenado a três anos de detenção, mas não chegou a cumprir porque foi descontado o tempo que passou em prisão preventiva.

Dois anos depois, foi processado novamente, acusado de colaborar na fuga de Smain Ait Ali Belkace, um ex-membro do Grupo Armado Argelino (GIA), condenado à prisão perpétua por um atentado em 2002, no metrô de Paris, que deixou 30 feridos. Em 25 de maio daquele ano, voltou para a prisão, mas foi libertado meses depois, em 11 de outubro, por falta de provas.

"Era um aprendiz de perdedor, um garoto de recados com um boné, que fumava haxixe e entregava pizzas para comprar drogas. Um cara sem noção que não sabia o que fazer com sua vida, e que um dia encontrou pessoas que o fizeram se sentir importante", conta seu antigo advogado, Vincent Ollivier, de acordo com o Le Parisien.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50