Ex-gerente diz que alertou Graça Foster pessoalmente sobre desvio

Aumenta a pressão sobre a cúpula da Petrobras depois que Venina Velosa conceder uma entrevista . Ela disse ter medo, mas promete não recuar

Venina Velosa, em entrevista ao Fantástico.
Venina Velosa, em entrevista ao Fantástico.Reprodução / TV Globo

A ex-gerente da Petrobras Venina Velosa da Fonseca disse na TV neste domingo ter alertado, inclusive "pessoalmente", a atual presidente da companhia, Graça Foster, a respeito de irregularidades e desvios em contratos.

Ao Fantástico, da TV Globo, o programa de maior audiência do domingo à noite, Venina rebateu o argumento de Graça Foster de que ela teria sido pouco clara em suas denúncias a respeito de um esquema de corrupção na empresa, objeto de investigação da Operação Lava Jato.

Mais informações

"Eu estive com a presidente pessoalmente quando ela era diretora da área de gás e energia. Naquele momento, nós discutimos o assunto", disse Venina, que citou nome de vários integrantes da diretoria como também sabedores dos desvios.

"Se isso [a denúncia] não está suficientemente claro, eu, como gestora, posso falar o seguinte: eu buscaria uma explicação principalmente de uma pessoa que eu tinha muito acesso. Nós sempre tivemos muito acesso. Eu conhecia a Graça na época que ela era gerente de tecnologia, na área de gás, e era gerente do setor na área de contratos. Éramos próximas", seguiu a funcionária.

A entrevista aumenta ainda mais a pressão sobre a atual cúpula da empresa e pode ter reflexos no mercado, onde as ações da companhia vem sofrendo expressiva queda. A oposição tem cobrado que a presidenta Dilma Rousseff demita Graça, que é sua amiga, e toda atual direção da empresa.

Na sexta, as denúncias de Venina já haviam se tornado oficiais, quando ela própria confirmou ao Ministério Público Federal, durante depoimento de cinco horas, que o comando da empresa sabia dos desvios.

Venina virou personagem chave do escândalo há nove dias, quando e-mails seus direcionados à Graça Foster foram revelados pelo jornal Valor Econômico.

Segundo a reportagem, a ex-gerente da diretoria de Refino e Abastecimento da Petrobras tentou alertar os diretores da empresa sobre ilícitos desde 2008.

Por quase 30 minutos, Venina falou pausadamente sobre as denúncias e negou ter sido cúmplice do esquema de corrupção em algum momento. Também rechaçou ter beneficiado o ex-marido em um contrato com a Petrobras.

"[Se] eu tenho medo? Eu tenho medo. Mas eu não vou parar, eu espero que os empregados da Petrobras. Porque eu tenho certeza que não fui só eu que presenciei", disse a ex-gerente, que afirmou ter recebido ameaças quando começou a falar sobre os desvios.

Como já havia aparecido na reportagem do Valor, Venina contou episódio no qual Paulo Roberto Costa, seu ex-chefe hoje acolhido no regime de delação premiada da Operação Lava Jato, teria perguntado se seu objetivo com as denúncias era " derrubar todo mundo". No relato de Venina, Costa aponta para um retrato do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

- Você quer derrubar todo mundo?, emendou a repórter do programa.

"Não. O que eu quero é uma empresa limpa. O que eu quero é que os funcionários da Petrobras possam sentir orgulho de trabalhar nessa empresa."

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: