Os ex-prisioneiros de Guantânamo se apresentam no Uruguai

Os seis libertados pelos EUA confraternizam em Montevidéu, aprendem espanhol e têm mais de 30 ofertas de emprego

Imagem atual e antiga de um dos presos de Guantânamo.
Imagem atual e antiga de um dos presos de Guantânamo.AFP

Uma imagem vale mais do que mil palavras. Foi o que concluíram os presos de Guantânamo libertados pelos EUA e levados ao Uruguai. Apesar de terem o anonimato garantido por seu estatuto de refugiados, nesta sexta-feira decidiram posar para os fotógrafos de barba feita e com camisas azuis. A mudança é tão impactante que a imprensa local publicou informações interativas do antes e depois. Assim, descobre-se que Ahmed Adnan Aham, sírio de 37 anos, é um homem de aparência juvenil e sem barba. Um contraste total com a imagem que o mostrava temível, com barba e o macacão laranja dos prisioneiros. Algo parecido acontece com Abd Hadi Omar, sírio de 22 anos, que, mesmo tendo deixado a barba, tem um aspecto bem diferente do que apresentava nas imagens que tanto assustaram a opinião pública uruguaia.

Desde sua chegada a Montevidéu no sábado passado, os ex-prisioneiros multiplicaram os gestos em relação à população local, que segundo uma pesquisa de outubro passado declarava-se majoritariamente contra sua chegada (58% dos entrevistados). Acomodados desde quinta-feira em uma casa do sindicato único uruguaio (Pit-CNT), passearam por Montevidéu sem se esconder e se mostraram sorridentes e até tomando mate, a infusão que os uruguaios tanto apreciam.

O Governo do Uruguai e o presidente José Mujica cumprem por enquanto sua promessa de lhes dar toda a liberdade —“No primeiro dia que quiserem ir, podem ir”, disse o presidente. Os Estados Unidos exigiu a princípio que ficassem no Uruguai obrigatoriamente por dois anos. Os seis homens foram declarados ex-detentos pelo Governo de Washington em 2009 e são considerados pouco perigosos. Todos passaram mais de dez anos na base militar norte-americana em solo cubano sem julgamento nem sentenças. Quatro são sírios, um, palestino, e outro é tunisiano. Seu traslado para o Uruguai foi o de maior importância desde 2009 e o primeiro a ser feito na América do Sul. Depois dessas libertações, restam 137 presos em Guantânamo, 68 deles na qualidade de libertados.

Mais informações

Os seis antigos presos serão submetidos a discreta vigilância, garantiu à imprensa local uma fonte do Ministério do Interior. Segundo dados norte-americanos, dos 88 libertados de Guantânamo enviados a outros países, cinco voltaram às atividades terroristas.

Vários ex-detentos transladados mostraram seu interesse em receber seus familiares no Uruguai, um país de 3,3 milhões de habitantes. Os seis estão aprendendo espanhol, receberam exemplares do Corão e, segundo o sindicato, já têm mais de 30 ofertas de emprego. Muitos cidadãos identificaram a casa em que vivem, em pleno centro de Montevidéu, e doaram roupas, alimentos e vários objetos. Tanto o Governo como esses novos cidadãos livres esperam que se supere a desconfiança de grande parte da sociedade.

Baseado em uma ideia interativa do jornal El Observador.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: