Lava Jato esquenta o debate sobre corrupção na sociedade brasileira

Ministro da Justiça faz críticas à “cultura” que mescla público e privado, e acirra os ânimos sobre as responsabilidades do Governo

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.EFE

A Operação Lava Jato, da Polícia Federal, tem chocado os brasileiros, que assistem impotentes às denúncias que se multiplicam diariamente, envolvendo a Petrobras. Enquanto o quebra-cabeça do esquema de desvio de recursos e lavagem de dinheiro na empresa ganha contornos mais definidos, diversas vozes se manifestam para lembrar que a prática da corrupção vem de longa data no país, e é generalizada. Foi o caso do procurador Marcelo Mendroni, em entrevista ao EL PAÍS, ou do empresário Ricardo Semler, em artigo na Folha de São Paulo. Na semana passada, o advogado do lobista Fernando Baiano, detido na última etapa da investigação, chegou a dizer que não se faz obra pública no Brasil “sem acerto” e que quem nega isso “desconhece a história do país".

Mais informações

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, tentou ampliar esse debate, mas usou palavras que acabaram soando indigestas. Em encontro na Associação dos Magistrados Brasileiros, na última sexta-feira, ele disse que “a classe política é um reflexo de uma sociedade que, ao não distinguir do seu meio o público e o privado, escolhe sem esse critério seus representantes e depois os reprime, legitimamente, mas sem olhar para si”, afirmou o ministro, segundo o jornal O Estado de São Paulo. “Os mesmos que criticam atos da classe política são aqueles que quando um guarda de trânsito para e quer multar pensam numa “propininha”.Cardozo ainda exemplificou: “Vivemos numa sociedade que até o síndico de prédio superfatura quando compra o capacho”, disse ele, citando esses desvios como parte da “cultura” do país.

As ponderações de Cardozo caíram como uma bomba, pois podem ser interpretadas como a extensão da responsabilidade da corrupção – exposta ao grau máximo na Petrobras - para toda a sociedade brasileira. “O discurso do ministro demonstra uma opinião que [aponta a corrupção] como um problema intrínseco da sociedade e da cultura brasileiras. Essa é uma prática que está sendo utilizada pelo governo desde a posse do presidente Lula de forma lamentável, porém eficiente para o projeto de Governo do PT”, observa a Ligia Pavan Baptista, professora doutora e líder do núcleo de Estudos de Democracia da Universidade de Brasília.

Para ela, Cardozo diz que no Brasil se confunde o público e o privado e faz o mesmo. “Como ministro de Estado, nunca deveria ter expressado as opiniões pessoais do senhor José Eduardo Cardozo sobre a corrupção e a sociedade brasileira que é na verdade quem ele serve, de quem ele recebe seus proventos mensais e a quem deve respeito.”

Wagner Pralon, doutor em ciência política pela Universidade de São Paulo, evoca o conceito de “evitar a culpa [do mal feito] e reclamar o crédito [do que está bem]”, debatido pelo sociólogo americano Paul Pierson, para explicar a expressão do ministro. Para o co-fundador e co-diretor do Movimento Contra à Corrupção Eleitoral (MCCE), Luciano Santos, não é possível definir a corrupção como parte da cultura brasileira. "A maioria combate e não tolera atos corruptos. Claro que há pessoas que praticam atos ilícitos como em qualquer país do mundo. Atualmente, Espanha, Portugal, França e Alemanha, por exemplo, também estão enfrentando problemas semelhantes. Porém, não temos uma cultura que justifique essas ações", explica.

Santos entende que os brasileiros têm todo o direito de criticar a classe política já que os políticos têm a obrigação e a função de cuidar das questões de interesse da sociedade. "Os nossos representantes teriam que ser os primeiros a darem o exemplo", afirma. Luciana Gross Cunha, professora da Fundação Getúlio Vargas de Direito de São Paulo, também cobra o exemplo dos representantes públicos. “O Governo, no momento em que assume o Estado, tem responsabilidade pública e privada. Eles não podem errar”, avalia. Para ela, tudo que o país vem vivendo com a operação Lava Jato é um aprendizado importante. “Todo mundo sairá ganhando, mas não se pode colocar a culpa na cultura da sociedade”, afirma.

O diretor-executivo da Transparência Brasil, Claudio Weber Abramo, entende que a responsabilidade do Governo é diagnosticar a corrupção do país e tomar medidas para combatê-la. “Quando se justifica que a cultura do país é essa, se descuida do papel de autoridade, renunciando ao combate à corrupção, além de considerar normal um ato ilícito. É muito grave”, pondera.

Abramo está de acordo que, atualmente, a legislação que combate a corrupção vem progredindo. Mas, destaca que o maior problema ainda é aperfeiçoar o gerenciamento do Estado. "É aí que residem grandes problemas de corrupção. Ainda funciona mal. A política de alianças baseada em loteamento de cargos é uma das causas mais graves”, conclui. Pralon, da USP, também entende que “os órgãos de controle estão funcionando, os tribunais de conta estão apontando superfaturamento, a polícia e o Ministério Público estão correndo atrás do que está errado. Não sei em que medida isso é do DNA [da sociedade] ou se justamente as instituições estão funcionando”, acredita.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: