Espanha aprova nesta sexta-feira o envio de militares para o Iraque

Governo espanhol enviará instrutores para auxiliar o exército iraquiano na luta contra o EI

O Conselho de Ministros da Espanha prevê a aprovação, na sexta-feira, do envio de um contingente de militares para o Iraque para instruir o Exército iraquiano, dentro da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos para lutar contra o autoproclamado Estado Islâmico. O ministro da Defesa, Pedro Morenés, irá ao Congresso para informar sobre essa nova missão e pedir a aprovação prevista na Lei de Defesa Nacional de 2005.

Além do envio de instrutores, que implicará na presença de militares espanhóis em solo iraquiano pela primeira vez após a retirada das tropas uma década atrás, o Governo autorizará o uso das bases de Rota (Cádiz) e Morón de la Frontera (Sevilha) como rota para as forças da coalizão antijihadista e a entrega de equipamentos para o Exército iraquiano e as milícias curdas (peshmergas), com o sinal verde do Governo de Bagdá. Inicialmente está prevista a entrega de material militar não letal, ainda que se mantenha aberta a porta para a doação de armamento.

A Espanha também ofereceu apoio para o transporte estratégico – ou seja, transporte de material e pessoal ao local das operações –, assim como aviões tanque de reabastecimento em voo e capacidades de comando, controle e inteligência. A divisão das funções entre os países que participam da coalizão foi feita no quartel general do Comando Central dos EUA, com base em Tampa (Flórida), para onde a Espanha mandou um general e sete oficiais.

Mais informações

Em declarações para a emissora de rádio CADENA SER, o ministro da Defesa, Pedro Morenés, excluiu somente o uso de tropas de combate espanholas na região e a participação nos bombardeios que os EUA e outros aliados estão realizando sobre bases do EI no Iraque e na Síria. Morenés assegurou que a Espanha participa da coalizão antijihadista “desde o começo” e que a missão atual nada tem a ver com a invasão do Iraque em 2003, já que “as circunstâncias são diferentes”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50