Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Coalizão internacional bombardeia alvos do EI na Síria

Aviões de combate atacaram Raqqa enquanto duas aeronaves britânicas decolavam do Chipre para realizar a primeira missão no Iraque

Avião de combate F-18E Super Hornets.
Avião de combate F-18E Super Hornets. EFE

Aviões de guerra das forças da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos bombardearam, neste sábado, posições do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na cidade de Raqqa, no norte da Síria, considerada seu principal reduto no país. O Observatório Sírio de Direitos Humanos afirmou, em comunicado, que cerca de 30 explosões foram ouvidas na cidade e em sua periferia.

As aeronaves bombardearam a região com mísseis, e atingiram vários acampamentos e um prédio do Governo, segundo o grupo defensor dos direitos humanos. Além disso, o Observatório informou sobre bombardeios –supostamente de autoria da coalizão internacional – em vários bairros da cidade de Kobani, localizada no norte da Síria, na fronteira com a Turquia, e nos povoados vizinhos de Alishar e Sitalab.

Bombardeios da coalizão contra o EI e Al Qaeda na Síria. pulsa en la foto
Bombardeios da coalizão contra o EI e Al Qaeda na Síria.

Os bombardeios, que deixaram vários feridos, são os primeiros contra alvos do EI neste território curdo, acrescentou a fonte. Pelo menos sete jihadistas morreram nas proximidades de Kobani, neste sábado, durante enfrentamentos com milicianos curdos e brigadas islamitas.

O EI iniciou uma ofensiva para tomar o controle dessa localidade no dia 16 de setembroe, desde então, assumiu o domínio de mais de uma centena de povoados nas imediações, o que gerou um êxodo de refugiados curdos sírios para a Turquia. O grupo radical proclamou, no final de junho, um califado no Iraque e na Síria, onde conquistou amplos territórios.

Os EUA anunciaram na segunda-feira, o começo da ofensiva contra o EI na Síria, da qual também participam vários Estados árabes, como a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, a Jordânia e o Catar. Nos últimos dias, a coalizão atacou bases e posições do EI em várias províncias, como Deir al Zor, Hasaje e Raqqa. Um dos principais alvos dos bombardeios em Deir al Zor (leste) foram as instalações de petróleo que o EI tem sob seu controle nesta província, na fronteira com o Iraque.

Enquanto isso, aviões militares britânicos começaram sua primeira missão contra o EI no norte do Iraque também neste sábado, informou um porta-voz do Ministério de Defesa do Reino Unido. Duas aeronaves Tornado, carregadas com explosivos guiados por laser e mísseis das Forças Aéreas Britânicas (RAF), decolaram nesta manhã, às 7h30 GMT (4h30 no horário de Brasília) da base área de Akrotiri, no Chipre, depois de o Parlamento britânico aprovar, na sexta-feira, a participação do Reino Unido na ofensiva aérea contra o EI no Iraque.

O Ministério de Defesa acrescentou que os dois aviões "estão, agora, prontos para serem utilizados em missões de ataque quando alvos apropriados forem identificados. Por razões de segurança, não vamos divulgar comentários contínuos sobre seus movimentos", disse a fonte oficial do Executivo, que acrescentou que "as atividades (dos aviões) serão informadas quando for adequado".

Não foi revelado se os dois aparatos militares desempenharão missões de ataque no norte do Iraque e nem quando devem retornar. Durante uma visita ao condado inglês de Oxfordshire, antes do início do congresso anual do Partido Conservador na cidade inglesa de Birmingham, previsto para domingo, o primeiro-ministro, David Cameron, afirmou que o Reino Unido está "preparado" para cumprir sua parte na ofensiva contra o EI.