Israel convoca embaixador sueco pelo reconhecimento da Palestina

Autoridades israelenses permitem a viagem de 500 moradores de Gaza maiores de 60 anos a Jerusalém

Um funcionário do consulado de Suécia em Jerusalém neste domingo.
Um funcionário do consulado de Suécia em Jerusalém neste domingo.AHMAD GHARABLI (AFP)

Israel convocará o embaixador sueco em Tel Aviv para protestar contra o anúncio, feito por Estocolmo, de que a Suécia reconheceria o Estado palestino. O novo primeiro-ministro sueco, o social-democrata Stefan Löfven, declarou na sexta-feira em seu primeiro discurso no Parlamento que a Suécia será o primeiro membro da União Europeia a reconhecer a Palestina como Estado.

A reação israelense só foi divulgada após o fim da festa religiosa do Yom Kippur, no sábado à noite, quando o ministro de Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, criticou a Suécia por se preocupar com os palestinos e não "com outros problemas mais urgentes, como as matanças no Iraque e na Síria". Na ofensiva israelense contra a Faixa da Gaza, concluída há pouco mais de um mês, morreram mais de 2.100 palestinos, três quartos deles civis. Israel registrou 71 mortes na operação militar, quase todas militares.

MAIS INFORMAÇÕES

O anúncio do novo primeiro-ministro sueco chegou pouco depois de os Estados Unidos e a União Europeia criticarem, em uníssono, a construção de 2.600 novas moradias para judeus entre Jerusalém Oriental e Belém, nos territórios palestinos ocupados por Israel. A porta-voz de Relações Exteriores dos EUA, Jen Psaki, alertou recentemente que a nova expansão das colônias judias poderia "distanciar Israel até mesmo de seus aliados mais próximos".

O presidente da Autoridade Nacional a Palestina, Mahmud Abbas, prepara uma ofensiva diplomática em busca do reconhecimento de um Estado palestino que respeite a divisão territorial prévia à guerra de 1967. De acordo com esse plano, o novo Estado seria estabelecido unilateralmente no final de 2016 e teria sua capital em Jerusalém Oriental, ocupada pelo Exército israelense. A construção dos novos assentamentos judeus junto à capital pretendida pelos palestinos será um novo obstáculo para qualquer acordo duradouro entre os dois lados. A última rodada de negociações terminou em abril sem sombra de entendimento. Em julho, Israel lançou uma operação militar em Gaza para debilitar o grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa desde a curta guerra civil palestina de 2007.

Os limites territoriais de Gaza estão claramente demarcados por alambrados e muros levantados por Israel, que cerca o minúsculo e arruinado território com a colaboração entusiasmada do regime golpista que governa o Egito desde 2013. A Cisjordânia ocupada, por outro lado, é o que a direita e a extrema direita israelense – ou seja, boa parte do espectro político do país – e seus simpatizantes internacionais descrevem como um "território em disputa". Apesar das resoluções das Nações Unidas, a Cisjordânia sofre mordidas periódicas de colonos que expandem lentamente o território sob controle administrativo direto de Israel.

A dirigente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Hanan Ashrawi, comemora em um comunicado o reconhecimento da Palestina por parte da Suécia: "Condicionar o reconhecimento do Estado palestino ao resultado de negociações com Israel equivale a convertê-lo em uma prerrogativa israelense".

Israel permitiu no domingo a saída de várias centenas de moradores de Gaza maiores de 60 anos, através do posto fronteiriço de Erez, para rezarem em Jerusalém durante a Festa do Sacrifício muçulmana. É a primeira vez, desde o início do bloqueio em 2007, que se autoriza a viagem de tantos moradores de Gaza a Jerusalém. Segundo fontes israelenses, o total chega a 500.