EUA lançam seu primeiro ataque aéreo contra o EI perto de Bagdá

A operação marca uma nova fase na ofensiva de Washington no Iraque

O secretário de Estado John Kerry e o presidente de Iraque Faud Masum.
O secretário de Estado John Kerry e o presidente de Iraque Faud Masum.

Os Estados Unidos deram o prometido passo em direção à ofensiva contra os extremistas do Estado Islâmico (EI) no Iraque. Na noite de segunda-feira, o Comando Central (Centcom, na sigla em inglês) confirmou que aviões norte-americanos bombardearam posições do grupo islâmico perto de Bagdá, nas últimas horas.

A operação corresponde ao anúncio feito há menos de uma semana pelo presidente Barack Obama de que iria suspender a restrição aos ataques aéreos realizados contra o EI. Desde o começo de agosto, as ofensivas tinham se limitado à defesa de pessoal e de interesses norte-americanos no Iraque ou em apoio a missões humanitárias. Os ataques foram anunciados no mesmo dia em que os EUA e cerca de 30 outros países concordaram com o uso de “todos os meios, inclusive militares” contra o grupo terrorista, durante uma cúpula em Paris.

“O ataque aéreo a sudoeste de Bagdá foi o primeiro realizado como parte de nossos esforços ampliados para oferecer mais do que proteger nosso próprio pessoal e apoiar as missões humanitárias, e, sim, atacar alvos do EI enquanto as forças iraquianas passam à ofensiva, tal como o presidente expôs na última quarta-feira”, disse o Centcom em um comunicado.

O primeiro ataque nesta nova fase teve como objetivo “uma posição de combate do EI a sudoeste de Bagdá que estava disparando contra membros das Forças de Segurança Iraquianas”, segundo a declaração oficial.

Mais informações

Em 10 de setembro, em seu discurso à nação para definir a “estratégia” dos EUA para “enfraquecer e, finalmente, destruir o EI”, Obama anunciou que tinha autorizado o início de uma “campanha sistemática de ataques aéreos contra os terroristas” e que, no caso do Iraque, serviriam para ir “mais além do que proteger nosso pessoal e missões humanitárias, mas sim para atacar alvos do EI enquanto as forças iraquianas passam à ofensiva”. Em outra importante mudança de posição, o presidente afirmou ainda que a luta contra o EI não se limitará ao Iraque e poderá também se estender à Síria.

Além desse novo tipo de ataque perto da capital iraquiana, a Força Aérea norte-americana bombardeou, na segunda-feira, posições do EI nos arredores da localidade curda de Sinjar, levando a mais de 160 o número de missões realizadas no Iraque desde o começo de agosto.