A primeira vacina contra a dengue entra na última fase de testes

A doença está em expansão e já não se limita às zonas tropicais

O vírus da dengue.
O vírus da dengue.age fotostock

A primeira vacina contra a dengue acaba de entrar na última etapa de pesquisa, a fase três, que se destina a testar a droga em larga escala para ajustar a dose e garantir sua eficácia. Sanofi, o laboratório fabricante, espera comercializá-la no próximo ano.

A dengue é uma doença viral transmitida por um mosquito. Tem duas variantes: uma mais leve e outra, grave (antes chamada dengue hemorrágica), que pode levar à morte. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que, na década de 1970, apenas meia dúzia de países tiveram surtos da variedade mais grave. “No entanto, agora é endêmica em mais de 100 países na África, nas Américas, no Mediterrâneo Oriental, no Sudeste Asiático e no Pacífico Ocidental. As regiões mais afetadas são o Sudeste Asiático e o Pacífico Ocidental”, diz a OMS.

A doença está em expansão. Em 2008, foram registrados 1,2 milhão de casos; em 2010 foram 2,3 milhões, segundo a OMS. Em 2012, houve 2,35 milhões só na América Latina, sendo 1,5% da variante mais grave. No total, registram-se no mundo meio milhão de casos graves, dos quais 2,5% (cerca de 12.500) vão a óbito.

Mais informações

Como outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes, já houve casos nos EUA e na Europa (na Croácia, por exemplo) devido ao aquecimento climático, que facilita a proliferação dos insetos em novas áreas geográficas (como ocorreu com o Aedes albopictus, o mosquito tigre, na Catalunha) e à facilidade das viagens, que permite que pessoas ou animais infectados transitem entre zonas endêmicas e não-endêmicas.

Similar à gripe, a dengue leve é uma infecção que acomete principalmente as crianças. Apresenta-se com febre alta, dor de cabeça intensa, dor atrás dos olhos, dores nos músculos e articulações, náuseas, vômitos, aumento dos gânglios linfáticos e erupção cutânea. A variante grave causa hemorragias internas e falência múltipla de órgãos. Atualmente, não há tratamento específico para a doença.

Isso explica porque – a exemplo do que ocorre no caso da malária – a vacina é recebida como uma ajuda importantíssima, mesmo que tenha taxas de proteção de 56%, bastante baixas em comparação com imunizações convencionais. Por outro lado, a taxa é muito melhor para a variante grave, uma vez que pode chegar a 80%, se forem confirmados os resultados obtidos até agora nos testes.

Outra limitação é que existem quatro cepas do vírus da dengue, mas a vacina (um complicado enxerto de vírus da dengue no vírus da febre amarela) protege somente contra três. Por isso, considera-se que esta vacina seja apenas o primeiro passo no caminho de uma mais abrangente.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: