Rosell tenta driblar o ‘Caso Neymar’

O ex-presidente do Barcelona declarou ao juiz Ruz que a contratação do jogador custou 57 milhões de euros e não 86, como diz a acusação

Rosell, esta manhã na Audiência Nacional espanhola.
Rosell, esta manhã na Audiência Nacional espanhola.Emilio Naranjo (EFE)

O caso Neymar persegue o Barça, o clube que contratou o jogador brasileiro no ano passado por 169 milhões de reais. Ou por 256. A diferença entre a quantidade menor e a maior, 87 milhões de reais, não foi declarada pelo FC Barcelona à Fazenda. Por isso o promotor acusa o clube de uma fraude fiscal de 27 milhões de reais em impostos, que deveriam ter sido pagos pela operação.

Sandro Rosell, que contratou o jogador brasileiro quando era presidente do clube, compareceu ontem à Audiência Nacional espanhola para declarar como imputado por apropriação indébita em grau de distração (gestão desleal do patrimônio cometido pelo administrador quando prejudica patrimonialmente a sociedade) relacionado com os 11 contratos que assinou para que Neymar da Silva Santos J. jogasse no seu time.

Rosell abandonou a presidência do clube em janeiro, quando o cerco judicial ao caso, depois da abertura da causa na Audiência Nacional, se tornou insuportável. O clube, também imputado pelo delito fiscal, tentou fechar a ferida pagando à Fazenda 44 milhões de reais, pelos impostos que não pagou em seu momento pela contratação. Apesar desse reconhecimento implícito de culpa, Rosell manteve ontem a versão de que o preço real da contratação foi de 57 milhões, que "nunca leu as letras miúdas do contrato", mas que "tudo foi bem feito", segundo explicou o advogado Felipe Izquierdo, que representa a acusação particular de Jordi Cases, sócio do Barcelona que fez a denúncia.

Sobre o resto do gasto até chegar aos 256 milhões de reais (86 milhões de euros) – a diferença não declarada à Fazenda, segundo a investigação judicial – corresponde a contratos alheios à venda do jogador, segundo Rosell.

O Barça desmembrou essa quantia e a converteu em uma "prévia da contratação" (10 milhões de euros); a comissão do agente (2,5 milhões de euros); um contrato de captação de publicidade (4 milhões); um acordo com uma fundação para fins sociais (2,5 milhões de euros); um pacto de colaboração com o Santos sobre três jogadores (7,9 milhões de euros); e mais 2 milhões de euros para a agência do pai do jogador, além de outros gastos. No total, esses pequenos contratos alheios à contratação, segundo Rosell, somavam 29 milhões de euros (87 milhões de reais), a diferença entre o que o clube diz que pagou pelo jogador e o que a investigação judicial aponta (169 e 256 milhões de reais, respectivamente).

Mais informações

Quando perguntaram a Rosell e ao diretor geral do clube, Antoni Rossich, sobre as razões que levaram Barcelona a pagar 44 milhões de reais ao Fisco (como se se tratasse de uma declaração complementar por impostos insuficientes) e se consideravam a operação legal, os dois se referiram a um princípio de prudência para fazer esse desembolso, com o qual se pretendia encerrar o processo judicial, segundo explicou o advogado de Cases.

O juiz Pablo Ruz decidirá nos próximos dias se imputa mais pessoas neste caso, entre eles o pai do Neymar e o atual presidente do Barça, Josep María Bartomeu, que assinou como vice-presidente sete dos 11 contratos que tornaram possível a transação de Neymar. Tanto Rosell como o diretor geral do Barcelona tentaram desvincular Bartomeu do contrato de Neymar. "Nem o vice-presidente esportivo nem o vice-presidente econômico intervieram nem no desenvolvimento da negociação da compra nem na determinação das condições contratuais", indicaram ambos, segundo um comunicado enviado pelo clube.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: