PADRE LUIGI CIOTTI | DIRIGENTE DA LIBERA

“A Igreja fez vista grossa para a Máfia”

O sacerdote, que dirige a associação Libera contra o crime, conseguiu o apoio do Vaticano

O Papa e o padre Luigi Ciotti, no dia 21 de março.
O Papa e o padre Luigi Ciotti, no dia 21 de março.Tiziana Fabi / AFP

O padre Luigi Ciotti (Pieve di Cadore, 1945) é uma referência na luta contra as máfias na Itália. Apesar de dirigir há décadas a Libera, uma associação civil que combate o crime e promove a legalidade, nunca conseguiu o apoio expresso do Vaticano. Uma indolência que finalmente terminou em março, quando o Papa Francisco participou de uma vigília para as vítimas em Roma. Bergoglio e Ciotti entraram juntos no templo. Poucas semanas mais tarde, o Papa anunciou na Calabria a histórica excomunhão da 'Ndrangheta.

Como as palavras do Papa na Calábria podem servir para a luta contra a máfia?

As palavras do Papa marcam um ponto do qual não há volta. No passado, a atitude da Igreja em relação às máfias deixou espaço a reticências e silêncios, e isso entrava em conflito com o compromisso daqueles que, por outro lado, denunciavam e davam a cara. De dom Pino Puglisi e dom Peppe Diana, que perderam a vida, a tantos outros que, sem serem notícia, continuar construindo a esperança em territórios esmagados pela presença do crime. As palavras do Papa, que, não esqueçamos, têm um precedente em outras de João Paulo II e Bento XVI, extirpam qualquer ambiguidade. As máfias são a "adoração do mal" e os mafiosos estão, por isso mesmo, excomungados, fora da comunhão com a Igreja. A menos que se convertam, o que é algo mais do que o fato de se arrepender perante a lei. É fazer do reconhecimento do mal causado o eixo de uma transformação radical em sua própria vida.

Até que ponto a Igreja oficial não esteve à altura das circunstâncias?

As palavras do Papa tiram todas as desculpas para uma Igreja que tem sido muito branda com as máfias e olhou com indulgência e até mesmo agrado a falsa devoção dos mafiosos, fazendo vista grossa para seus delitos e atos de violência. A fé não pode ser um salvo-conduto para a ética! Rosario Livatino, um jovem magistrado e homem de fé, assassinado pela máfia em 1990, escreveu sobre isso uma frase muito bonita: "Ao final não nos perguntarão se fomos crentes, mas se fomos críveis".

Após seu encontro com o Papa na cerimônia de março, você crê que o Vaticano vai finalmente estar mais próximo das vítimas?

Sem dúvida. Nunca antes uma representação das vítimas da máfia tinha sido recebida por um Papa. E a palavra "recebida" não reflete plenamente o espírito do encontro. Francisco nos ouviu, nos abraçou. Ficou em silêncio por um longo tempo, ouvindo os nomes das pessoas assassinadas pela Máfia e o testemunho de seus familiares. Não aparentou humildade: foi humilde. Espero sinceramente que toda a Igreja siga o exemplo da atitude de sua mais alta autoridade: de um lado, o retorno à sobriedade e à essência do evangelho; do outro, a denúncia e repúdio ao poder das máfias e a um sistema econômico que estrangula a vida das pessoas.

Como um cidadão comum que vive numa pequena cidade na Calábria pode lutar contra o poder da 'Ndrangheta?

A batalha contra as máfias – e a corrupção que lhe abre caminho – pode ser vensida se se juntam cidadãos e magistrados, políticos e agentes das forças da ordem, educadores e empreendedores. As máfias são fortes em uma sociedade fragmentada e individualista. Fortalece-se graças a um Etado sem recursos para garantir escola, trabalho, assistência médica...

Você teme um desafio forte, até mesmo sanguinário, da 'Ndrangheta em resposta às palavras do Papa?

É difícil prever a reação das máfias. Mas se olharmos para a tendência dos últimos anos, acho que poderia ser excluída. As máfias entenderam que os atos violentos, sanguinários são prejudiciais a elas e também anacrônicos. Prejudiciais porque atraem a atenção e interferem nos atos criminosos que requerem opacidade e áreas de sombra. E anacrônicos porque, em um mundo onde o que domina é a lógica do lucro, as máfias têm cada vez menos necessidade de recorrer à violência direta podendo usar a que é garantida pelos tráficos criminosos. A violência das máfias já é, salvo exceções, uma "violência de colarinho branco", escondida e de certo modo protegida pelas injustiças e desigualdades do nosso tempo. Por isso, o problema das máfias não é apenas criminal: é sobretudo um problema político.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50