O hit da quebrada

A torcida nacional pouco a pouco engata melhores cânticos para apoiar a seleção Enquanto isso, nas festas, ‘País do Futebol’, de MC Guimê, é a música preferida dos brasileiros

Dizem que o Brasil anda mal com as músicas que cantam os torcedores para impulsionar o trabalho da seleção em campo, mas só se for na arquibancada mesmo. Enquanto nos estádios o que se escuta é um entediante “Sou brasileiro, com muito orgulho”, nas festas oficiais e não-oficiais desta Copa, a trilha anda muito mais animada, graças ao hit País do Futebol, do MC Guimê – expoente máximo do chamado funk ostentação . No YouTube, o videoclipe oficial já foi acessado quase 32 milhões de vezes.

Se tem um hino não oficial, é esse: "Eu sou país do futebol, negô/ Até gringo sambou /Tocou Neymar é gol!". Não é por menos. Como a letra adianta, até Neymar Jr. aprovou a composição, e isso há meses, quando o jogador, que é amigo pessoal de Guilherme Aparecido Dantas, o Guimê, escutou de primeira mão a música – que conta com a participação do rapper Emicida – e topou participar do clipe na hora.

A canção, que homenageia os garotos da favela (ou da quebrada) que jogam futebol, foi lançada como single em novembro do ano passado e entrou para a abertura da novela Geração Brasil, da Rede Globo, em maio último. Também foi incluída na trilha sonora do documentário Pelada - Futebol na Favela, que tem direção de Alex Miranda. Já o clipe, tem Guimê, Emicida e o craque Neymar – jogando vídeogame, dançando e fazendo embaixadinhas junto com crianças da periferia.

País do Futebol tinha a letra, a ginga e o selo pra ter sido o hino oficial deste Mundial, mas em seu lugar a FIFA emplacou a mundialmente renegada We are one, cantada por Jennifer Lopez, Claudia Leitte e o rapper americano Pitbull. MC Guimê, nascido em Osasco e hoje ostentando muito além do que jamais imaginou durante sua dura infância, não se opôs à escolha. À imprensa brasileira, disse que levou apenas sete horas para concluir sua parte da música e que “Cláudia Leitte tem mérito para estar onde está”. Mas equilibra as coisas: “Fico muito feliz porque a minha música foi eleita pela galera. Vou atingir o público de qualquer maneira, oficialmente lançado pela Copa ou não", disse o rapper à revista Serafina.

Agora, parte da torcida tenta emplacar uma adaptação da música Brasília Amarela, dos Mamonas, para animar a seleção. "Brasil, nós estamos contigo. Somos uma nação. Não importa o que digam. Sempre levarei comigo. Minha camisa amarela. Cinco taças na mão. Essa Copa é nossa. Vai começar a festa". 

De Copas e canções

O quesito música pode ter sido um dos fiascos dessa Copa brasileira, pelo menos a oficial. A abertura do evento, apesar de ter exibido danças típicas do país, não fez jus à riqueza musical da nação. Nem Shakira, que na Copa do Mundo de 2010 fez sucesso com Waka Waka (This Time for Africa), foi capaz de salvar a pátria com La la la, com uma pontinha de Carlinhos Brown.

A torcida nacional tampouco sabe embalar longos versos. Até que reagiu bem depois que a Argentina provocou com sua já famosa Decime qué se siente e lançou de volta Mil gols, mil gols...,  ouvido com força pela primeira vez na partida entre Argentina e Suíça, na última terça-feira.  

Até os colombianos, eliminados do torneio nesta sexta pelo Brasil, se empolgaram com a boa campanha de seu time até as quartas de final e divulgaram seu James pensé, em homenagem ao craque que, até agora, era o artilheiro da competição. A música, composta depois da vitória da Colômbia sobre o Uruguai, é de autoria da dupla Inténtalo Carito, dos irmãos Juan Andrés e Nicolás Ospina, que ficou famosa na internet há dois anos com a divertida Qué difícil es hablar el español.

Arquivado Em: