O hit da quebrada

A torcida nacional pouco a pouco engata melhores cânticos para apoiar a seleção Enquanto isso, nas festas, ‘País do Futebol’, de MC Guimê, é a música preferida dos brasileiros

Dizem que o Brasil anda mal com as músicas que cantam os torcedores para impulsionar o trabalho da seleção em campo, mas só se for na arquibancada mesmo. Enquanto nos estádios o que se escuta é um entediante “Sou brasileiro, com muito orgulho”, nas festas oficiais e não-oficiais desta Copa, a trilha anda muito mais animada, graças ao hit País do Futebol, do MC Guimê – expoente máximo do chamado funk ostentação . No YouTube, o videoclipe oficial já foi acessado quase 32 milhões de vezes.

Se tem um hino não oficial, é esse: "Eu sou país do futebol, negô/ Até gringo sambou /Tocou Neymar é gol!". Não é por menos. Como a letra adianta, até Neymar Jr. aprovou a composição, e isso há meses, quando o jogador, que é amigo pessoal de Guilherme Aparecido Dantas, o Guimê, escutou de primeira mão a música – que conta com a participação do rapper Emicida – e topou participar do clipe na hora.

A canção, que homenageia os garotos da favela (ou da quebrada) que jogam futebol, foi lançada como single em novembro do ano passado e entrou para a abertura da novela Geração Brasil, da Rede Globo, em maio último. Também foi incluída na trilha sonora do documentário Pelada - Futebol na Favela, que tem direção de Alex Miranda. Já o clipe, tem Guimê, Emicida e o craque Neymar – jogando vídeogame, dançando e fazendo embaixadinhas junto com crianças da periferia.

País do Futebol tinha a letra, a ginga e o selo pra ter sido o hino oficial deste Mundial, mas em seu lugar a FIFA emplacou a mundialmente renegada We are one, cantada por Jennifer Lopez, Claudia Leitte e o rapper americano Pitbull. MC Guimê, nascido em Osasco e hoje ostentando muito além do que jamais imaginou durante sua dura infância, não se opôs à escolha. À imprensa brasileira, disse que levou apenas sete horas para concluir sua parte da música e que “Cláudia Leitte tem mérito para estar onde está”. Mas equilibra as coisas: “Fico muito feliz porque a minha música foi eleita pela galera. Vou atingir o público de qualquer maneira, oficialmente lançado pela Copa ou não", disse o rapper à revista Serafina.

Agora, parte da torcida tenta emplacar uma adaptação da música Brasília Amarela, dos Mamonas, para animar a seleção. "Brasil, nós estamos contigo. Somos uma nação. Não importa o que digam. Sempre levarei comigo. Minha camisa amarela. Cinco taças na mão. Essa Copa é nossa. Vai começar a festa". 

De Copas e canções

O quesito música pode ter sido um dos fiascos dessa Copa brasileira, pelo menos a oficial. A abertura do evento, apesar de ter exibido danças típicas do país, não fez jus à riqueza musical da nação. Nem Shakira, que na Copa do Mundo de 2010 fez sucesso com Waka Waka (This Time for Africa), foi capaz de salvar a pátria com La la la, com uma pontinha de Carlinhos Brown.

A torcida nacional tampouco sabe embalar longos versos. Até que reagiu bem depois que a Argentina provocou com sua já famosa Decime qué se siente e lançou de volta Mil gols, mil gols...,  ouvido com força pela primeira vez na partida entre Argentina e Suíça, na última terça-feira.  

Até os colombianos, eliminados do torneio nesta sexta pelo Brasil, se empolgaram com a boa campanha de seu time até as quartas de final e divulgaram seu James pensé, em homenagem ao craque que, até agora, era o artilheiro da competição. A música, composta depois da vitória da Colômbia sobre o Uruguai, é de autoria da dupla Inténtalo Carito, dos irmãos Juan Andrés e Nicolás Ospina, que ficou famosa na internet há dois anos com a divertida Qué difícil es hablar el español.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete