Seleccione Edição
Login

Um viaduto despenca em Belo Horizonte e deixa dois mortos

Ele deveria ser inaugurado oficialmente nos próximos dias e estava na fase final de acabamento

Os veículos presos sob o viaduto. Ver galeria de fotos
Os veículos presos sob o viaduto. FolhaPress

Duas pessoas morreram e pelo menos 23 ficaram feridas, segundo a Secretaria de Saúde de Minas Gerais, nesta quinta-feira, na queda de um viaduto em construção em Belo Horizonte. Parte do elevado desmoronou em cima de um micro-ônibus, dois caminhões e um carro que circulavam pela avenida Dom Pedro I, na região da Pampulha. Os caminhões faziam parte da obra e estavam vazios.

O acidente aconteceu perto do estádio Mineirão, onde se realizará uma das partidas da semifinal da Copa do Mundo, no próximo dia 8. Além disso, a avenida é uma das vias principais de acesso ao Aeroporto Internacional Trancredo Neves, em Confins.

Partes do outro viaduto que está sendo construído ao lado do que desabou foram escoradas após o acidente para evitar novos desabamentos. Segundo informações do jornal Estado de Minas, a Sudecap, responsável pela construção do elevado, descartou o risco de queda de um terceiro viaduto na mesma avenida em fevereiro, após um deslocamento lateral de 27 centímetros na estrutura.

Uma das vítimas confirmadas é Hanna Cristina Santos, de 25 anos, a motorista do ônibus. Sua filha de cinco anos estava dentro do veículo e foi levada para o Hospital Risoleta Neves, mas não se feriu com gravidade e já teve alta.

A segunda vítima foi retirada dos escombros pela manhã. O rapaz estava nas ferragens do carro atingido e foi identificado como Charlys Frederico M. do Nascimento, de 25 anos. O Corpo de Bombeiros acredita que não haja mais nenhuma vítima presa no desabamento.

A presidenta Dilma Rousseff disse que o Governo federal se colocou à disposição da Prefeitura e das autoridades regionais para auxiliar "no que for necessário". "Neste momento de dor, presto minha solidariedade às famílias das vítimas", acrescentou, em sua conta no Twitter.

Já a Prefeitura de Belo Horizonte decretou três dias de luto oficial pelo ocorrido e afirmou que um comitê técnico fará um levantamento "de todos os dados" sobre o desabamento, a fim de elaborar "um diagnóstico das causas do acidente e definir as providências que serão tomadas”.

O prefeito Marcio Lacerda esteve no local do acidente para manifestar seu apoio às vítimas e afirmou que “nesse momento, o mais importante é dar toda assistência e apoio aos que sofreram as terríveis consequências desse acidente”.

A Construtora Cowan, responsável pela obra, divulgou uma nota em que lamenta profundamente o ocorrido e diz que não está medindo esforços para oferecer apoio às vítimas e familiares.

Os eventos ligados à Copa do Mundo nesta sexta-feira foram cancelados pela Prefeitura. Ao todo, seis eventos estavam programados para o dia do jogo do Brasil. A Fan Fest do Expominas também foi cancelada.

A obra faz parte do complexo do BRT, um sistema de transporte rápido por ônibus. O valor dessa etapa da obra é de 460 milhões de reais, de acordo com informações da Prefeitura, e o viaduto que desabou custou cerca de 14 milhões de reais.

O acidente desta quinta-feira ocorre ainda na esteira de outros que marcaram a preparação do país para a Copa: ao todo, nove operários faleceram nos trabalhos de construção ou reforma dos estádios que sediariam o Mundial.

MAIS INFORMAÇÕES