Os rebeldes pró-russos ocupam o aeroporto internacional de Donetsk

Dezenas de milicianos armados com fuzis invadiram o aeródromo, que foi evacuado e fechado

Um caminhão com milicianos a caminho do aeroporto de Donetsk.
Um caminhão com milicianos a caminho do aeroporto de Donetsk. (REUTERS)

Na primeira hora da manhã desta segunda-feira, dezenas de milicianos pró-russos armados com fuzis invadiram o aeroporto internacional Serguei Prokofiev de Donetsk, capital da autoproclamada República Popular homônima, e se fortaleceram no interior do edifício. O aeródromo foi evacuado e fechado e todos os voos cancelados para garantir a segurança, informou o porta-voz do mesmo, Dmitro Kosinov. “Há homens armados no interior do recinto, motivo de sobra para suprimir todas as atividades aeroportuárias”, disse Kosinov.

A estrada que leva ao aeroporto está bloqueada pela polícia, embora os três caminhões que transladavam os separatistas conseguiram passar. A pouco mais de um quilômetro em linha reta, os milicianos controlam os principais acessos a Donetsk desde o noroeste, mediante um fortificado ponto de controle na estrada nacional que conecta a capital provincial com Krasnoarmisk, principal ponto das tropas ucranianas no leste. Na sexta-feira, o avanço de um grupo de forças especiais ucranianas na altura de Karlovka, com pelo menos dois soldados mortos, foi contido. As marcas do combate eram bem visíveis nesta segunda-feira em um ponto de controle dessa localidade.

A ação dos pró-russos, que segundo fontes rebeldes pertencem ao Batalhão Vostok (leste), tem como objetivo pedir a retirada imediata de todas as tropas ucranianas da região. Em Donetsk e arredores não há presença do Exército nem da Guarda Nacional, apenas alguns controles de estrada nas mãos da polícia rodoviária. Os separatistas controlam boa parte da rodovia do noroeste e trechos da que vai de Donetsk a Mariupol.

O Serviço de Segurança Interior (SBU), que coordena a operação militar contra os pró-russos, declarou à noite que a ofensiva continuaria nesta segunda-feira depois da trégua de 24 horas durante a jornada eleitoral deste domingo.

Arquivado Em: