Os pró-russos de Donetsk elaboram uma constituição inspirada na Crimeia

O caos e a deterioração econômica no leste da Ucrânia incentivam a emigração

Um rebelde pró-russo ajuda um homem em Slaviansk.
Um rebelde pró-russo ajuda um homem em Slaviansk.Y. B. / REUTERS

Os líderes da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) se organizam para criar suas próprias instituições e um “enquadramento legal”, a espera de que Moscou abra a porta da Rússia a eles. Enquanto isso, a economia e a ordem pública estão se deteriorando e os confrontos bélicos entre os insurgentes separatistas e as tropas leais ao Governo continuam. O medo em relação ao futuro toma conta da sociedade, diante das armas que, com uma frequência cada vez maior, se veem no centro de Donetsk. Um dos resultados é a fuga ou a emigração de quem se sente ameaçado. “Emigro, deixo meu negócio, deixo tudo. Já não levo a meu filho à escola”, diz Irina, uma mulher de 33 anos que encontramos em um café de moda de Donetsk, um local antes muito concorrido e agora praticamente vazio. “A gente poupa pelo que pode acontecer”, diz Denis, um pequeno empresário fornecedor de frangos e coelhos. “Meus primos de Slaviansk fugiram e se refugiaram em um monastério nas proximidades de Moscou”, afirma. No centro de Donetsk, as butiques de luxo anunciam liquidações de 80% de desconto para roupas da moda.

Os milicianos têm uma grande fascinação pelos carros bons e pegam alguns “emprestados” ou exigem os automóveis como contribuição revolucionária ao separatismo. Alguns comissários da RPD se apresentaram em uma sucursal bancária com uma petição escrita para que o banco contribuísse à causa com dois carros de sua garagem de veículos embargados por inadimplentes, segundo conta uma testemunha. “Poderíamos usar a tesouraria da província, mas cortariam o fornecimento de dinheiro numerado”, diz Andréi Purguin, um dos membros do governo separatista, que está a favor de que, no futuro, o rublo seja a moeda local.

Mais informações

A ajuda russa aos separatistas, qualquer um que seja, é bem discreta. Moscou apoiou na variante inicial da constituição, que está sendo elaborada atualmente. Fontes da RPD reclamaram que o dinheiro prometido pelos representantes russos (aparentemente um servidor público de nível médio da administração presidencial) para imprimir as cédulas eleitorais não chegou. As fontes estão divididas, algumas pensam que o dinheiro, “que não era muito”, não saiu de Moscou e outras, que “se perdeu pelo caminho”.

A constituição elaborada inicialmente foi sentada na constituição da Crimeia. Mas o rascunho está se adaptando às circunstâncias locais. “Precisamos que o texto sirva por algum tempo”, diz Boris Litvinov, que contribui na adaptação. O fato de não ter nenhuma garantia de reconhecimento obrigou os separatistas a redigirem uma cláusula na qual se estipula um mecanismo para caso a Rússia se digne a integrá-los, o que pode ser considerado como uma espécie de instruções de anexação, caso chegue a ser feita algum dia. O rascunho constitucional não menciona a Rússia pelo nome, se refere sempre ao “Estado federativo”. “No caso de que o Estado Federativo expresse seu acordo (…) para acolher a República Popular de Donetsk em seu território, a República Federativa de Donetsk automaticamente se converterá em parte do Estado Federativo”.

O documento expressa apoio à “família tradicional”, proíbe as “uniões pervertidas” entre pessoas do mesmo sexo, estabelece que Donetsk é parte do “Mundo Russo” e que a Igreja Ortodoxa, que depende do patriarcado de Moscou, é o pilar desse “Mundo Russo”. “Trata-se de um sistema de Matrioskas (bonecas russas que se encaixam uma dentro da outra), no qual a grande Matrioska é a Rússia com a Bielorrúsia e Cazaquistão”, diz Purguín. Segundo Purguín, existem diferentes combinações sobre como organizar e montar territorialmente Donetsk e as províncias do sul e do Leste dea Ucrânia, em sistema de “matrioskas”. Em sua opinião, se pensamos com critérios econômicos, deveria haverr uma “fronteira semi-permeável” entre o resto da Ucrânia e as zonas do “mundo russo”, mas se pensa “com critérios emotivos”, “nesta região já levamos mais de 200 cadáveres”, se referindo aos confrontos bélicos.

Algumas das fontes dão a impressão de que o Kremlin também tem diferentes ideias sobre o que querem. “Explicaram que desejam que Donbas sirva de linha de frente para desestabilizar toda esta região até Odessa e com isso desestabilizar também a Europa e os Estados Unidos e prejudicá-los economicamente. Trata-se de manter em o Ocidente em cheque, fazer com que desista de apoiar a Ucrânia”, diz uma fonte, que assegura citar os argumentos dados pelos seus interlocutores no Kremlin.

Enquanto isso, Rinat Ajmétov, o oligarca com a maior fortuna da Ucrânia, se pronunciou publicamente pela unidade do país. Sua situação não é fácil, admite Purguin, porque é como se tivesse que escolher “entre que lhe cortem a mão esquerda ou a mão direita”, aponta. Se Ajmétov apoiasse os independentistas, poderia ser multado. Se apoia Kiev, poderia ficar sem seus negócios em Donetsk, caso a RPD se consolide.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50