_
_
_
_
_

Cebrián recebe prêmio Primeira Emenda por defender a liberdade de imprensa

O presidente do EL PAÍS recebeu, em uma cerimônia na residência do embaixador espanhol, Ramón Gil-Casares, o prêmio concedido pela Associação Espanhola dos Eisenhower Fellows

Ramón Gil Casares, Javier Cremades, Juan Luis Cebrián e John Wolf.
Ramón Gil Casares, Javier Cremades, Juan Luis Cebrián e John Wolf.Z. GARCÏA (EFE)

Um garoto de 15 anos agitava em 1959, na Gran Via madrilenha, uma bandeirola norte-americana à passagem da comitiva em que viajava o então presidente dos EUA, Dwight Eisenhower. Juan Luis Cebrián, presidente-executivo do grupo PRISA (que edita o EL PAÍS), recordou na sexta-feira em Washington aquela jornada, quando teve início a admiração dele pelo general que contribuiu para derrotar o fascismo na II Guerra Mundial e que, quando já era presidente, normalizou as relações com a Espanha.

“É a primeira bandeira que fiz tremular na minha vida, e acredito que foi a única vez que fiz um gesto semelhante com sinceridade e entusiasmo”, disse.

O jornalista e acadêmico recebeu, em uma cerimônia na residência do embaixador espanhol, Ramón Gil-Casares, o prêmio Primeira Emenda, concedido pela Associação Espanhola dos Eisenhower Fellows. O prêmio reconhece a contribuição dos premiados para a defesa e a promoção da liberdade de imprensa. Leva o nome da primeira emenda à Constituição norte-americana, que prevê que o Congresso jamais aprovará leis “que limitem a liberdade de expressão”.

No ato, apresentado pelo próprio embaixador e pelo advogado Javier Cremades, presidente da associação que entrega o prêmio, Cebrián defendeu o papel dos EUA – e do presidente Eisenhower em particular – na abertura da Espanha ao mundo nos anos do pós-guerra. “A abertura ao exterior que a chegada de Eisenhower à capital da Espanha simbolizou foi o tiro de partida para a modernização da nossa sociedade”, disse.

Fundador e presidente do EL PAÍS e membro da Real Academia Espanhola, Cebrián partiu da visita de Eisenhower a Franco para defender o caráter central dos EUA, então e agora, como referência para a democratização da Espanha.

Mesclando memória com história e unindo o fascínio pelo cinema, a arte e a música norte-americanos à perspectiva coletiva, o jornalista propôs outra interpretação para a aproximação entre a superpotência e a autarquia ibérica. “Naturalmente eu teria gostado que o regime franquista tivesse desaparecido antes do que despareceu”, disse. “Mas sempre me pareceu injusta a recriminação que muitos esquerdistas fizeram às potências ocidentais por normalizarem suas relações com a Espanha apesar da ditadura.”

Os tratados dos anos cinquenta com os EUA, prosseguiu, “ajudaram a adoçar as condições do gueto em que o ditador havia transformado o nosso país, permitiram o intercâmbio entre os nossos povos e nos ajudaram a ser um pouco menos caipiras”. “Roosevelt, Eisenhower e Kennedy são os presidentes americanos nos quais se mirava o país onde cresci”, disse Cebrián, que chegou a pedir uma entrevista com Eisenhower para a revista do seu colégio.

A entrega do prêmio foi uma celebração da relação entre EUA e Espanha. A perda das colônias espanholas em 1898, frente à emergente potência norte-americana, e depois a aliança do franquismo com as potências do Eixo durante a II Guerra Mundial alimentaram o antiamericanismo da direita. A aliança dos EUA de Eisenhower e seus sucessores com a ditadura franquista reforçou o antiamericanismo de esquerda.

A entrega do prêmio foi uma celebração da liberdade de imprensa. John Wolf, presidente da Fundação Eisenhower, citou Nate Silver, um dos jornalistas mais inovadores dos EUA: “Há um jornalismo que pretende o que chamam de objetividade, sem se comprometer na busca da verdade, mas isso não funciona”.

“Para Cebrián, o jornalismo é contar algo que alguém não quer que se conte”, disse Cremades. “Se, como disse Joseph Pulitzer, as nações prosperam ou decaem simultaneamente com sua imprensa, o trabalho do nosso galardoado simboliza também a confiança em que a sociedade espanhola ainda tem a estrutura moral para se recuperar destes tempos.”

Lições para a Espanha de hoje na figura de Ike Eisenhower? Cebrián disse sentir inveja dos líderes que colaboraram “à margem do partidarismo e das ideologias, pelo bem do seu país e da paz”.

“Não se tratava do consenso, como agora se diz, mas sim da fé no sistema, da capacidade de se reformar, e da promessa de futuro que a democracia abriga”, afirmou. Com luzes e sombras, acrescentou, os EUA foram “professor indiscutível em todas essas coisas” e “continuam constituindo a maior democracia mundial”.

“De modo que hoje”, concluiu, “recordo com emoção indescritível a imagem de minha mão no ar, ondeando a bandeira americana à passagem da comitiva de Eisenhower. Estava anunciando, sem que eu soubesse, que antes ou depois eu poderia desfrutar na minha vida de um dia como esse”.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_