Pouca sintonia e uma visita relâmpago de Elizabeth II ao Papa

A rainha da Inglaterra chegou atrasada ao Vaticano e foi embora antes do tempo; antes, presenteou o Pontífice com uma garrafa whisky escocês

O Papa no momento da reunião com a rainha Elizabeth e com o duque de Edimburgo.getty | vídeo: REUTERS-LIVE! (reuters_live)

Foi uma visita de médico. A rainha Elizabeth II esteve em Roma por cinco horas escassas, as suficientes para almoçar com o presidente da República, Giorgio Napolitano, e conhecer o papa Francisco, a quem presenteou com um lote de produtos que, para surpresa do pontífice, incluía uma garrafa de whisky escocês. A soberana britânica e cabeça da igreja anglicana chegou ao Vaticano com 23 minutos de atraso, motivo pelo qual se sentiu na obrigação de oferecer uma desculpa ao Papa: “Desculpe pelo atraso. Estávamos tendo um almoço muito agradável com o presidente Napolitano”. A tão pouco diplomática desculpa real foi respondida pelo Papa com a diminuição no tempo do encontro. Da meia hora que ele estava previsto durar, ficou em 17 minutos justos.

Também não houve muita sintonia na troca de presentes. Jorge Mario Bergoglio deu à rainha um fac-símile do documento com o qual o papa Inocêncio XI introduziu em 1679 o culto de São Eduardo, rei da Inglaterra entre os anos 1043 e 1066 e fundador da abadia de Westminster; ao duque de Edimburgo, um tríptico com as moedas de seu pontificado; e, além disso, um presente para seu bisneto George, o filho de William e Kate, os duques de Cambridge. Isabel II correspondeu ao pontífice com uma espécie de cesta de Natal com produtos da terra, com uma garrafa de suco de maçã, mel coletado no palácio de Buckingham e a já mencionada garrafa de whisky. Diante da perplexidade do Papa, a rainha explicou que era destilado no castelo escocês de Balmoral.

O que foi falado durante os minutos que o casal real e o pontífice permaneceram a sós não foi divulgado, já que se tratou de uma visita de cortesia, na qual –ao contrário do que ocorreu durante o recente encontro com Barack Obama—não teve nem recepção oficial nem câmeras ao vivo. Também não aconteceu nas solenes instalações do palácio pontifício, mas na sala de aulas Pablo VI. Isabel II, que fará 88 anos no próximo mês de abril, visitou pela primeira vez o Vaticano em 1951, quando ainda era princesa, e -já como rainha viajou oficialmente a Roma em outras três ocasiões para se reunir com João XXIII em 1961 e com João Paulo II em 1980 e 2000.