Santillana vende Ediciones Generales a Penguin Random House para se centrar na área educativa

O selo editorial focará plenamente sua atividade na área educativa que, em 2013, contribuiu à companhia com 87% de seus rendimentos. O preço de venda foi de 72 milhões de euros

Santillana, empresa que pertence ao Grupo Prisa (editor do EL PAÍS), vendeu a Ediciones Generales a Penguin Random House, do grupo Bertelsmann. Trata-se dos selos comerciais Alfaguara, Taurus, Aguilar, Suma de Letras, Punto de Lectura, Altea, Fontanar e Objetiva. O preço de venda foi de 72 milhões de euros (234 milhões de reais). O anúncio foi feito hoje por Miguel Ángel Cayuela, Conselheiro Delegado da Santillana, e Markus Dohle, Diretor Geral da Penguin Random House.

Com esta operação, Santillana busca centrar e reforçar sua linha educativa com uma grande tradição e presença na Espanha e na América Latina, onde é líder neste âmbito. Santillana focará sua atividade na área da educação, que nos últimos anos vive uma grande conversão digital e pedagógica. Quer dar resposta aos desafios e singularidades dos novos modelos de ensino em cada país e contribuir para reduzir a brecha digital. Por esse motivo fica com as edições infantil e juvenil destinada aos colégios. No ano passado, Santillana Educativa representou 87% do volume de rendimentos de toda a companhia.

A partir de agora se abre um período de transição durante o qual deverão ser preenchidos os requisitos jurídicos e administrativos respectivos. Até então, as duas companhias trabalharão de maneira independente, no caso de Ediciones Generales nos 22 países onde tem presença: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Espanha, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Miguel Ángel Cayuela, conselheiro delegado da Santillana, disse: “Estes são tempos que exigem colocar todo o foco e esforço na atividade que desde as origens da companhia melhor define seu core business, e que é a educativa. Na inovação e na tecnologia, estamos vivendo uma transformação muito importante do setor, e temos a ilusão e a responsabilidade de converter a Santillana em ator relevante desta mudança”.

Depois destas transformações e prioridades por parte de Santillana, Armando Collazos, diretor global da Prisa Ediciones, expressou sua satisfação de que seja um grupo com a liderança internacional como Penguin Random House o que possa dar continuidade ao trabalho desenvolvido nestes anos pelas equipes humanas de Ediciones Generales para ligar seus autores com seus leitores.

A operação, afirma Markus Dohle, da PRH, responde a dois dos principais objetivos estratégicos de seu grupo: fortalecer o compromisso com a publicação de livros em espanhol e incrementar seu potencial comercial e literário “em um dos mercados linguísticos mais dinâmicos do mundo, e estabelecer uma forte presença no Brasil”. Além disso, expressou seu contentamento pois esta foi a primeira aquisição internacional da Penguin Random House, formada em outubro de 2012.

Com esta operação, a PRH passa a formar um dos melhores catálogos editoriais do mundo ao somar vários prêmios Nobel.

Arquivado Em: