_
_
_
_
Conflito da Crimeia

O Kremlin anuncia que a Crimeia já faz parte da Federação Russa

O presidente assegura que a península "é uma parte inalienável" da Rússia em uma sessão extraordinária do Parlamento e pede à Duma que promulgue uma lei para anexar o território

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

A Crimeia já faz parte da Federação russa, segundo anunciou nesta terça-feira o Kremlin, minutos após o presidente Vladimir Putin assinar o acordo de anexação com as novas autoridades da península, que votou no domingo em um referendo só reconhecido por Moscou sua entrada na Rússia.

O decreto assinado por Putin, que entra imediatamente em vigor, inclui um reconhecimento para o "status autônomo especial" de Sebastopol

Pouco antes, Putin tinha se dirigido a uma sessão extraordinária do Parlamento russo com um discurso cheio de referências nacionalistas no que qualificou a entrega da península à Ucrânia nos tempos da URSS, em 1954, como "um roubo à Rússia". "Não pudemos proteger então nosso povo. Mas a Crimeia é uma parte inalienável da Rússia", acrescentou o presidente russo, que pediu à Duma (parlamento da Rússia) que promulgue uma lei para que a península possa se integrar ao país. Ao fim de seu discurso, o presidente assinou com as novas autoridades da península o tratado pelo que Crimeia se una à Rússia.

No meio de aplausos e com toda a solenidade da Sala San Jorge do Kremlim como palco, Putin manifestou que respeitará todos os grupos étnicos da Crimeia e que se manterão três línguas oficiais, russo, ucraniano e tártaro. "Não pudemos deixar sem resposta o pedido da Crimeia e de seu povo. Não ajudar a Crimeia seria uma traição", disse.

O mandatário russo negou ter dispersado tropas na Crimeia "ainda que tenha a permissão do Parlamento" e fez questão de dizer que nunca superou o limite de 25.000 soldados que o acordo com Ucrânia permitia manter na península onde está estacionada a frota russa no Mar Negro. Desde a queda do regime de Yanukóvich , foram aparecendo soldados uniformizados, mas sem distintivos que foram se espalhando por todos os pontos estratégicos da Crimeia. A Rússia nunca reconheceu estes soldados como seus, embora a imensa maioria dos observadores considera que são russos. 

Putin fez referência ao exemplo de Kosovo, a ex-província sérvia que se tornou independente depois de uma operação internacional e acusou a comunidade internacional de usar dois pesos e duas medidas. Também assinalou que não pretende que se produzam novas divisões territoriais na Ucrânia, em referência ao leste do país, com maioria da população de idioma russo. 

A Rússia e a Crimeia se apressam a pôr em prática e consolidar os resultados do plebiscito do domingo no que, segundo as autoridades desta península do mar Negro, os crimeios de forma quase unânime expressaram sua vontade de se integrar à Rússia frente a um insignificante número de partidários de seguir na Ucrânia. Antes de fazer o seu discurso, Putin informou nesta terça-feira ao seu Governo e ao Parlamento da proposta de adesão da região ucraniana da Crimeia à Federação Russa,  um dia após assinar um documento pelo que reconhece a província como Estado soberano.

Crimea defende suas fronteiras.Foto: reuters_live

O decreto assinado na segunda-feira por Putin, que entrou imediatamente em vigor, inclui um reconhecimento para o "status autônomo especial" de Sebastopol, a cidade crimeia onde a Rússia tem estacionada a sua frota do Mar Negro. 

De acordo com a legalidade internacional, a Crimeia é uma república autônoma da Ucrânia e o referendo do domingo só é reconhecido pela Rússia. O resultado das turbulências provocadas pelo Maidán (os protestos) de Kiev, a consulta foi preparada no prazo recorde de dez dias e realizada em um meio militarizado e majoritariamente controlado pelos uniformizados russos. Os resultados proclamados suscitam sérias dúvidas, inclusive entre os convencidos de que a opção russa (deixando aparte a legalidade ucraniana) seria maioritária na Crimeia se pudesse formular em umas condições mais tranquilas. A comunidade tártara, que constitui cerca de 13% da população, tinha se pronunciado maioritariamente pelo boicote; os ucranianos, que são cerca de 24%, estavam divididos, e unidades militares ucranianas bloqueadas pelos russos não puderam e também não quiseram votar. Além disso, teve irregularidades patentes tais como a possibilidade de votar com só ir a um colégio e pedir para entra na lista de eleitores.

Comunidad tártara na península de Crimea.Foto: reuters_live

Pela incorporação à Rússia votaram 96,77% dos crimeios (1.233.002 pessoas) e a favor da Ucrânia, 2,51% (31.000 pessoas), segundo o presidente da comissão do referendo, Mijaíl Mályshev, que informou do resultado oficial ao Parlamento. No referendo votaram 83,1% do censo (1.274.096 pessoas) e 9.097 cédulas foram declaradas nulas. A vitória da opção russa, sem ser uma surpresa para ninguém, provocou uma onda de júbilo entre os russos da península, que nas cidades de Sebastopol e Simferópol saíram à rua para comemorar com bandeiras, música e celebrações emotivas. 

Os parlamentares crimeios se dedicaram na segunda-feira a desmontar a legalidade ucraniana na Crimeia para começar a construir seu próprio projeto. Pela “declaração de independência” de Crimeia votaram 85 deputados (de um total de cem da câmara). A “República Autônoma da Crimeia” foi substituída por “República da Crimeia”. A hora de Kiev (cinco horas a mais que Brasília) será substituída pela hora de Moscou a partir de 30 de março (sete horas de diferença com Brasília). O Soviet Supremo ou a Rada da Crimeia será o Conselho de Estado ou Parlamento. A grivnia (moeda local) será substituída pelo rublo, embora de forma paulatina e com um prazo de circulação até janeiro de 2016. Em uma disposição econômica, o Parlamento determinou as bases de funcionamento do sistema de finanças local. O flamante “Banco da Crimeia” assegurará a circulação monetária e o funcionamento de sistema financeiro e se ocupará de substituir a grivnia pelo rublo. O Ministério das Finanças da república passa a controlar as delegações na Crimeia da Tesouraria do Estado, o Ministério de Impostos e Inspeção de Finanças. Em 2014, o sistema de pagamentos de pensões, salários e serviços sociais seguirá funcionando como na Ucrânia, mas o Conselho de Ministros pediu ajuda financeira à Rússia. Vários deputados da Duma Estatal da Rússia e o cônsul desse país em Simferópol assistiram à sessão.

Em sua declaração de independência, a república da Crimeia se dirigiu à ONU e a todos os países do mundo para pedir que a reconheçam como um Estado independente, fundado pelos povos da Crimeia. A declaração prevê um status especial para a cidade de Sebastopol, que na União Soviética se submetia diretamente a Moscou, e na Ucrânia, a Kiev. Também se aboliu a legislação e os símbolos do Estado ucraniano. A propriedade estatal da Ucrânia na península passa a ser propriedade da Crimeia.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_