Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Senador Uribe

Os partidos colombianos são de borracha, e suas cúpulas provêm de uma mesma classe social

Na Colômbia, a política não se cria nem se destrói, se transforma como se fosse carne da sua carne e sangue do seu sangue. Por isso a interpretação de resultados eleitorais tem, há quem diga com suprema cafonice, várias leituras, de maneira que mais de uma formação pode se declarar satisfeita e inclusive vencedora.

As eleições legislativas de domingo passado foram o primeiro round do embate entre o presidente Santos e seu antecessor e hoje encarniçado adversário, Álvaro Uribe Vélez, primeiro ex-mandatário na história colombiana que se recicla como senador. O assalto definitivo terá lugar no primeiro turno das eleições presidenciais, no próximo 25 de maio, nas quais Uribe teve de delegar a candidatura, por imperativo constitucional, a um sucedâneo, Oscar Iván Zuluaga, que, embora estimável profissional, só faz sombra a si mesmo.

O Centro Democrático, criado pelo ex-presidente, conseguiu a segunda maior votação do país, depois do Partido da U, de Santos, e 19 cadeiras no Senado, embora seus mais próximos esperassem pelo menos 30. Mas é preciso considerar que Uribe foi capaz de arrastar a uma maioria de semidesconhecidos em lista fechada, angariando 2 milhões de votos. Todo isso obrigará o presidente a levar em conta o ex-mandatário na negociação de um processo de paz que Uribe combate com uma aversão de proporções hispânicas, porque considera a seu sucessor como réu por traição à sua pessoa e à Colômbia. O presidente pode, entretanto, proclamar-se justamente vencedor porque, com os três partidos da sua aliança, o U, o Liberal, e o Mudança Radical, ganhou em votos e cadeiras em ambas as Casas. Embora no Senado, com 47 cadeiras, perca a maioria absoluta – de 52 –, lhe bastará o respaldo de uma fração dos conservadores para dominar a situação, ao passo que na Câmara Baixa tem claque de sobra.

Os partidos colombianos são de borracha, e suas cúpulas, sem excluir plenamente a esquerda, procedem de uma mesma classe social, que funda partidos de ideologia liberal-conservadora, apenas lhes alterando o nome. Os abismos, como entre Santos e Uribe, são personalizados. E estas eleições legislativas acabam sendo especialmente importantes porque definiram o Congresso que deverá, se for o caso, aprovar os acordos com a guerrilha e, dado que o Senado é votado por circunscrição única e nacional, é ele que é preciso levar em conta, em contraste com a Câmara, onde o caciquismo, as máquinas partidárias e regalias de Bogotá – a geleia, em colombiano contemporâneo –podem ser decisivos.

Duas narrativas se enfrentaram nas urnas: a de um processo de paz muito prolongado, com desigualdades, em que as FARC parecem nem sempre entender que lhes interessa assinar com Santos, contra a mensagem dura e cristalina de Uribe – ganhar a guerra para impor a paz; o estilista contra o brigador. Por isso, Santos saiu por cima no domingo.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: