Ortega reaparece em público e acaba com as especulações sobre sua ausência

O presidente da Nicarágua não frequentava atos públicos há dez dias, o que provocou hipóteses sobre seu estado de saúde

O presidente Ortega, nesta segunda-feira em uma imagem do Canal 6 da Nicarágua.
O presidente Ortega, nesta segunda-feira em uma imagem do Canal 6 da Nicarágua.

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, acabou com as as insistentes versões extraoficiais na noite desta segunda-feira. Desde o último sábado se especulava sobre a possibilidade de que estivesse com problemas de saúde.

Após dez dias ausente de atos públicos, Ortega, de 68 anos, reapareceu no aeroporto internacional de Manágua dando as boas-vindas ao novo cardeal nicaraguense, Leopoldo Brenes, que teve sua cerimônia de posse no Vaticano das mãos do papa Francisco.

A ausência do presidente alimentou as hipóteses dos nicaraguenses, que encheram as redes sociais delas. Durante estes dias, especularam sua morte por um ataque cardíaco em Cuba e abriram incógnitas sobre o futuro imediato da política local após o suposto falecimento do governante, que atualmente tem autorização para se reeleger indefinida e consecutivamente.

As imagens do Canal 6 da televisão nicaraguense difundidas na noite da segunda-feira mostraram  Ortega acompanhado de Rosario Murillo, sua esposa e poderosa primeira dama, e do cardeal nicaraguense aposentado, Miguel Obando y Bravo, abraçando Brenes, um abraço descrito pelo jornal La Prensa, o principal da Nicarágua, como “emotivo”.

Nas boas-vindas, Ortega informou Brenes que nesta terça-feira viajará à Venezuela para participar das atividades pelo primeiro ano do falecimento do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, que será dia 5 de março.

A cena acabou com as versões extraoficiais a respeito da saúde do presidente, que circularam sem que surgisse uma nota oficial para desmentir e proliferaram nos últimos dias na Nicarágua e chegaram a outras capitais da América Latina e do Caribe.

No último ato público, na sexta-feira 21 de fevereiro, Ortega compareceu a uma atividade pelo 80º aniversário do assassinato do combatente nacionalista nicaraguense Augusto César Sandino, quena primeira metade do século XX (de 1927 a 1933) lutou contra a invasão militar dos Estados Unidos na Nicarágua.

O presidente do Equador, Rafael Correa, tinha programada uma visita à Nicarágua em 27 de fevereiro, mas foi suspensa, segundo o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, por “fatores internos” e por pedido do governo nicaraguense. Manágua também não ofereceu mais explicações a respeito do cancelamento da chegada de um dos principais aliados políticos de Ortega na América Latina e o Caribe, junto aos presidentes Raúl Castro, de Cuba, Nicolás Maduro, da Venezuela, e Evo Morales, da Bolívia.

Mesmo assim, o governo da Nicarágua suspendeu na última semana uma atividade em comemoração do 36º aniversário dos combates que as forças, do então insurgente e agora dirigente, Frente Sandinista da Liberação Nacional (FSLN) lançaram na comunidade indígena de Monimbó, no sul de Manágua, contra da ditadura somocista e entre os quais, entre muitos outros combatentes rebeldes, morreu o guerrilheiro Camilo Ortega, irmão do Presidente.

Ortega participava dessas celebrações, mas o encontro para a comemoração foi cancelado, também sem que o governo oferecesse maiores detalhes sobre os motivos da medida. Neste contexto, no último sábado circulou em Manágua a notícia de que Ortega se encontrava supostamente grave por um problema do coração na Havana e que sua esposa, Rosario Murillo, a poderosa primeira dama da Nicarágua, teve que viajar com urgência à Cuba nesse dia.

No entanto, Murillo afirmou nesta segunda-feira, em uma de suas mensagens corriqueiras para o país para informar sobre os trabalhos das diferentes pastas do governo e sem mencionar nada sobre as especulações. A primeira dama se despediu com “o amor de nosso Presidente para tod@s, para a cada um@”.

Um deputado opositor nicaraguense, que no domingo falou anonimamente pelo telefone com o EL PAÍS desde Manágua, lembrou que nos últimos anos se ouvia em círculos políticos e empresariais que o presidente sofreu um problema do coração 20 anos atrás, enquanto se encontrava na Havana.

O opositor lamentou que diante das especulações que correram por redes sociais, o Governo, em vez de dar informação precisa e esclarecer os fatos, manteve um silêncio total sobre as versões da saúde do Chefe de Estado.

Ortega governou a Nicarágua de 1979 a 1984 como coordenador de uma junta de governo que se instalou depois da queda do somocismo, que estava desde 1934 no poder. A revolução sandinista convocou eleições no final de 1984 e Ortega triunfou e tomou posse da presidência de 1985 até 1990, quando foi derrotado nas urnas e o FSLN teve que entregar o poder. Ortega perdeu nas eleições de 1996 e 2001.

No entanto, e com um sandinismo dividido e pese às acusações de corrupção, Ortega venceu nas eleições de 2006 e assumiu em 2007, para um governo de cinco anos. Mas no meio de um conflitante e duvidoso processo constitucional, foi reeleito em 2011 e em 2012, para um período de cinco anos. Em janeiro de 2014, apelou à sua maioria parlamentar e conseguiu que se aprovasse uma reforma pela qual poderá ter uma reeleição consecutiva e indefinida a partir de 2017.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50