O legado de Niemeyer é revisitado em obra editada na Espanha

Sua liberdade foi essencial contra a chatice dos racionalismos, como também em relação à plástica

Museu de Arte Contemporânea, em Niterói.
Museu de Arte Contemporânea, em Niterói.

“A liberdade e o desenho são fundamentais na vida de um homem”, dizia Oscar Niemeyer, defendendo o ato de criar desde criança, no impulso de um traço no ar, sem computadores nem simuladores, como a base indiscutível da beleza que ele transferiu para tantas obras, até completar mais de um século de vida. Sua liberdade foi essencial contra a chatice dos racionalismos, como também em relação à plástica, transformando o concreto em uma surpresa gravitacional e estimulante, a partir de uma caneta preta sobre papel vegetal.

É o que conta o livro La arquitectura de Óscar Niemeyer a partir de sus dibujos (A arquitetura de Oscar Niemeyer a partir de seus desenhos), do arquiteto e professor Manuel Franco, testemunha do enérgico processo criativo de Niemeyer em seu estúdio de Copacabana, quando o brasileiro contava 92 anos de idade.

O livro, recomendável para leitores de todo o tipo, é uma análise excepcional de como Niemeyer leva o sentido da emoção à arquitetura. Descreve seus encontros no estúdio dele – dominado pelos nus femininos de Lucien Clergue – como uma experiência em que o gesto e a ideia são inseparáveis. Niemeyer, fumando e com as mãos nos suspensórios, “não sabia expressar o mais profundo de seu pensamento arquitetônico sem a ajuda de seu desenho, sem o recurso da mão” observa o autor. Fotos e ilustrações originais comprovam o grafismo “militante” do mestre em relação às suas fantásticas construções.

Niemeyer confessa ao arquiteto espanhol como resolve um projeto: “a base são o desenho e a cabeça”. O brasileiro contou que “quando criança começava a desenhar com o dedo, assim, no ar, e minha mãe perguntava: ‘o que está fazendo?’ E eu lhe respondia: ‘estou desenhando’. De modo que foi o desenho que me levou à arquitetura”.

Le Corbusier disse que Niemeyer “tinha dentro de si as montanhas do Rio de Janeiro”. E também, segundo ele mesmo, o ser humano: “se a arquitetura é importante, mais ainda é a luta pelo social”. E a mulher: “Não é o ângulo reto que me atrai. Nem a linha reta, dura e inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso de sus rios, nas ondas do mar e no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein”. De fato, Koolhaas define Niemeyer como “a prova viva de que, na arquitetura interessante, sexo e comunismo andam juntos”.

Manuel Franco diz que beleza unida a função é o “maior valor” do legado de Niemeyer. Curvas, letras “v” ou cúpulas invertidas, tal qual flores abertas, como na Praça dos Três Poderes; ou, ao contrário, como na Catedral de Brasília ou o auditório em forma de seio na sede do Partido Comunista francês.

O Teatro Popular de Niterói é seu desenho de uma mulher deitada; sua linha é o horizonte, visto desde o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, com o Pão de Açúcar ao fundo; e o sonho de um pássaro gigantesco, a Universidade de Constantine. A comparação do livro entre conceitos, desenhos e edifícios constitui toda uma surpresa.

Niemeyer desenhava viajando, de modo que do Palácio Ducal de Veneza faz esboços – incluindo as essenciais rasuras – a partir dos quais constrói, à beira d´água, a sede da Mondadori. É especialmente interessante a explicação sobre quatro poderosas armas do grafismo de Niemeyer: “os borrões”, “o olho que presta atenção”, “o arco solar” e “o macaco”. Por meio delas, por exemplo, o Hotel de Ouro Preto ou o Ministério da Educação no Rio de Janeiro se transformam em sublimes experiências de vista e sol.

Seguindo o traço do gênio brasileiro, o livro também repassa uma grande quantidade de paredes desenhadas em seus edifícios. E analisa o grafite, que Niemeyer utiliza para gritar sua mensagem, vermelha de esperança, na impressionante mão de concreto que é o Memorial da América Latina, em São Paulo.

O capítulo Espaço público. A praça descreve de modo prazeroso a polêmica atribuição do edifício das Nações Unidas em Nova York, quando Le Corbusier convence o arquiteto vencedor, Niemeyer, a unir projetos. Esse fascinante choque entre egos e aspirações criativas dá lugar a uma pormenorizada análise em defesa de Niemeyer, a partir de desenhos e fotos bem ilustrativas dos arquitetos em ação.

O estudo termina com comentários de Foster, Hadid, Herreros e Piano, todos em favor do mito e da influencia que para eles é o arquiteto brasileiro.