O Papa pede que se sinta “vergonha” pelos escândalos da Igreja

Os responsáveis "tinham uma posição de poder", mas não "a palavra de Deus", segundo o pontífice

O papa Francisco disse na manhã desta quinta-feira que há que se envergonhar dos numerosos escândalos que se produziram no seio da Igreja, durante sua homilía na tradicional missa matutina que celebra em sua residência, na Casa Santa Marta. Francisco, comentando a leitura do dia sobre a dura derrota dos israelitas pelos filisteus, denunciou os últimos escândalos da Igreja, segundo alguns extratos da homilia divulgados pela Rádio Vaticano.

"Mas, envergonhamo-nos? Tantos escândalos que eu não quero mencionar singularmente, mas que todos sabemos quais... Escândalos, nos quais alguns tiveram que pagar caro: E isso está bem! Deve ser feito assim... A vergonha da Igreja!", exclamou. E insistiu: "Mas envergonhamo-nos desses escândalos, dessas derrotas de sacerdotes, bispos, laicos?". Segundo o pontífice argentino, os responsáveis "não tinham uma relação com Deus". "Tinham uma posição na Igreja, uma posição de poder, e também de conforto, mas não a palavra de Deus."

Na última terça-feira, o papa também denunciou, em suas homilias em Santa Marta, a "imagem do cristão corrupto", ao falar de laicos, sacerdotes e bispos, que se aproveitam da situação e de seus privilégios.