_
_
_
_

O Vaticano reconhece na ONU a existência de abusos a crianças na Igreja

"Encontram-se abusadores entre membros do clero e profissionais da igreja", afirma o cardeal Silvano Tomasi

O embaixador do Vaticano na ONU, Silvano Tomasi (à esq.) antes de comparecer ao Comitê dos Direitos das Crianças.
O embaixador do Vaticano na ONU, Silvano Tomasi (à esq.) antes de comparecer ao Comitê dos Direitos das Crianças.FABRICE COFFRINI (AFP)

O Vaticano afirmou nesta manhã na ONU que não existe  desculpas para os casos de exploração e violência contra crianças, ao mesmo tempo em que enfatizou que existem responsáveis por abusos "em todas as profissões, inclusive entre membros do clero e profissionais da igreja". "Encontram-se abusadores nas profissões mais respeitadas do mundo e, mais lamentavelmente, entre membros do clero e outros profissionais da igreja", disse o monsenhor Silvano Tomasi, representante do Vaticano nas Nações Unidas, em Genebra.

Tomasi iniciou a apresentação do Vaticano no Comitê da ONU de Direitos da Criança, o que representa a primeira oportunidade na qual a hierarquia da Igreja Católica participa em um escrutínio público de uma organização internacional centrada nos abusos sexuais de menores cometidos por sacerdotes em todo o mundo. O comparecimento do arcebispo Tomasi é histórico já que, até o momento, nenhum organismo internacional tinha se atrevido a questionar o Vaticano. Organizações e vítimas norte-americanas, europeias e mexicanas aproveitaram a ocasião para enviar ao Comitê dos Direitos da Criança em Genebra um informe com suas denúncias e numerosos casos de pedofilia documentados.

O chefe da delegação enviado pelo Vaticano reconheceu que a  questão dos abusos contra crianças é particularmente grave quando se trata de pessoas que desfrutam de uma grande confiança e estão chamadas para proteger todos os elementos da pessoa, incluída sua saúde física, emocional e espiritual. "Esta relação de confiança é crítica e requer um grande sentido de responsabilidade e respeito para a pessoa que se serve", disse Tomasi.  "O Vaticano tem delineado políticas e procedimentos para ajudar a eliminar tais abusos e colaborar com as autoridades estatais respectivas para lutar contra este delito", acrescentou.

Em relação aos casos comprovados de abusos sexuais de menores sob custódia ou influência de clérigos, a posição das autoridades da Igreja foi que, quando se comprova um crime, este deve ser castigado aplicando as leis do Estado onde ocorreu. Durante seu comparecimento, Tomasi assegurou que a Santa Sede "está comprometida a ouvir cuidadosamente a vítima de abuso e a abordar o impacto de tais situações nos sobreviventes e suas famílias".

Depois da apresentação introdutória de Tomasi, vários especialistas do comitê formularam perguntas à delegação do Vaticano, sobre como, e se eles adotaram mecanismos para pesquisar e sancionar de forma efetiva os culpados de abusos dentro da Igreja, e também sobre os programas de segurança que foram implementados. Assim, pediram esclarecimentos a respeito da posição do Vaticano sobre como garantir "o interesse superior da criança" diante de qualquer outra consideração, e as medidas de "reparo físico e psicológico" em favor das vítimas.

O caminho até o encontro de hoje em Genebra começou em 1990 quando o Vaticano assinou como Estado a Convenção sobre os Direitos da Criança. O tratado obriga a todos os membros a apresentar relatórios quinquenais sobre o cumprimento dos artigos em seus países. O Vaticano não cumpriu. Só entregou um primeiro relatório em 1995 e não voltou a fazer outro até 2011, quando os escândalos de pedofilia já atingiam a instituição. Em todo o documento não havia uma só menção aos abusos sexuais.

O Comitê dos Direitos da Criança aproveitou o julho do ano passado, quando foi entregue o relatório com atraso, para questionar a Igreja pela primeira vez na história. Solicitou, entre outras coisas, “informação detalhada de todos os casos de abusos sexuais cometidos por clérigos, monges e freiras ou postos em conhecimento do Vaticano”. O Vaticano, em sua resposta, conhecida no início de dezembro do ano passado, não cita casos concretos e alega que a investigação corresponde aos países onde os delitos são cometidos. “Quando o Vaticano acenou que iria a ratificar o tratado, não o fez em nome de todos os católicos do mundo. Cada membro da Igreja Católica está sujeito às leis do país onde vive”, diz o documento.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_