A infanta da Espanha vai depor na manhã de 8 de fevereiro

O magistrado José Castro disse hoje que se viu “obrigado a antecipar o interrogatório” Advogado da filha do rei afirmou que a decisão de depor o quanto antes foi de dona Cristina

O juiz de instrução do caso Nóos já fixou a data para o depoimento da infanta Cristina, filha do rei da Espanha, Juan Carlos, na condição de ré. Será no próximo 8 de fevereiro, sábado, às dez da manhã (hora peninsular da Espanha; sete da manhã em Brasília). José Castro havia dito nesta segunda-feira que, após receber a informação de que a defesa da infanta não recorrerá da imputação, ele se viu “obrigado a antecipar” a data do depoimento. O magistrado inicialmente havia intimado a infanta para 8 de março, sábado, em Palma de Mallorca.

O juiz havia respondido afirmativamente aos jornalistas que lhe perguntaram se atenderiam ao pedido dos advogados de Cristina, que no sábado passado protocolou um documento dirigido ao juiz no qual declarava que não recorreria da sua imputação judicial e solicitava comparecer o quanto antes ao tribunal. A Advocacia do Estado havia confirmado nesta manhã que tampouco recorreria da decisão de Castro; no sábado, já avisara que não fazia sentido apelar à Audiência Provincial se a própria infanta já havia renunciado ao seu direito de se opor.

“Não é a própria parte que toma a iniciativa.” A infanta não vai ao tribunal de forma voluntária, nem pediu para antecipar a data, observa o juiz Castro. Já ao intimar a filha do rei, o juiz de instrução pressupõe ou tem informação oficiosa de que a promotoria – a única parte que não se manifestou até agora sobre um possível recurso contra o auto de intimação do juiz – não recorrerá. Se alguma das partes tivesse recorrido da decisão judicial, o assunto teria passado à Audiência de Palma, e o processo teria se estendido mais ainda.

O advogado da infanta, Miquel Roca, afirmou nesta segunda-feira que a infanta Cristina quer depor o quanto antes, porque “considerou que deveria fazê-lo para esclarecer uma situação em que está absolutamente convencida de sua inocência”. E que a ideia partiu da filha do rei, que já voltou à Suíça depois de se reunir na semana passada com seus advogados em Madri e Barcelona. Dona Cristina, conforme explicou o advogado, voltará em breve à capital catalã para preparar seu depoimento judicial, mas fará “todo o possível” para que a imprensa não saiba, observou entre sorrisos.

Roca admitiu que, embora o juiz Castro já tenha viajado várias vezes a Barcelona para interrogar testemunhas e réus no caso, não vê “motivo” para que o depoimento da infanta seja tomado nos tribunais catalães, embora “em todo caso será sua senhoria quem decidirá”.

Em declarações à imprensa, Roca acrescentou que a filha do rei acredita que, depois de prestar depoimento na qualidade de ré no caso Nóos, por suposto crime de lavagem de dinheiro e fraude fiscal, “tudo terá ficado muito definitivamente esclarecido”.

O instrutor tinha fixado a data de 8 de março para a declaração da infanta, a fim de dar tempo que a Audiência Provincial se pronunciasse sobre os recursos que as partes pudessem apresentar, num prazo que expira às três da tarde da próxima quarta-feira (hora peninsular da Espanha; meio-dia em Brasília).