França proíbe os shows do comediante acusado de antissemitismo

O Conselho de Estado, mais alta instância administrativa francesa, cita razões de ordem pública

O comediante durante um atuação em 2010.
O comediante durante um atuação em 2010.MOHAMED MESSARA (EFE)

Reunido com urgência a pedido do ministro do Interior, Manuel Valls, o Conselho de Estado da França decidiu nesta quinta-feira proibir o show que o comediante franco-africano Dieudonné M’bala, sete vezes condenado por antissemitismo, realizaria em Nantes. O Conselho, a mais alta instância administrativa francesa, invocou razões de ordem pública e a necessidade de evitar um atentado à dignidade humana para revogar a decisão do Tribunal Administrativo da região, que havia autorizado o espetáculo horas antes, cancelando assim a ordem emitida no começo da semana pelo Ministério do Interior.

Se quiser atuar na França, resta a Dieudonné uma única possibilidade, a de recorrer à Corte Europeia de Direitos Humanos. A supersônica batalha judicial causou enorme mal estar entre os milhares de seguidores reunidos diante do teatro Zenith, em Nantes, e outros que incendiaram as redes sociais com comentários de conteúdo irreproduzível. Em 2010, o Conselho de Estado confirmou o direito do comediante de atuar em uma localidade cuja prefeitura tentou impedi-lo.

O triunfo de Valls contra o que definiu como “mecânica do ódio” parece uma vitória de Pirro para o Governo socialista. O caso deu extraordinária publicidade ao já popular Dieudonné, e este emerge de sua queda-de-braço com o poder transformado em vítima do sistema aos olhos de seus milhões de admiradores, muitos deles jovens muçulmanos dos guetos periféricos.

Os espetáculos do comediante e polemista, simpatizante da Frente Nacional, compadre de Jean-Marie Le Pen, defensor do regime iraniano e flagelo do sionismo e do establishment francês, constituem para seus fiéis um espaço de dissidência e de crítica às elites político-financeiras. As comunidades de origem árabe e africana, uma minoria de quase 8 milhões de pessoas, sentirão a proibição como uma ofensa do Governo, eleito em maio de 2012 em parte graças aos seus votos.

O caso agudiza a disparidade cultural, geracional e de identidade que cinde a França. Os jovens espectadores de Dieudonné – entre os quais há também judeus e gente que se declara de esquerda – reivindicam seu direito a “dessacralizar tudo e rir de tudo”, inclusive das câmaras de gás, um crime contra a humanidade que eles sentem como algo longínquo e alheio. Alguns deles contam no Le Monde que, nos colégios públicos, são culpabilizados pelo Holocausto a partir dos 12 anos, mas que ninguém lhes fala do genocídio em Ruanda ou do escravismo colonialista francês.

Hábil manipulador e comediante de inegável talento, Dieudonné, de 48 anos, é um filho da banlieue parisiense que fustiga a linguagem correta e vazia dos políticos e comentaristas, mesclando uma calculada ambiguidade e um sarcasmo feroz. Em 2003, a propósito da invasão do Iraque, apareceu na televisão disfarçado de extremista sionista e incentivo as pessoas a militarem no “eixo do bem”. A gag terminava com um heil-Israel!, que algumas associações judaicas entenderam como uma ofensa antissemita.

Denunciado e condenado, Dieudonné desapareceu do grande circuito e se refugiou em um pequeno teatro do norte de Paris e no seu canal do YouTube. Embora negue ser antissemita – “Por acaso eu tenho cara de nazista?”, pergunta em um de seus vídeos –, canta em suas apresentações uma música intitulada Shoahnanas, paródia de um comercial de chocolate em pó, e dá espaço a membros da extrema direita negacionista, o que lhe resultou em 214.400 reais em multas.

A cruzada de Valls contra o inventor da quenelle (uma saudação com o braço, que Dieudonné define como uma banana para o sistema, mas que seus caluniadores veem como uma evocação à saudação nazista) se enquadra na ofensiva eleitoreira do Governo socialista, que busca conter o avanço da Frente Nacional nas eleições municipais de março e nas europeias de maio.

Valls conta com o apoio do presidente da República, François Hollande, do chefe da oposição, Jean-François Copé, das associações judaicas mais importantes da França, do Partido Socialista e dos grandes meios de comunicação.

O movimento suscitou críticas da Liga dos Direitos Humanos, dos dois extremos do arco político e de intelectuais como Edwy Plenel, que alertaram para a tendência antidemocrática que significa a censura preventiva à liberdade de expressão. É a primeira vez desde a guerra da Argélia que acontece algo similar. A partir de hoje, o humorista Dieudonné M’bala entrou para o ordenamento jurídico francês. E quase ninguém fala de impostos, do desemprego, de Europa nem de crise.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: