Morre Mikhail Kalashnikov, inventor da arma mais usada no mundo

Sua arma é a mais usada no mundo, com mais de 90 milhões de unidades fabricadas Faleceu aos 94 anos em um hospital da república russa de Udmúrtia

Kalashnikov posa com o último modelo de sua arma, em 2006.
Kalashnikov posa com o último modelo de sua arma, em 2006.SERGEI KARPUKHIN (REUTERS)

Mikhail Kalashnikov, o inventor do fuzil de assalto AK-47 (de Avtomat Kalashnikova modelo 47), o mais utilizado no mundo, morreu nesta segunda-feira aos 94 anos em um hospital da república russa de Udmúrtia. Victor Chulkov, porta-voz do presidente e do Governo de Udmúrtia, postou no Facebook que o desenhador de armas faleceu "depois de uma longa e grave doença". Kalashnikov estava internado desde 17 de novembro, para ser submetido a tratamento por uma hemorragia estomacal.

Nasceu em 1919 na cidade de Kurya, perto da fronteira com o Cazaquistão. Foi o sétimo de 19 irmãos, e ainda criança foi deportado junto com sua família para a Sibéria. Combateu na Segunda Guerra Mundial e foi ferido na batalha de Briansk. Foi então, durante um período de convalescência, que desenhou uma nova arma que chamou a atenção dos chefes militares. Kalashnikov foi trasladado ao instituto de Aviação de Moscou onde, em 1943, concluiu a fabricação do novo fuzil, embora este não tenha sido adotado até 1949 pelo Exército Vermelho, que o distribuiu de forma maciça a suas unidades cinco anos depois. A União Soviética o condecorou com a Ordem de Stalin.

O AK-47 foi adotado também pelos Estados-membros do Pacto de Varsóvia como arma principal de sua infantaria. Atualmente se encontra em uso em mais de 50 países. Pouco depois de sua criação, o fuzil se tornou o predileto dos guerrilheiros e movimentos de inspiração comunista, que foram abastecidos com essa arma em grande parte pela União Soviética. Um detalhe: os contornos do AK-47 aparecem na bandeira de Moçambique.

O fuzil foi fabricado em cerca de vinte países, da China à Bulgária, passando por Albânia, Sérvia e Paquistão. Inclusive há empresas nos EUA que o produzem para compradores privados. Ao todo, estima-se que foram fabricadas mais de 90 milhões de unidades, incluindo falsificações das quais o próprio Kalashnikov se orgulhava.

O sucesso do invento de Kalashnikov se deve à facilidade com que pode ser produzido e à sua fiabilidade. Resistente aos golpes e capaz de funcionar nas condições mais adversas, diz-se que ele podia atirar inclusive após ser atropelado por um tanque. Seja como for, aqueles que fizeram uso dele, os soldados, louvaram suas propriedades. Inclusive os militares norte-americanos que combateram na guerra do Vietnã não duvidavam em se desfazer de suas carabinas e substituí-las por um AK- 47 roubado de um inimigo morto.

Kalashnikov trabalhou a maior parte de sua carreira militar como desenhador de armas para o Exército, no qual atingiu o grau de general. Nunca ganhou dinheiro com seu invento, cuja propriedade é estatal. Seus compatriotas, isso sim, quiseram homenageá-lo e em 2009 foi condecorado pelo então presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, com a maior distinção do país, a de Herói da Federação Russa.

Em 2007, e por ocasião dos 60 anos do registro oficial de seu fuzil, o engenheiro reconheceu que os verdadeiros responsáveis por seu invento foram os nazistas, ao invadir seu país, porque sua autêntica vocação era projetar maquinário agrícola.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: