_
_
_
_

Privatizada com deságio de 52% estrada no Mato Grosso do Sul

Uma das prioridades é a duplicação das pistas. Atualmente, 806 quilômetros da rodovia possuem pista simples A oferta da CCR foi de 4,381 reais por tarifa de pedágio a cada cem quilômetros, o que representa um deságio de 52,7%

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

A Companhia de Participações em Concessões (CCR) arrematou nesta terça-feira, em um leilão na BMF&Bovespa, em São Paulo, um trecho de 847,2 quilômetros da BR-163 no Mato Grosso do Sul, na região Centro-Oeste brasileira. A rodovia corta o Estado de norte a sul, e é um dos principais corredores de produtos agrícolas do país. Uma das prioridades do vencedor é a duplicação das pistas. Atualmente, 806 quilômetros da rodovia possuem apenas pista simples.

De acordo com as regras do edital, a CCR deverá investir ao menos 5,6 bilhões de reais durante os 30 anos em que vai ter o direito de explorar a rodovia e 3,5 bilhões de reais deverão ser desembolsados nos primeiros cinco anos do contrato.

A oferta da CCR foi de 4,381 reais a cada cem quilômetros para tarifa de pedágio, o que representa um deságio de 52,7% em relação ao valor máximo de 9,27 reais a cada 100 quilômetros proposto pelo governo como pré-requisito para concorrer ao leilão.

O vencedor, neste caso, seria o consórcio ou empresa que oferece o maior desconto, ou deságio. Concorreram seis grupos: Odebrecht Transport, Queiroz Galvão, Triunfo e Invepar, Ecorodovias, num consórcio junto com a Coimex Empreendimentos, Rio Novo Locações, Tervap Pitanga, Contek Engenharia, A. Madeira e Urbesa, além da vencedora CCR.

Este é o quarto leilão de rodovias do ano. Em setembro, foi licitada a BR-050, entre Goiás e Minas Gerais, vendida para o consórcio Planalto com deságio de 42,38%. Nesse mesmo dia, fracassou a licitação da BR-262, entre Espírito Santo e Minas Gerais, por falta de propostas.

Há 11 dias, a empresa Triunfo venceu um leilão de um trecho de 630 quilômetros da BR-060, BR-153, e 546 quilômetros da BR-262, que passam por 47 municípios em três unidades da federação: Distrito Federal, Goiás e Minas Gerais.

Além disso, há 21 dias, um trecho da mesma rodovia no estado vizinho do Mato Grosso e praticamente com o mesmo tamanho foi arrematado pela Odebrecht Transport. A empreiteira baiana deve investir 4 bilhões de reais na BR-163, no trecho entre Itiquira e Sinop, no Mato Grosso, durante a vigência do seu contrato de 30 anos. A diferença de valores, de 1,6 bilhão de reais, se deve à maior necessidade de duplicação das pistas no Mato Grosso do Sul.

No caso mato-grossense, a oferta foi de 2,6838 reais por tarifa de pedágio para cada 100 quilômetros (oferecida pela Odebrecht nesse trecho) também representou um deságio de 52% em relação à proposta mínima apresentada pelo Governo, de 5,5 reais para cada 100 quilômetros.

Ainda haverá mais um leilão de rodovias neste ano: o da BR-040, num trecho de 936,8 quilômetros, que vai de Brasília até a cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_