As ‘escravas’ de Londres estavam em poder de uma seita maoista

A polícia está pesquisando treze domicílios na capital britânica relacionados com os sequestradores Aravindan e Chanda Balakrishnan

O restaurante Khamsa, que foi o Centro Mao Tsé-Tung em Londres.
O restaurante Khamsa, que foi o Centro Mao Tsé-Tung em Londres.A. Rain (efe)

O casal que reteve três mulheres em regime de escravatura ao longo de três décadas no sul de Londres são antigos ativistas maoistas que nos anos setenta eram acompanhados pela polícia e chegaram a ser detidos. Aravindan Balakrishnan, de 73 anos, e sua mulher Chanda (67), foram presos na quinta-feira passada, um mês após suas vítimas serem resgatadas em um apartamento de Brixton, no bairro de Lambeth, onde foram submetidas durante anos a abusos físicos e mentais. A polícia localizou na capital britânica 13 domicílios relacionados com o casal (cujas identidades, que não se confirmou, foram reveladas ontem pela BBC).

Os 36 policiais que investigam o caso estão indagando, casa por casa, para descobrir por que as três mulheres, uma irlandesa de 57 anos, uma malaia de 69 e uma britânica de 30, não tentaram escapar antes apesar de dispor de liberdade de movimentos. As duas mulheres mais velhas iniciaram seu relacionamento com os Balakrishnan porque compartilhavam a mesma “ideologia política”, e decidiram ir viver com eles em um “regime coletivo”. Da mulher de 30 anos mal se conhece porque ela tem uma certidão de nascimento, mas nenhum outro documento oficial.

No último dia de 18 de outubro, uma delas (a mulher irlandesa) decidiu chamar a organização não governamental Freedom Charity, o que desencadeou o envolvimento da polícia e sua saída do apartamento sete dias depois. Depois da detenção, o casal foi posto em liberdade após pagamento de fiança até janeiro e estão proibidos de abandonar o país.

Do maltrato e da terrível experiência que viveram estas mulheres, surgia a fé na extensa coleção de cartas que a mais jovem das três escreveu a um vizinho, Marius Feneck; as deslizava por baixo da porta. “Sinto-me como uma mosca presa em uma teia de aranha”, relatava a jovem, que assina com o nome de Rosie, sobre sua precária saúde e “indescritível tormento”. A garota, que segundo declarações do vizinho estava apaixonada por ele e convencida de que ambos compartilhavam um relacionamento estreito, explicava nessas cartas: “Estou presa aqui, com as janelas e portas fechadas, e não posso sair”. Dos depoimentos recolhidos na comunidade desprende-se que ao menos as outras duas mulheres saíam à rua em certas ocasiões e frequentavam alguns dos comércios, embora achem que sob o estrito controle de seus captores.

Balakrishnan, de origem indiana, e sua esposa Chandra, da Tanzânia, chegaram nos anos sessenta ao Reino Unido. Nos anos setenta se ligaram ao centro maoista londrino Mao Zedong Memorial, onde os policiais fizeram uma operação e os detiveram junto com outras três pessoas. Naqueles anos, o casal recrutava a mulheres de outros grupos de extrema esquerda, animando-as a se inscreverem no trabalho “ revolucionário”.