Estados Unidos tiveram permissão do Reino Unido para espionar cidadãos

A revelação destrói a tese de que os países anglo-saxões não se espionavam

Sede da agência britânica de escuta GCHQ, no Reino Unido.
Sede da agência britânica de escuta GCHQ, no Reino Unido.

Os Estados Unidos obtiveram permissão de espionagem do Reino Unido para “desmascarar” e analisar os números de telefone e de fax, e-mails e direções IP de Internet de qualquer cidadão britânico, segundo um memorando secreto de 2007 da Agência Nacional de Segurança (NSA, nas  siglas em inglês), a agência estadunidense de escuta, obtido pelo diário londrino The Guardian dentro do pacote de documentos que recebeu meses atrás do ex-empregado subcontratado da CIA Edward Snowden .

O memorando não explica quem em concreto dentro do Quartel Geral de Comunicações do Governo(GCHQ, em suas siglas em inglês), a agência de escuta britânica, autorizou essas atividades, nem se elas eram conhecidas pelo Governo da época. Até então, essa espionagem limitava-se aos telefones fixos.

O documento tem importância porque destrói a tese de que os países anglo-saxões que formam os chamados Cinco Olhos (Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia) não se espiavan entre si.

A informação era recolhida de forma “fortuita” pela NSA, o que o diário interpreta como um sinal de que “os indivíduos afetados não eram em princípio objetivos das operações de vigilância e, portanto, não eram suspeitos de ter feito nada mau”.

A NSA utilizou esses dados do Reino Unido “para construir os chamados ‘padrões de vida’ ou análise de ‘correntes de contatos’ segundo os quais a agência pôde buscar até três elos para além do objeto da análise: examinar as comunicações de um amigo do amigo de um amigo”. O diário conclui que, segundo seus cálculos, esses três elos no caso de um típico usuário de Facebook poderiam afetar mais de cinco milhões de usuários.

O documento foi enviado a todos os analistas do Diretório de Sinais de Inteligência (SID, em suas siglas em inglês) da NSA, responsável por coletar, processar e compartilhar informações recolhidas pelos serviços estadunidenses de vigilância.

The Guardian explica também que um rascunho de diretiva da NSA de 2005 revela que a NSA se preparava para autorizar seu pessoal a espiar a todos os países dos Cinco Olhos em caso de necessidade “quando é no melhor interesse de cada nação”. O diário não pôde confirmar se esse rascunho chegou a ser aprovado e aplicado.