Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Trump promete derrubar barreira entre Igreja e Estado

Em um aceno ao setor religioso mais conservador do país, esse que votou em Trump, presidente dos EUA promete acabar com a Emenda Johnson

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na quinta-feira um novo desafio em sua ainda curta, mas já agitada presidência: acabar com um dos pilares fundamentais que sustentam a rígida separação entre Igreja e Estado no país que dirige, a Emenda Johnson.

Donald Trump, no Café da Manhã Nacional de Orações, em Washington. REUTERS

“Vou acabar com ela, vou destruir completamente a Emenda Johnson e vou permitir que os representantes da fé falem livremente e sem medo de represálias. Vou fazê-lo, lembrem-se disso”, disse Trump na quinta-feira durante o café da manhã do Dia Nacional de Oração em Washington.

A Emenda Johnson deve seu nome ao à época senador pelo Texas e mais tarde presidente dos Estados Unidos Lyndon B. Johnson, que foi quem a propôs e conseguiu sua aprovação em 1954. É uma cláusula que estipula que entidades livres do pagamento de impostos como igrejas e organizações de caridade, não podem participar, direta ou indiretamente, de nenhuma campanha política a favor ou contra um candidato. Desse modo, impede que líderes religiosos usem seus púlpitos para manifestar seu apoio – e oposição – a um candidato com o objetivo de influenciar sua congregação.

Essa disposição foi aprovada durante a presidência do republicano Dwight Eisenhower e, durante décadas, não foi questionada por republicanos e democratas. Mas como tantas coisas nesse último ciclo eleitoral, o tom mudou com Trump, um candidato que durante a longa campanha fez numerosos acenos aos setores religiosos do país, especialmente aos evangélicos, para acumular votos e apoios.

A lei, que existe desde 1954, impede que líderes religiosos usem seus púlpitos para manifestar seu apoio a políticos e nunca foi questionada por democratas e republicanos

“Nossa república foi criada sobre a base de que a liberdade não é um presente do Governo, mas de Deus”, disse Trump na quinta-feira. E citou Thomas Jefferson, o terceiro presidente norte-americano e um dos pais fundadores do país, para justificar sua manobra. “Jefferson se perguntou se as liberdades de uma nação podem estar seguras quando tiramos a convicção de que essas liberdades são um presente de Deus”, continuou o republicano. “E entre essas liberdades, está o direito a reverenciar de acordo com nossas próprias crenças”, concluiu seu argumento.

O aceno ao setor religioso mais conservador do país, esse que votou em Trump, é indiscutível. Acabar com a Emenda Johnson é uma de suas promessas de campanha e complementa seu compromisso de nomear um juiz que concorde com esses valores cristãos conservadores para a Suprema Corte, tal como acaba de fazer com a nomeação do juiz Neil Gorsuch para ocupar o cargo vago no Supremo Tribunal. Seu vice-presidente, Mike Pence, e sua assessora, Kellyanne Conway, também se tornaram na semana passada os primeiros membros de um governo a participar da marcha anual contra o aborto realizada em Washington pelo aniversário da decisão do Supremo Tribunal que legalizou a interrupção da gravidez em 1973. Trump manifestou publicamente seu apoio a esse protesto, enquanto ignorou completamente a muito maior Marcha das Mulheres realizada dias antes pelas mesmas avenidas.

No ano passado, em um de seus atos de campanha, Trump afirmou que, em seu governo, “nossa herança cristã será estimada, protegida, defendida como vocês nunca viram antes”. E lançou sua promessa de acabar com a emenda que agora voltou a transformar em alvo. “A primeira coisa que precisamos fazer é devolver a voz às nossas igrejas. A Emenda Johnson impediu nossos pastores de dizer o que pensam de seus púlpitos. Se querem falar de cristianismo, se querem pregar e falar de política, não podem fazê-lo, porque se arriscam a perder sua isenção fiscal”, afirmou.

“Nossa república foi criada sobre a base de que a liberdade não é um presente do Governo, mas de Deus”, disse Trump

Os Estados Unidos são um país profundamente religioso, fundado em boa parte por pessoas que fugiram da Europa em busca de um lugar onde pudessem exercer livremente sua religião, mas não é um país de um credo único, oficial. A nova Administração não é a única a professar publicamente sua fé. George W. Bush também era famoso por sua religiosidade e pela profissão pública que fazia da mesma. Mas a inquietude aumentou com Donald Trump e sua equipe, que inclui um vice-presidente, Mike Pence, ultraconservador e profundamente religioso, e um braço direito como Stephen Bannon, com profundos vínculos com o ultranacionalismo e que no passado denunciou publicamente como a secularização da sociedade “minou a força do Ocidente judaico-cristão para defender seus ideais”, como disse em uma conferência no Vaticano em 2014.

MAIS INFORMAÇÕES