Eleições no Chile
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

O que está em jogo no Chile nas eleições deste domingo?

Se a distinção entre o povo e a elite como chave para explicar os problemas do Chile favorece a Frente Ampla, a clivagem entre ordem e desordem é propícia à opção por José Antonio Kast

Seis dos sete candidatos à presidência do Chile participam do último debate televisivo em Santiago, em 15 de novembro.
Seis dos sete candidatos à presidência do Chile participam do último debate televisivo em Santiago, em 15 de novembro.ESTEBAN FELIX (AFP)

O Chile foi até outubro de ano 2019 o país mais próspero e com melhores expectativas na sua região. Possuía uma gestão econômica reconhecida e uma alta estabilidade institucional. Entretanto, desde então —apenas 18 meses após eleger pela segunda vez um presidente de direita, algo excepcional em sua história política— o país se viu envolto numa atmosfera inflamada de violência e intranquilidade. O que aconteceu para que este “oásis na região”, como o descreveu o presidente Sebastián Piñera, repetisse, ou aparentasse repetir, o ciclo habitual de mal-estar e desordem que infelizmente chegou a ser a marca registrada da região?

As respostas que as candidaturas presidenciais dão a essas perguntas permitem prever o que está em jogo na eleição deste domingo.

A Frente Ampla —que é em certo sentido um arremedo do partido espanhol Podemos, embora seu líder, Gabriel Boric, não use rabo-de-cavalo nem lecione na universidade, já que ainda não se graduou— sustenta que a modernização do Chile é, na verdade, uma fantasia, um relato mentiroso que oculta uma forma de capitalismo individualista e abusivo, que em troca de expandir o consumo imediato permite o enriquecimento de uma elite avara e egoísta, deteriora a coesão e a solidariedade e, chegada a hora da velhice e da doença, desampara as maiorias. Este ponto de vista sugere abandonar o modelo que o Chile seguiu até agora e dar um giro que incremente com intensidade o papel do Estado, aumentando para isso a carga tributária e revisando os acordos comerciais que o Chile assinou. Em torno destas ideias, e em aliança com o Partido Comunista, se aglutina um conjunto de forças políticas com forte viés geracional e alta sensibilidade para identidades de toda índole —sejam sexuais, étnicas ou de gênero.

Até agora as pesquisas —as quais devem, contudo, ser tomadas cum grano salis— predizem que, junto com o candidato da Frente Ampla, passará ao segundo turno o aspirante conservador, José Antonio Kast, um político formado à sombra dos quadros políticos da ditadura que governou o Chile entre 1973 e 1990. Kast representa em questões culturais o que Vargas Llosa chamaria de uma “direita cavernícola”, alérgica à diversidade sexual e familiar, à agenda de gênero e ao aborto. Seu diagnóstico do que ocorreu no Chile aponta mais para uma crise de autoridade. Ecoam no discurso de Kast os velhos temas da direita: unidade nacional, respeito à tradição, redução do papel do Estado. O que explica sua alta nas últimas pesquisas, a ponto de colocá-lo às portas do segundo turno? Como costuma ocorrer, foram a violência e a desordem do protesto (que a Frente Ampla justificou e que hoje se mostra tímida em condenar) o que levou os grupos médios a se moverem para a sua sombra, em busca de segurança.

Se a distinção entre o povo e a elite como chave para explicar os problemas do Chile favorece a Frente Ampla, a clivagem entre ordem e desordem é propícia à opção por José Antonio Kast.

Há outras duas candidaturas competitivas —já se disse que isto das pesquisas é preciso tomar com cuidado, como quem prova pequenas doses de veneno—, que são as de Yasna Provoste pela centro-esquerda e de Sebastian Sichel pela centro-direita.

O caso de Provoste, a única mulher na disputa, é digno de análise. Assumiu a candidatura promovendo “denominadores comuns” entre o Governo e a oposição, e nos últimos debates enfatizou ser parte das forças políticas que impulsionaram a modernização (a “coalizão mais bem-sucedida da história”, disse então). O problema é que ainda anteontem quase concordava com as teses mais à esquerda e, em vez de se orgulhar, renegava os feitos dos últimos 30 anos. Bastará essa declaração tardia para atrair o eleitorado moderado, aquele que não acredita que os últimos 30 anos foram uma fraude? O mais provável é que não. O socialismo e a Democracia Cristã se disseram muitas vezes envergonhados do que fizeram, a tal ponto que a esta altura o orgulho que declaram não é mais digno de crédito.

Sebastián Sichel é o candidato independente que ganhou as primárias da direita. Em torno dele se agrupam os setores mais liberais. Possui uma agenda liberal na esfera da cultura e salientou que para os próximos anos não há atalhos, pois o gradualismo é o único caminho para atender às demandas sociais —especialmente em questões de velhice e doença. Seu erro, o que lhe significou uma queda nas pesquisas frente a Kast, foi acentuar sua história de vida infestada de meritocracia, mais que uma agenda de mudanças. Contudo, na última semana ele melhorou seu desempenho e é provável que, se não passar ao segundo turno, pelo menos possa influenciar na agenda de Kast, evitando o que há de cavernícola nesta última.

O que está em jogo com tudo isto? Os momentos de crise podem ser lidos como um fruto do sucesso modernizante ou como a prova flagrante de seu fracasso. Sichel se situa na primeira alternativa; Boric e Provoste na outra. As consequências disso são óbvias: corrigir as patologias da modernização chilena ou, por outro lado, mudar o rumo.

E o resto dos candidatos? Bom, os que faltam não têm chance de passarem ao segundo turno. Marco Enriquez Ominami, um político socialista, narcisista e histriônico como poucos, apresenta-se pela quarta vez e ameaça transformar a candidatura presidencial em sua profissão. Franco Parisi é um candidato à distância, que faz campanha dos Estados Unidos, onde se encontra sem poder voltar ao Chile por causa das enormes dívidas relativas às pensões alimentares para os filhos que deixou no país. E há finalmente Eduardo Artés, um professor do ensino fundamental cujo herói é Stálin e cujo modelo, não exagero, é a Coreia do Norte.

Estes últimos candidatos são, entretanto, uma espécie de fio-terra: mostram que, apesar da modernização, o realismo mágico, tão benéfico na literatura latino-americana, continua sendo o vício político da região. E do qual o Chile, apesar de todos os seus progressos, não consegue se livrar totalmente.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.


Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS