SEGURANÇA PÚBLICA
Opinião
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

Democracia e Segurança Pública: são pra geral, ou não são pra ninguém

É preciso se indignar e agir. Não dá para aceitar que o caminho é armar individualmente as pessoas

Detalhe da gravata do presidente Jair Bolsonaro estampada com desenhos de rifles.
Detalhe da gravata do presidente Jair Bolsonaro estampada com desenhos de rifles.Joédson Alves (EFE)
Mais informações
A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal.
Rosa Weber suspende parte de decretos pró-armas de Bolsonaro e cita que regras podem fortalecer milícias
Armas entregues em campanha de desarmamento.
Armas matam mulheres, não as protegem
Ivan Marques, diretor executivo do Instituto Sou da Paz.
“Violência se resolve com instituições fortes, não armando a população”

O que está acontecendo com a democracia brasileira? Ela está em risco? Essa é uma pergunta que pode ser respondida sob inúmeros prismas. Eu gostaria de discuti-la sob o prisma, das políticas de segurança pública, do monopólio do uso da força pelo Estado e da desigualdade.

Desde janeiro de 2019, mais de 30 atos normativos, entre decretos e portarias, foram publicados pelo Executivo Federal para flexibilizar o acesso às armas de fogo para diferentes grupos e categorias no país. Antes essas publicações vinham acompanhadas de uma tentativa de prover segurança, mas no último ano já assumem explicitamente a intenção de viabilizar supostas “liberdades individuais” pela força. Com isso, mais de um milhão de novas armas foram parar nas mãos de civis entre 2019 e 2020.

Ao mesmo tempo, se vê uma preocupante e antidemocrática politização excessiva das instituições de segurança, com membros das forças públicas utilizando seus cargos e fardas para disseminar mensagens políticas. A isso se soma um discurso que legitima o uso excessivo da força para combater o crime, incitando o confronto e uso de violência por parte das polícias. Em 2019, mais de 6 mil pessoas foram mortas em confrontos com as polícias no país. Enquanto isso, o governo se furta da sua responsabilidade de oferecer condições dignas de trabalho aos policiais, coordenando junto aos Estados e municípios ações de prevenção e combate inteligente ao crime.

Essas ações colocam em risco nossa democracia. No atual contexto brasileiro, de ampla polarização social, de facilitação do acesso a armas e de fechamento do espaço cívico, o surgimento de grupos armados dispostos a fazerem usos dessas armas para defender um governo ou sua visão pessoal é uma possibilidade real. Basta ver as reações violentas dos grupos que negam a pandemia ou que acreditam que o STF precisa ser fechado.

Uma polícia que prioriza o uso da força também coloca em cheque a democracia, uma vez que gera mortes injustas, incita ciclos de vingança e a descrença na capacidade de o estado responder à violência, estimulando a lógica do salve-se quem puder. Sem contar o fortalecimento de milícias formadas por membros das instituições de segurança que passam a usar do seu lugar institucional para gerar medo e controle de territórios.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Tudo isso é marcado por uma profunda desigualdade. Quem mais morre de forma violenta no país são os jovens negros. Com a justificativa de tentar entregar segurança pública a uma parte da população, quem mais morre em decorrência da violência policial são esses mesmo jovens negros. Em 2019, 74,4% das vítimas de mortes violentas eram negras e, quando mortas pela polícia, esse percentual sobe para 79%. As vítimas de balas perdidas também são crianças e jovens negros. Neste cenário, nossa democracia está em risco também pela desigualdade social e racial que marca a forma como essas políticas são distribuídas.

É preciso se indignar e agir. Não dá para aceitar que o caminho é armar individualmente as pessoas. É preciso cobrar ação inteligente e articulada do estado para promover segurança pública. É preciso cobrar investimentos e condições para que as polícias possam agir com base em dados e investigações de qualidade e ver resultados das suas ações. Por fim, é preciso desenvolver ações para enfrentar o racismo que pautam as ações de segurança.

Para chamar a atenção sobre esse desafio e propor caminhos para enfrentá-lo, o Instituto Sou da Paz lança a Campanha “É pra geral”. O Brasil só vai avançar quando democracia e segurança pública caminharem juntas e forem ofertadas para todas as pessoas. Sem distinção. Afinal, democracia e segurança pública, é pra geral.

Carolina Ricardo – Diretora Executiva do Instituto Sou da Paz

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS