Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

A escravidão moderna

O caso de Madalena, revelado em Minas Gerais, evidencia a persistência de intoleráveis abusos aos direitos humanos

Madalena Gordiano durante uma entrevista em dezembro.
Madalena Gordiano durante uma entrevista em dezembro.GLOBO

O olhar sobre a escravidão adquiriu notoriedade nos últimos anos a partir dos ataques à figura de escravistas que, como já se analisou longamente, não podem ser julgados sob a ética e as normas do presente. Que o tráfico de escravos foi um capítulo aterrador, nefasto e ainda não superado é uma questão sempre digna de revisitar, embora partindo desse princípio de extemporaneidade que o situe em sua perspectiva histórica. O que exige um olhar muito exigente do presente é a herança viva da escravidão que perdura entre nós. Muito mais extensa do que se costuma considerar, e com tentáculos enormes em todos os contextos.

O resgate de Madalena Gordiano, uma brasileira capturada por uma família de Minas Gerais quando tinha pouco mais de oito anos e pedia esmola, e à qual serviu por quase 40 anos como empregada sem salário, sem direitos, sem educação e inclusive explorada economicamente como um ativo sob sua propriedade, deve revirar consciências. E abrir debates.

Mais informações
Caso de Madalena, escrava desde os oito anos, expõe legado vivo da escravidão no Brasil
Tomado como escravo ainda criança, Vicente cuidava de animais e plantações em fazenda mineira.
Viver como escravo depois da abolição: “Pra quem nasceu preto, a escravidão continuava sendo normal”
Ameaças de neonazistas a vereadoras negras e trans alarmam e expõem avanço do extremismo no Brasil

Gordiano, que ao ser libertada em novembro, após a denúncia de um vizinho, tinha 46 anos e se expressava com dificuldade, é um símbolo do legado da escravidão que perdura no Brasil, o último país das Américas a aboli-la, após 350 anos de uma exploração que deixou uma herança ainda insuportável. Trata-se de um caso extremo, que está nas mãos dos juízes, mas nos recorda que a exploração de pessoas sem recursos ― especialmente se forem mulheres ― e sem o poder conferido pela raça branca corrói nosso universo.

No Brasil, os negros e mestiços, herdeiros dos africanos, constituem 56% da população, mas sua expectativa de vida, sua renda, sua formação e sua segurança são sensivelmente menores que a da população branca. Cerca de 75% das vítimas de homicídios são negros ou mestiços. Nos últimos 25 anos, foram resgatadas no Brasil 55.000 pessoas sob condição análoga à escravidão, uma tarefa ainda mais complicada no caso das domésticas.

A desigualdade gerada pelo escravismo e que perdura atualmente é parte dos debates abertos no continente americano, dos protestos do Black Lives Matter nos Estados Unidos à mencionada ofensiva contra as estátuas escravistas. Mas a fenomenologia do abuso contra direitos básicos, com sabor a escravidão do século XXI, é plural e em muitos casos não tem a ver com um componente racista: inclui de crianças militarizadas à exploração sexual e trabalhos forçados de diversos tipos. A linha de avanço que une o Renascimento, o Iluminismo, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e outras conquistas mais recentes ainda tem um longo caminho pela frente, inclusive nos países mais avançados. Não cabe complacência de nenhum tipo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS