Coluna
i

A receita sibilina de Lula para ganhar os votos dos evangélicos

Falar às pessoas apenas o que elas gostam e esconder a realidade nua da vida e da sociedade é enganá-las

O ex-presidente Lula em um evento no Rio, em 18 de Dezembro.
O ex-presidente Lula em um evento no Rio, em 18 de Dezembro.IAN CHEIBUB / Reuters

Lula quer conquistar e atrair para o PT os 40 milhões de evangélicos que hoje seguem maciçamente o presidente de extrema direita, Jair Bolsonaro. O popular e carismático Lula, hoje livre, está tentando reorganizar suas hostes que se sentiram órfãs e abandonadas com ele na cadeia.

Outros textos de Juan Arias

Em uma de suas primeiras estratégias, como informou Mariana Carneiro na Folha de S. Paulo no domingo, dia 5, pretende organizar grupos em todo o país, com vista às próximas eleições municipais, em uma campanha para atrair os votos dos evangélicos para seu partido.

A receita que Lula pretende usar para capturar o consenso desses milhões de evangélicos aparece, no entanto, como sibilina, que, no pior significado da palavra de origem grega, significa cínica. A receita é a seguinte: “aprender com os pastores evangélicos”. Aprender o quê? “A dizer às pessoas apenas o que querem ouvir”. Pode até parecer bonita essa arte de saber dizer apenas o que lisonjeia e não o que nos incomoda, mas é sobretudo maquiavélica.

A receita de Lula fere a ética, pois impede a formação de uma forte consciência crítica na política que é inseparável da verdade das coisas. Sim, é verdade que todos nós no fundo gostamos que nos digam o que nos lisonjeia e nos evitem as críticas que podem nos ferir. Que é melhor que nos escondam, por exemplo, as palavras duras do evangelho que condenavam a hipocrisia e exaltavam a lealdade à consciência.

Falar às pessoas apenas o que elas gostam e esconder a realidade nua da vida e da sociedade é enganá-las. Não é assim que se contribui para criar uma sociedade democrática e eticamente madura, o que significa dizer também o que talvez não gostemos. Os evangélicos se alimentam dos ensinamentos da Bíblia e dos Evangelhos cristãos encarnados no profeta Jesus de Nazaré, que foi um fustigador de toda hipocrisia e engano.

Se esse profeta tivesse seguido naquele momento o conselho de Lula hoje aos seus de dizer às pessoas apenas o que elas queriam ouvir, provavelmente nunca teria acabado pregado em uma cruz como um bandido. Mas tampouco sua doutrina de amor e de perdão, de liberdade de espírito e de condenação de todo farisaísmo fácil, de amor fraterno sem exclusão dos diferentes, teria atravessado os séculos e chegado até nós, embora às vezes pelo caminho tenha podido ser adulterada tingindo-se de hipocrisia e farisaísmo que contaminou até a política.

Não há dúvida que um pastor ou um político será mais ouvido se traindo, por exemplo, a essência do ensinamento de dar a outra face a quem te esbofeteia, que é a sublimidade do perdão, pregar que é melhor devolver olho por olho e dente por dente. O chamado à violência e à vingança sempre atrairá mais do que o chamado à paz.

Sem dúvida, os fiéis evangélicos ouvirão, por exemplo, com mais prazer de seus pastores que “todos” os políticos são igualmente corruptos, rejeitando assim a possibilidade de resgate dos limpos de coração. Mas isso significa a prostituição da política com letras maiúsculas, aquela que com as virtudes da democracia nos vacina contra novos e velhos fascismos e movimentos violentos. É a condenação da ética elementar que exige chamar as coisas pelo nome, quer se goste ou não. É esse lema de que só a verdade das coisas, por mais difíceis que sejam, nos fará livres, enquanto a mentira nos escraviza.

Se Lula quer atrair os evangélicos ao PT, que o faça desarmado, de coração aberto, começando por condenar as práticas hipócritas da má política, que também contaminou seu partido, aquela para a qual vale tudo, até roubar ou saquear as riquezas do Estado. A que tudo permite para se manter no poder, mesmo que às vezes seja sob a nobre desculpa de fingir ajudar as políticas sociais e o resgate da miséria. A verdade não permite dupla moral. Quando os pastores evangélicos são louvados porque sabem dizer com eficácia apenas o que as pessoas querem ouvir, estamos apoiando o reino da mentira.

É essa degeneração da ética da política que conduziu o famoso ditado brasileiro sobre políticos corruptos, justificando-os com o fato de que “roubam, mas fazem”, do qual é exemplar o caso do ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf. Isso significa levantar um muro contra a condenação da corrupção política.

Se o bom pastor, na literatura bíblica, é aquele capaz de dar a vida por seu rebanho, com mais razão não deveria ter medo de dizer a verdade aos fiéis. Dizer-lhes, por exemplo, como dizia Jesus, que às vezes devem ficar atentos aos elogios fáceis, porque também existem os “lobos em pele de cordeiro”.

O que salva a todos, a política e a sociedade, o que o Brasil mais necessita e boa parte do mundo não são os elogios fáceis e as promessas hipócritas, mas ter a força e a liberdade de dar nome aos lobos.