_
_
_
_
_

Vítimas do tornado em Kentucky: “Minha casa, meu negócio, vi minha vida inteira desaparecer num instante”

EL PAÍS visita a área devastada por um fenômeno natural sem precedentes que causou mais de 90 mortes em seis estados dos EUA

Bogdan Gaicki, residente em Mayfield, Kentucky, observa os danos causados pelos tornados.
Bogdan Gaicki, residente em Mayfield, Kentucky, observa os danos causados pelos tornados.BRENDAN SMIALOWSKI (AFP)

Depois do tornado, a calma chegou. Mayfield acordou neste domingo com um esplêndido sol de inverno pela frente, como se a natureza escondesse a mão com que atingiu esta cidade de 10.000 habitantes na ponta oeste de Kentucky na noite de sexta-feira com fúria excessiva e misericórdia caprichosa. É o marco zero para a devastação causada por uma série histórica de 30 tornados que varreu áreas rurais de seis Estados do centro e do sul dos Estados Unidos, causando mais de 90 mortes.

Mas havia a evidência da destruição: o sinal da Cruz Vermelha torcido em si mesmo, uma bandeira norte-americana empoleirada em um amontoado de metal que já foi uma van, uma casa unifamiliar literalmente empurrada para o chão pelo vento. estrada, aquele Chevrolet cor de maçã dos anos cinquenta que desafia a gravidade em meio aos escombros de uma oficina... e uma fábrica de velas totalmente destruída que já se tornou o símbolo de uma catástrofe natural que deixou a nação em suspense. Estima-se que dezenas de pessoas morreram, não está claro quantas, embora desde a tarde de sábado nenhum sobrevivente tenha sido encontrado. Cerca de 110 trabalhadores estavam lá dentro no momento da tragédia; eles estavam dobrando o turno antes do fim de semana para que pudessem cuidar de todos os pedidos de Natal.

Além de Kentucky, cinco outros Estados, Illinois (onde seis pessoas perderam a vida em um depósito da Amazon em Edwardsville), Tennessee, Mississippi, Arkansas e Missouri foram afetados por uma série sem precedentes de tornados. O número de mortos no domingo chegou a mais de 90 pessoas, embora o governador do Kentucky, Andy Beshear, tema que o número tenha ultrapassado cem. Beshear expressou preocupação de que os necrotérios da região “ficarão pequenos” em face da magnitude da tragédia.

Cerca de 53.000 de seus concidadãos, de acordo com o Poweroutrage.us, passaram o fim de semana inteiro sem energia depois que a rede de energia foi seriamente danificada. Um dos tornados, “o mais forte da história dos Estados Unidos”, disse Beshear na tarde de domingo, desfilou em sua silhueta escura por quase 400 quilômetros e devastou o centro de Mayfield, a igreja, o tribunal, a loja de pneus e dezenas de casas.

Diante de uma delas, a jovem Etelvina Aguilar não conteve o choro logo pela manhã ao se lembrar do que acontecera duas noites atrás. Guatemalteca, veio para a cidade há quatro meses e meio, onde montou uma empresa de produtos latinos. Como o dinheiro não era suficiente, a família, com os dois filhos pequenos, morava no segundo andar da loja. Na sexta-feira eles perderam tudo. “Houve outros avisos como este, mas felizmente, tive um palpite e fiz as crianças caírem. Nós nos escondemos atrás de uma coluna, que nos salvou. Foi questão de cinco minutos. O bebê gritou sem parar. E agora olha: minha casa, meu negócio, vi tudo sumir num instante“, diz diante do monte de entulho de sua vida anterior. O casal não teve tempo de garantir a propriedade. “Portanto, não temos nada, apenas dívidas.”

Perto dali, em um caminhão preto, o cozinheiro C. E. Mines, de 60 anos, patrulhava, também com lágrimas nos olhos, as ruas do centro. Na sexta-feira, ele falou com sua esposa, que estava no médico, quando começou o terrível tremor. “Passamos aquela noite separados e ontem finalmente nos encontramos. Não posso dizer o mesmo para meus vizinhos. Não tenho como saber se eles estão vivos. Esta comunidade, tão unida, foi dizimada.”

Um pouco mais tarde, Tommy Anderson, um engenheiro de 64 anos, movia-se melancolicamente entre os destroços de seu naufrágio particular. “Ainda não ousei me aventurar dentro de casa, mas não importa, porque não teria para onde levar o que sobreviveu, como o nosso querido piano; não há armazenamento disponível na área“, explicava diante da casa que dividia com sua esposa e a família de seu filho. Felizmente, todos conseguiram se refugiar no porão.

Destroços de veículos e escombros nas ruas de Mayfield, Kentucky, após os tornados que ocorreram nesta sexta-feira.
Destroços de veículos e escombros nas ruas de Mayfield, Kentucky, após os tornados que ocorreram nesta sexta-feira.SCOTT OLSON (AFP)

Anderson conseguiu garantir pelo menos um motel perto de Mayfield, cuja reserva ele renova dia a dia. Outros sobreviventes foram acolhidos por familiares e amigos. Três abrigos foram montados na área e um local para as famílias fornecerem evidências, como objetos pessoais, para identificar entes queridos cujos rastros foram perdidos.

Na área da fábrica de velas, hoje um local cheio de entulho, equipes de resgate e forenses trabalhavam aos poucos. O acesso de veículos foi interrompido por várias patrulhas da Polícia Militar. Um de seus agentes pediu aos curiosos que não interferissem na localização e identificação dos cadáveres. “Ainda há muito o que fazer lá.”

Mesmo para aqueles que sobreviveram e cujas casas estão razoavelmente em pé, a existência se tornou um inferno nesta cidade adormecida do Kentucky, cujo slogan, “mais do que uma memória”, soava hoje, pintado em uma parede branca que milagrosamente se manteve de pé, como uma brincadeira de mal gosto. Não há eletricidade ou água encanada, e a policial Sarah Burgess, com jurisdição em 11 condados, cinco dos quais sofreram o impacto das tempestades de sexta-feira, teme que nenhum desses serviços básicos retorne. “Pelo menos até o próximo fim de semana.” Como se isso não bastasse, as temperaturas despencaram em Mayfield, que congelou na noite de sábado.

Duas pessoas se abraçaram neste domingo em uma área devastada de Mayfield (Kentucky).
Duas pessoas se abraçaram neste domingo em uma área devastada de Mayfield (Kentucky).BRENDAN SMIALOWSKI (AFP)

Burgess explica que eles estão impressionados com o número de pessoas que se apresentaram para ajudar os sobreviventes. Pessoas como os voluntários da ONG Aerial Recovery, que chegaram na véspera de Nashville, no vizinho Tennessee, tiveram que dormir dentro de seus carros; cozinheiros como o chef espanhol José Andrés, que viajou de Washington na noite de sábado para dar refeições gratuitas aos afetados; ou espontâneos como Bobby Truffen, que havia se levantado cedo para encher seu caminhão até a borda com alimentos e bebidas que estava oferecendo aos operadores de guindaste que moviam enormes pedaços de metal dobrados como papel. Nenhum deles, polícia, bombeiros ou voluntários, teve tempo de sobra: as autoridades decretaram toque de recolher desde o pôr do sol, certamente certo nesta época do ano, até o amanhecer.

Outros vizinhos se aglomeraram na igreja Catalyst, onde o padre Justin Carrico ordenou o tráfego de doações: cereais, roupas, sucos e até uma pilha de Bíblias. Em uma das mesas do abrigo improvisado, um casal mais velho, Tim e Jenny, estava olhando fixamente para a pizza do café da manhã. A casa deles não sofreu muito, mas não têm água nem luz elétrica e passaram a noite “com todas as roupas que usavam para enfrentar o frio”. “Recebi um telefone de um cara chamado Errol, que tem um gerador e permite que as pessoas tomem banho em sua casa”, sussurra Jenny. “Se você precisa de um banho, diga, mas não saia espalhando por aí.”

Na periferia de Mayfield, cenas como essa se repetiam entre as idas e vindas dos integrantes das forças de resgate, com o cansaço estampado no rosto. Muitos dos que perderam suas casas passaram sua primeira noite aqui, quando o calor ainda não tinha diminuído. “Ontem os estávamos realocando em lugares diferentes”, esclarece Billy Edwards, diretor de um centro que ensina 530 alunos, no centro da quadra de basquete do Mayfield Cardinals, hoje convertida em um local de resgate. A falta de eletricidade adicionou drama ao estádio vazio e escuro.

Ao meio-dia, alguns vizinhos decidiram celebrar uma missa com cadeiras dobráveis onde ficava a Igreja Batista de Yahweh. Entre eles, Arthur Bryn chorou ao lembrar que naquele templo que o tornado levou ele compareceu ao casamento de suas três filhas. “Tenho 70 anos e sempre morei aqui. Os piores dias da minha vida foram aqueles que passei longe de Mayfield. Até agora. Isso supera tudo“, disse, abraçando a esposa.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_