Não há camas para os supremacistas dos Proud Boys no hotel Harrington em Washington

O centenário estabelecimento fecha suas portas ao grupo de extrema direita depois dos tumultos que aconteceram em suas visitas anteriores

Membros do grupo Proud Boys em uma manifestação a favor de Trump em novembro.
Membros do grupo Proud Boys em uma manifestação a favor de Trump em novembro.HANNAH MCKAY (Reuters)

Salvador A. sabe que nos Estados Unidos a impunidade não reina como costuma acontecer em sua terra natal, El Salvador, mas afirma, claramente incomodado com esta conversa: “esses caras são capazes de tudo”. Como para muitos outros funcionários do Harrington Hotel em Washington, os últimos meses foram desagradáveis, para dizer o mínimo. A razão? Os Proud Boys (rapazes orgulhosos, literalmente), um grupo de extrema direita em que só homens são aceitos, de retórica nacionalista, antimuçulmana e misógina fomentado pelas cloacas da Internet, que fez do centenário e mais antigo hotel de Washington seu local de residência quando seus membros chegam à capital para dar seu apoio ao presidente cessante, Donald Trump. A reunião seguinte desses rapazes orgulhosos em Washington era nesta quarta-feira, dia 6. Mas o Harrington não está com as portas abertas.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Eles se hospedaram lá durante o feriado de 4 de julho, ou durante o terceiro fim de semana de novembro da chamada Marcha do Milhão MAGA (Make America Great Again, Fazer a América Grande Novamente), que ficou muito distante desse número de participantes, embora o número pouco importe quando a exibição de supremacismo branco é tão evidente e o presidente dos Estados Unidos não a condena. Voltaram a ocupar quartos, o bar e os arredores do Harrington, a cinco quarteirões da Casa Branca, no dia 12 de dezembro para protestar outra vez contra a eleição de Joe Biden à presidência. E planejavam se hospedar lá novamente nesta quarta-feira, 6 de janeiro, dia em que o Congresso ratifica a nomeação do novo presidente. Mas o hotel decidiu fechar suas portas nestes dias depois de várias denúncias por não respeitar as regras de combate a covid-19 e pelas discussões nos arredores relacionadas ao grupo extremista, cujo dirigente, Enrique Tarrio, foi preso nesta segunda-feira por incidentes anteriores na cidade.

Mais informações

Com mais de 106 anos de existência, os 250 quartos do Harrington recebem hóspedes desde 1914. Harrington Mills e seu sócio, Charles McCutchen, construíram um hotel que oferecia algo quase excêntrico naquela época para o público menos abastado, quartos com banheiro. Localizado na esquina da Rua 11 com a E, o Harrington é um hotel acessível em uma cidade cada vez mais enlouquecida com os preços, próximo dos principais monumentos da capital do país e com um bar que tem tradição, nesta era de Starbucks em cada esquina. O Harry’s Bar, precisamente, tem sido uma das causas de conflito entre o Harrington, a prefeitura, os Proud Boys e os washingtonianos que consideram que não há lugar na cidade para essa extrema direita que se identifica por suas camisetas pretas e amarelas.

Nos últimos três meses da pandemia, o Harry’s teve pelo menos três queixas de violação dos protocolos de segurança impostos pelo novo coronavírus, bem como pela recusa de certos clientes em usar máscaras que detenham a disseminação da covid-19. No sábado, 12 de dezembro, os Proud Boys chegaram a Washington com a intenção de “lutar bravamente” e “defender a República” e impedir, seja como fosse, que Joe Biden se tornasse presidente. No domingo a cidade acordou com a notícia de que a noite havia deixado quatro esfaqueados e dezenas de presos depois da manifestação trumpista em um confronto com forças da oposição. Os quatro esfaqueamentos aconteceram perto do Harry’s Bar.

A violência tinha voltado a tomar conta de certos setores da capital norte-americana, com Enrique Tarrio afirmando que ele mesmo havia queimado uma das insígnias que estão por todo lado na cidade e que difundem o já famoso slogan Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). Na última segunda-feira, Tarrio foi preso na capital por causa dessa ação. “De quem são as ruas?”, exclamavam a plenos pulmões durante a manifestação a favor de Trump. “São nossas!”, respondiam em grande número seus companheiros enquanto avançavam em direção à praça que homenageia, em frente à Casa Branca, aqueles que caíram devido à violência policial e ao racismo.

Abena J. é mulher, negra e imigrante, e estava disposta a perder o salário de que precisa como o ar para viver se tivesse que voltar a servir no hotel alguns dos homens que se tornam grandes disfarçando-se com coletes à prova de balas e capacetes como se estivessem indo para a guerra. “Sei que não sou nada para eles”, tenta explicar, temerosa de que alguém a ouça e enquanto estica nervosamente um lado do seu uniforme. “Não sou nada”, repete.

O FBI define os Proud Boys como uma organização de extrema direita vinculada ao supremacismo branco e à misoginia. Durante o primeiro debate de candidatos presidenciais em setembro, o apresentador perguntou a Donald Trump se ele estava disposto a condenar o supremacismo branco e este pediu que lhe dissesse quem deveria condenar. Seu adversário, Joe Biden, sugeriu os Proud Boys. “Proud Boys, retrocedam e esperem”, replicou o republicano.

Depois da violência, dos excessos e da falta de compromisso com o que impõe um vírus que nos Estados Unidos já ceifou mais de 350.000 vidas, a direção do estabelecimento decidiu comunicar sua drástica decisão de que nos dias 4, 5 e 6 suas portas permaneceriam fechadas. “Enquanto não pudermos controlar o que acontece fora do hotel, devemos proteger a segurança e o bem-estar de nossos hóspedes, visitantes e funcionários”, afirma a direção do estabelecimento. Não há camas para os Proud Boys. Ao menos no centenário Harrington.

Regras

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: