Grupo de Puebla propõe uma reforma fiscal e uma renda básica frente à crise na América Latina

Presidente argentino, Alberto Fernández, afirma que a pandemia “dá a oportunidade de fazer uma sociedade mais justa” no encontro virtual de líderes progressistas

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, integrante do Grupo de Puebla.
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, integrante do Grupo de Puebla.Presidencia
Mais informações

A América Latina é o foco da pandemia da covid-19. É também um dos continentes que mais sofrem as consequências da crise econômica gerada – e agravada ― pelo coronavírus, com uma queda estimada do PIB para 2020 de 9,4%, de acordo com as projeções do FMI. O Grupo de Puebla, foro que reúne dirigentes políticos de centro-esquerda da América Latina, propôs na sexta-feira reformas fiscais, a aprovação de uma renda básica e um protagonismo maior do Estado como alternativas às políticas neoliberais para fazer frente à crise.

“Devemos construir um continente com mais igualdade, com mais equilíbrio social e que distribua melhor as riquezas”, disse o presidente argentino, Alberto Fernández, em uma mensagem gravada para o encontro virtual do Grupo de Puebla no primeiro aniversário de sua criação. “O mundo com essa pandemia nos dá uma oportunidade. A oportunidade de fazer uma sociedade mais justa, de recomeçar e dessa vez pensar em todos”, acrescentou Fernández, o único mandatário no cargo a participar da conferência.

Ao ser eleito, Fernández procurou o apoio do mexicano Andrés Manuel López Obrador para criar um eixo progressista latino-americano, mas essa aliança não foi adiante. As vozes mais influentes no Grupo de Puebla são hoje ex-presidentes como o uruguaio José Mujica, o colombiano Ernesto Samper e a brasileira Dilma Rousseff, entre outros.

As propostas do economista e político colombiano José Antonio Ocampo obtiveram amplo respaldo, especialmente na imposição de um imposto extraordinário às empresas que se beneficiaram da crise do coronavírus, como as de tecnologia e as farmacêuticas, e maior transparência fiscal para impedir a evasão de impostos das grandes fortunas e empresas multinacionais.

A renda básica, recém-aprovada na Espanha e em debate em mais países, é outra das iniciativas promovidas pelo Grupo de Puebla. Os líderes progressistas são favoráveis a essa medida para reduzir a pobreza extrema, que pode superar os 90 milhões de latino-americanos neste ano, de acordo com a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). A secretária executiva do órgão, Alicia Bárcena, frisou que a pandemia “evidenciou grandes fraturas na região” e a tornou “mais desigual, mais pobre, mais desnutrida e enraivecida”.

“A reconstrução da América Latina significará aproximadamente 10%, 12% do PIB e será preciso projetar fontes de financiamento não tradicionais”, afirmou Samper. Impostos aos mais ricos e aos que mais se beneficiaram pela crise e a perseguição aos sonegadores fiscais permitiria aos Estados ter mais liquidez para assumir os custos da pandemia, disse o ex-presidente colombiano.

O Grupo de Puebla foi criado há um ano e é formado por trinta membros, entre ex-presidentes, ex-chanceleres e políticos latino-americanos. O artífice é o ex-candidato presidencial chileno Marco Enríquez-Ominami, muito ligado a Fernández.

A integração latino-americana é essencial para sair da crise, concordam os participantes, mas esse objetivo hoje parece muito mais distante do que há uma década. As grandes diferenças entre Fernández e seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, enfraqueceram ainda mais os órgãos regionais como o Mercosul. “O mundo que virá demanda mudanças permanentes e desunidos não somos mais do que uma folha ao vento”, alertou Mujica em seu discurso, em que previu “um mundo mais pobre e pior do que hoje”.

A Espanha também foi representada no encontro virtual pelo ex-presidente José Luis Rodríguez Zapatero e as atuais ministras das Relações Exteriores, Arancha González, e da Igualdade, Irene Montero. Esta última enfatizou a necessidade de proteção às mulheres, muito afetadas pela pandemia por ser as principais responsáveis das tarefas de cuidados.

O foro foi batizado com o nome da cidade mexicana na qual foi realizada a primeira reunião, mas a Argentina e o Brasil tiveram desde então uma participação superior à mexicana. López Obrador e seu chanceler, Marcelo Ebrard, não participaram do encontro. O ex-presidente boliviano Evo Morales participou como ouvinte, mas não interveio.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: