Trump acusa Irã de planejar ataque surpresa às tropas dos EUA no Iraque

Teerã responde que Washington “mente, engana e assassina de forma sub-reptícia”

Donald Trump durante uma entrevista coletiva.
Donald Trump durante uma entrevista coletiva.Alex Brandon (AP)
Mais informações
Aficionadas iraníes en la grada del Azadi, vigiladas por policías.
Mulheres iranianas conquistam direito de ir ao estádio, mas separadas dos homens
Mike Pompeo, a la izquierda, y Steven Mnuchin, en la rueda de prensa, este viernes en la Casa Blanca.
Estados Unidos ativam novas sanções para sufocar a economia do Irã
Una mujer se dirige a un policía durante la vigilía por las víctimas del vuelo de Ukraine International Airlines derribado por Irán que, este sábado, se transformó en una protesta antigubernamental.
Derrubada do avião ucraniano gera protestos no Irã e abre fissuras no regime

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira que Washington possui informações que apontam para um “ataque surpresa” do Irã ou das milícias que apoia contra suas tropas no Iraque. “É uma informação muito boa”, disse o presidente na tarde de quarta-feira, em sua entrevista coletiva diária na Casa Branca para informar sobre a emergência sanitária devida ao Covid-19. “Fala de um ataque liderado pelo Irã ou por grupos apoiados pelo Irã, o que para mim é a mesma coisa. Só lhes dizemos uma coisa: não façam isso”.

O presidente se referiu ao recente conflito entre o Irã e os Estados Unidos, quando as forças norte-americanas executaram o poderoso general Qasem Soleimani no dia 3 de janeiro em Bagdá. “Se isso acontecer, nossa resposta será maior ainda. O Irã pagará um preço muito alto, é claro”, disse Trump.

“Com base em informações e convicções, o Irã ou seus agentes delegados estão planejando um ataque surpresa contra tropas ou interesses norte-americanos no Iraque”, escreveu o presidente horas antes em sua conta no Twitter, no início da tarde, após uma reunião com oficiais de inteligência agendada ao meio-dia.

Segundo fontes anônimas de inteligência citadas pela agência Reuters, o que esperam é um ataque realizado por intermediários, o que permitiria a Teerã negar seu envolvimento. Não uma ação direta como a que o Irã empreendeu em 8 de janeiro, em resposta à execução de Soleimani.

A tensão entre os dois países voltou nas últimas semanas. Washington acusou uma milícia apoiada por Teerã de um ataque em 11 de março no Iraque, que matou dois soldados norte-americanos e um britânico. Os Estados Unidos responderam bombardeando as posições das milícias no Iraque.

O Exército norte-americano levou recentemente para o Iraque vários sistemas de defesa antiaérea contra foguetes, artilharia e projéteis de morteiro, bem como sistemas Patriot. O Governo do Irã alertou nesta quarta-feira que essa mobilização no Iraque poderia exacerbar as tensões regionais.

Depois da pouco velada ameaça de Trump, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, não demorou a responder. “Não se deixe enganar DE NOVO pelos belicistas habituais”, alertou nesta quinta-feira em um tuíte com o costumeiro uso de maiúsculas. “O Irã tem AMIGOS: ninguém pode ter MILHÕES de proxies”, acrescenta, referindo-se às milícias pró-iranianas que Washington acusa pelos ataques às suas bases no Iraque. Zarif também insiste que “ao contrário dos EUA, que mentem, enganam e assassinam de forma sub-reptícia, o Irã só age em legítima defesa”.

Muitos observadores discordam. Mesmo aqueles que criticam a aposta norte-americana de contrapor medidas militares diante das políticas no Oriente Médio admitem que os iranianos e seus parceiros estão testando capacidade de resistência dos EUA com suas escalada de ataques.

A situação se agrava porque, desde que os EUA assassinaram Soleimani, as milícias iraquianas também perderam sua figura unificadora, Abu Mahdi al-Muhandis. O escolhido para substituí-lo à frente das Forças de Mobilização Popular (FMP), o guarda-chuva que agrupa as milícias, Abdulaziz al-Mohammedawi, não desperta a mesma unanimidade e, aparentemente, alguns dos ataques contra as bases norte-americanas podem ser resultado dessas divisões e da ação independente de alguns grupos.

Seja como for, diante das previsíveis represálias dos EUA, porta-vozes iranianos também aumentaram sua retórica. O substituto de Soleimani à frente da Força Qods (o braço da Guarda Revolucionária que se ocupa das operações no exterior), o general Ismael Ghaani, também usou o Twitter para advertir Washington que, em tal eventualidade “nem Israel nem os países do Golfo estarão seguros”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS