Irã

Irã responde aos EUA com um ataque com mísseis a duas bases no Iraque

O bombardeio aumenta a tensão no Oriente Médio após o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani na última sexta-feira

Mais informações

O Irã reagiu aos Estados Unidos na noite desta terça-feira, disparando uma série de mísseis em duas bases aéreas no Iraque onde tropas dos EUA estão posicionadas, incluindo a de Ain Al Asad, no oeste do país, como confirmado pelo Pentágono. O ataque, segundo a televisão oficial iraniana, é uma resposta à execução do poderoso general iraniano Qasem Soleimani em Bagdá na sexta-feira passada, o que desencadeou a tensão na região.

Grupos armados pró-iranianos no Iraque prometeram unir forças para responder ao ataque, realizado por um drone americano, que matou o general que liderava a força Al Quds, um corpo de elite da Guarda Revolucionária Iraniana encarregada de ações no exterior e também o líder Milícia Abu Mahdi al Muhandis.

"A feroz vingança da Guarda Revolucionária já começou", disse o departamento das Forças Armadas Iranianas em comunicado, que alertou aos Estados Unidos e seus aliados na região que uma resposta levará inevitavelmente a um novo contra-ataque: “Advertimos a todos os aliados dos EUA, que deram suas bases ao seu exército terrorista, que qualquer território que for a origem de atos agressivos contra o Irã será atacado ”

A operação foi batizada, segundo a televisão iraniana, como "Mártir Soleimani". A base de Ain Al Asad, a 200 quilômetros de Bagdá, abriga 1.500 soldados dos EUA e da coalizão. A outra base atacada, como confirmada pelos Estados Unidos, fica em Irbil, no Curdistão iraquiano.

O Pentágono confirmou que mais de uma dúzia de mísseis balísticos foram usados no ataque e que foram lançados do Irã. No momento, não há confirmação oficial de ferimentos pessoais. "Essas bases", afirma o Pentágono em comunicado, "estão em alerta devido a indicações de que o regime iraniano planejava atacar nossas forças e interesses na região".

A Casa Branca anunciou que o presidente Donald Trump já foi "informado" do ataque. "Estamos cientes dos relatórios sobre os ataques contra postos militares dos EUA no Iraque", disse Stephanie Grisham, porta-voz do governo dos EUA. O secretário de Estado, Mike Pompeo, e o secretário de Defesa, Mark Esper, chegaram à Casa Branca depois que o ataque foi conhecido.

O ataque ocorre horas após a multidão se despedir do general Soleimani nas ruas do Irã, no último dia do funeral em sua homenagem. Pelo menos 56 pessoas morreram em uma correria, causada pelo influxo maciço, que forçou o adiamento dos eventos.

No Iraque, existem mais de 5.000 soldados dos EUA — é o quinto país no Oriente Médio com mais tropas, atrás apenas de Afeganistão, Catar, Kuwait e Bahrein. Após a escalada das tensões nos últimos dias, o Pentágono anunciou que enviará 3.500 soldados para a região para reforçar as posições dos EUA.

O mais visto em ...Top 50