Irã garante à Ucrânia que punirá os responsáveis pela derrubada do avião de passageiros

Forças Armadas iranianas reconhecem que confundiram a aeronave comercial com uma “hostil”. Ucrânia exige indenização e desculpas oficiais pelos canais diplomáticos

Soldados iranianos caminham pelos restos do avião ucraniano derrubado que deixou 176 pessoas mortas
Soldados iranianos caminham pelos restos do avião ucraniano derrubado que deixou 176 pessoas mortasABEDIN TAHERKENAREH / EFE

O Irã reconheceu que derrubou “involuntariamente” o avião ucraniano que caiu quarta-feira após decolar do aeroporto de Teerã e no qual morreram todos os seus ocupantes, 176 pessoas, confirmou o Estado-Maior das Forças Armadas iranianas na TV estatal do país. O presidente do Irã, Hassan Rouhani, qualificou a derrubada como “grande tragédia” e “erro imperdoável”. Até agora, as autoridades iranianas afirmavam que havia ocorrido uma falha mecânica e negavam categoricamente a possibilidade de que seus mísseis tivessem atingido o Boeing 737-800, embora países como o Canadá e os Estados Unidos apontassem que era “altamente provável” que a aeronave tivesse sido derrubada por um míssil superfície-ar.

Os responsáveis pelo “erro” serão encaminhados a um departamento judicial dentro das Forças Armadas do Irã e prestarão contas, segundo o comunicado do Exército iraniano divulgado na manhã deste sábado. “O acidente do avião ucraniano esta semana foi causado por um erro humano e pelo atrevimento dos Estados Unidos”, escreveu o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, em sua conta no Twitter. Depois de dias de tensão e de grande pressão internacional para que o Irã fizesse uma investigação transparente e assumisse suas responsabilidades, sua admissão de culpa pela queda do voo PS752 da Ukraine International Airlines que fazia a rota Teerã-Kiev é uma mudança surpreendente.

O presidente de Ucrânia, Volodimir Zelenski, exigiu neste sábado um pedido oficial de desculpas por meio dos canais diplomáticos, e também uma indenização. “Mesmo antes da conclusão de uma comissão internacional, o Irã se declarou culpado pela queda do avião ucraniano, mas insistimos na admissão total da culpa. Esperamos do Irã garantias de que a investigação vai ser completa e aberta, que ele leve os responsáveis à Justiça, devolva os corpos dos mortos, pague uma indenização e peça desculpas oficiais através dos canais diplomáticos”, afirmou Zelenski em um comunicado, no qual pediu que a equipe de 45 especialistas enviados pela Ucrânia para tentar esclarecer a tragédia tenha pleno acesso e cooperação. Zelenski planeja falar com Rouhani ao longo deste sábado.

O escritório do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, muito envolvido na investigação do acidente que acabou com a vida de 57 canadenses, emitiu um comunicado dizendo que “continuaremos trabalhando com nossos parceiros no mundo todo para assegurar que seja realizada uma investigação completa, e o Governo canadense espera a cooperação total das autoridades iranianas”.

Até agora, o Irã tinha controlado a investigação, embora os especialistas enviados pela Ucrânia tenham tido acesso às caixas-pretas (não está claro se tiveram acesso também ao seu conteúdo). No entanto, em outra mudança substancial de posição, por não ter as tecnologias adequadas para avaliar os dados, Teerã anunciou neste sábado que enviará as caixas-pretas à França, (escolhida entre as partes como um “lugar neutro”) para que sejam analisadas lá.

Onze ucranianos −incluindo toda a tripulação, de nove membros− morreram na queda do Boeing 737-800. A tragédia ocorreu em um momento de grande tensão entre EUA e Irã, depois do assassinato, ordenado por Washington, de um importante comandante militar iraniano, ao qual Teerã respondeu lançando mísseis contra bases americanas no Iraque no mesmo dia em que o avião caiu. Um conflito ao qual se somaram agora de maneira tangencial os países afetados: além de uma maioria de iranianos e canadenses, estavam a bordo suecos, alemães, britânicos e ucranianos.

O Exército iraniano declarou que o Boeing 737 ucraniano foi confundido com um “avião hostil”. “Em uma situação de crise e delicada, o voo ucraniano 752 decolou do aeroporto Imam Khomeini [em Teerã], e no momento de virar [parecia estar se aproximando] de um centro militar sensível”, afirmou em um comunicado divulgado na TV estatal, dizendo que havia detectado uma maior atividade aérea americana e aviões de combate em seu radar depois de seus ataques contra as forças de Washington no Iraque. “Nessas condições”, devido a um “erro humano, e sem querer, o avião [foi] atingido”, acrescentou. O Exército anunciou que será feita uma “reforma importante em todas as Forças Armadas” para garantir que nada semelhante volte a ocorrer.

A Guarda Revolucionária do Irã recebeu a ordem de aparecer nos veículos de comunicação estatais para dar uma explicação. E as autoridades iranianas estão publicando, nas redes sociais, mensagens em que admitem o ocorrido e se desculpam. Também nas redes sociais, os iranianos manifestaram sua raiva contra o Exército, depois que a população apoiou as autoridades após o assassinato, pelos EUA, do general Qasem Soleimani. “Supunha-se que deviam se vingar dos EUA, não do povo”, escreveu o jornalista Mokhtaba Fahti. A maioria das vítimas é composta por iranianos ou iraniano-canadenses. Surgem dúvidas e críticas também sobre por que o principal aeroporto do país e seu espaço aéreo não foram fechados em meio à escalada da tensão, quando Teerã lançou mísseis contra as bases americanas no Iraque.

O comandante das forças aeroespaciais iranianas, Amir-Ali Hajizadeh, somou-se às explicações e disse nweste sábado que o avião ucraniano foi confundido com um míssil de cruzeiro. “O operador teve apenas 10 segundos para tomar uma decisão”, disse ele em uma aparição televisionada no canal oficial do Irã. O operador teve que obter uma confirmação e se comunicar com a aeronave. "Nessas condições, houve uma falha no sistema de comunicação e ele não pôde obter confirmação e tomou esta terrível decisão. O foguete foi disparado e o avião foi abatido ”, acrescentou Hajizadeh.

Confundido com um míssil de cruzeiro

O oficial militar disse que suas Forças Armadas fizeram vários pedidos para que o espaço aéreo iraniano fosse liberado de aeronaves civis. Uma declaração que levanta ainda mais dúvidas e críticas sobre por que o principal aeroporto e espaço aéreo do país não foi fechado em meio à escalada em que Teerã lançou foguetes nas bases americanas no Iraque.

Hajizadezh garantiu que assume “toda a responsabilidade” pelo que aconteceu. “Me inteirei sobre a terrível tragédia no oeste do país após o fim da operação de mísseis contra as bases americanas. Quando me convenci do que aconteceu, queria a morte, porque preferia morrer ”, afirmou. “Seremos responsáveis ​​pela morte dessas pessoas por toda a vida e hoje nossa honra está exposta ao Senhor”.

O procurador-geral do Irã, Mohammad-Jafar Montazeri, em uma instrução ao promotor militar, exigiu investigações “rápidas e meticulosas” para identificar todas as causas e pessoas envolvidas no incidente, segundo a agência de notícias semioficial ISNA.

A derrubada do voo PS752 aumenta a tensão entre Irã e Estados Unidos, principalmente depois do assassinato, com um drone americano, do poderoso general Soleimani na madrugada do dia 3. Na sexta-feira, o Governo de Donald Trump ativou novas sanções ao Irã, atingindo setores-chave da economia iraniana, como o industrial, o de mineração e o têxtil, assim como uma série de altos funcionários do regime. “Havia informações sobre uma ameaça iminente”, disse o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. “Soleimani planejava um amplo ataque a interesses americanos na região, incluindo embaixadas”, acrescentou.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50