Shinzo Abe, primeiro-ministro do Japão, renuncia por problemas de saúde

O político, que estava no cargo desde 2012, tem 65 anos e sofre de uma doença intestinal crônica. “Minha saúde não é a adequada, e problemas de saúde não podem levar a decisões políticas erradas”

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, se curva diante da bandeira japonesa ao anunciar a decisão de deixar o cargo que ocupa há oito anos, por motivos de saúde.
O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, se curva diante da bandeira japonesa ao anunciar a decisão de deixar o cargo que ocupa há oito anos, por motivos de saúde.DPA vía Europa Press (Europa Press)

Shinzo Abe apresentou nesta sexta-feira sua renúncia como primeiro-ministro do Japão. A causa são os problemas de saúde que já puseram fim a seu primeiro mandato, em 2007, após apenas um ano no cargo, e que na última semana o obrigaram a ir ao hospital duas vezes, o que já havia despertado muita especulação. O anúncio se deu durante uma entrevista coletiva à imprensa em que o primeiro-ministro japonês se desculpou pelos objetivos não alcançados em seu mandato e justificou sua decisão. “Minha saúde não é a adequada, e problemas de saúde não podem levar a decisões políticas erradas.”

Na segunda-feira da semana passada, ele esteve no Hospital Universitário Keio, em Tóquio, depois de várias semanas sem ser visto pelo público e com uma agenda menos ocupada do que o normal, para se submeter a uma “revisão médica”. Nesta segunda-feira, repetiu a visita, o que despertou rumores sobre um possível agravamento de sua colite ulcerosa crônica.

Mais informações
Campesinos recolectan coles en Huarong, provincia de Hunan, en la frontera con Hubei, el pasado 5 de marzo.
Branko Milanovic: “A China é um país capitalista?”
Two activists dressed up as US President Trump and Russian President Putin ride two atomic bomb models during a protest for a world without nuclear weapons in front of the Brandenburg Gate in Berlin, Germany, July 30, 2020. Several peace and disarmament organizations as well as environmental protection groups demonstrated on the Pariser Platz for a nuclear weapons-free world before the start of negotiations between the USA and Russia on further action in nuclear arms control. (Fabian Sommer/dpa via AP)
75 anos após a bomba de Hiroshima, a ameaça nuclear ressurge em um novo tabuleiro geopolítico
El primer ministro japonés, Shinzo Abe.
A exceção japonesa ao terremoto político das democracias avançadas

Quando em 2012 Abe voltou a se candidatar às eleições gerais, que venceu por ampla margem, as pessoas mais chegadas a ele anunciaram que o aparecimento de um novo medicamento lhe permitira manter a doença sob controle. “Em junho, os médicos me disseram que a doença havia regressado. Minha saúde piorou, perdi muito da minha energia e de minhas forças”, declarou nesta sexta-feira.

Abe deixa o cargo como o primeiro-ministro que mais tempo permaneceu no poder, oito anos e meio. Além disso, na semana passada quebrou o recorde de dias consecutivos na chefia do Governo, até então detido por seu tio-avô, Eisaku Sato, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1973, que foi primeiro-ministro por 2.778 dias, entre 1964 e 1972. Muitos atribuem sua longevidade no poder à falta de alternativas dignas de confiança na bancada adversária, mais do que ao seu carisma. “Na política o que importa não é quantos dias você esteve no cargo, mas o que você conquistou”, disse o político na época.

Apesar da longevidade de seu mandato, Abe não conseguiu concluir com sucesso algumas das questões centrais da política japonesa contemporânea, como reformar a Constituição pacifista imposta pelos Estados Unidos ou resolver disputas territoriais com a Rússia. O primeiro-ministro deixa um país mergulhado em uma grave recessão econômica --o Produto Interno Bruto do Japão sofreu no trimestre passado a maior queda em sete décadas--, à qual se soma a pandemia de coronavírus, com um saldo de 1.241 mortes, 65.709 infectados e os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 adiados para o próximo ano.

Começa agora a corrida pela sucessão nas fileiras do Partido Liberal Democrata, com mais de um ano até as próximas eleições gerais, marcadas a priori para outubro de 2021. Entre os nomes mais proeminentes estão o secretário-chefe de Gabinete, Suga Yoshihide; o ministro das Finanças, Aso Taro, e o ministro da Defesa, Taro Kono. Embora com menos possibilidades, também entre os candidatos aparecem Kishida Fumio, o favorito de Abe e ex-chanceler, além do ex-ministro da Defesa e seu principal adversário dentro do partido, Ishiba Shigeru.


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS