Frozen

‘Frozen 2’: Disney se acovarda e renuncia a fazer história

Elsa não terá uma namorada no filme que será lançado no dia 2 de janeiro no Brasil, apesar da campanha organizada para acabar com os estereótipos do cinema de animação

A partir do mesmo momento, lá por 2013, quando o fenômeno Frozen chegou às telas para se tornar um dos maiores sucessos —e mais inesperados— da história do cinema recente, os seguidores do filme começaram a especular e teorizar sobre a suposta homossexualidade de Elsa, a rainha do frio. A prova são os 70 milhões de resultados que o Google dá ao usuário que digita no motor de pesquisa as palavras-chave “Elsa gay”. A ausência de um interesse romântico, a insistência com a massacrante Let it Go como hino gay e a necessidade de uma mudança na clássica heteronormatividade das princesas da Disney foram o caldo de cultura de um debate público que se estendeu veementemente durante anos e cujo fim parecia se esclarecer por ocasião da estreia da segunda parte dessa história. 

Frozen 2 acaba de estrear nos cinemas de muitos países (o lançamento no Brasil acontece em 2 de janeiro) com a intenção não apenas de atender às altíssimas expectativas de bilheteria, mas de lidar com as esperanças da legião de espectadores que espera um passo à frente definitivo e explícito por parte da Disney no que se refere à representação de personagens LGBTQ. Um marco ao qual teremos de esperar, pelo menos, até a terceira parte. 

“Tinha muito claro que Elsa não estava preparada para um relacionamento. Ela é muito tímida. O importante desse filme é que é uma mulher que carrega o peso de um reino sobre os ombros e precisa lidar com um poder extraordinário”, disse Jennifer Lee, codiretora do filme. “Estamos muito orgulhosos de que o filme não gira em torno de romance algum”, acrescentou Idina Menzel, a atriz que dá voz a Elsa na versão original. 

Durante a turnê de promoção de Frozen 2, os responsáveis pela mesma não hesitaram em dissipar qualquer dúvida: não há nada que confirme que Elsa seja lésbica. Embora durante esse tempo tenham ficado “emocionados” com as conversas provocadas e não descartem abordar sua sexualidade em continuações futuras, argumentam que a história de Elsa é a de uma mulher independente que tenta se conhecer. Sem a necessidade, portanto, de qualquer interesse romântico, seja heterossexual ou homossexual. Um fato que, levando em conta a história amorosa das princesas da Disney, já é uma revolução em si. 

Mas entre os fãs mais intransigentes da saga, a sensação é de uma oportunidade perdida. “É claro que ficarei desapontada”, confessa Caroline, uma tuiteira que está ansiosa pela estreia e, com cerca de dois mil seguidores em sua conta (@sobering_stairs), é uma das defensoras mais populares da homossexualidade de Elsa. “Acredito que falo por toda a comunidade LGBT quando digo que estamos sub-representados, e ver um personagem tão icônico quanto Elsa sendo retratada como lésbica mudaria minha vida”, afirma. Kristina, estudante e também figura ativa da comunidade de fãs de Frozen na rede social (@entirehearts), diz que “é triste que não se atrevam a fazê-lo quando a oportunidade está aí e têm o apoio de uma grande massa social”. “Para os jovens, Elsa pode ser tudo o que já não pode ser para mim”, acrescenta Alejandro, um roteirista de 29 anos que comprou seu ingresso para assistir ao filme com semanas de antecedência. “Para mim teria um significado puramente simbólico: ver como um filme assim teria me ajudado a administrar os sentimentos sobre minha sexualidade muito melhor do que como o fiz”.

Ativistas LGBTI são presos em São Petersburgo (Rússia), em 17 de maio de 2019. Nesse país, a nova versão de ‘A Bela e a Fera’, lançada em 2017, sofreu boicotes porque um dos personagens foi considerado homossexual.
Ativistas LGBTI são presos em São Petersburgo (Rússia), em 17 de maio de 2019. Nesse país, a nova versão de ‘A Bela e a Fera’, lançada em 2017, sofreu boicotes porque um dos personagens foi considerado homossexual.

A Federação Estatal de Lésbicas, Gays, Trans e Bissexuais (FELGTB) da Espanha considera “muito positivo” o movimento espontâneo que reivindica Elsa como ícone homossexual. Embora considere coerentes as explicações da Disney sobre o arco argumental da protagonista, menciona a relevância que um dos personagens de maior impacto sobre o público pudesse se apresentar como uma mulher lésbica. “Para que as crianças não vissem o lesbianismo como algo negativo, para que se pudesse acabar com o bullying nas salas de aula devido à orientação sexual e para que, no futuro, Elsa pudesse ser uma arma de empoderamento para as futuras adolescentes”, explica ao EL PAÍS Miriam Guijarro, coordenadora do grupo de cultura da FELGTB. Entre os marcos atribuíveis à primeira parte, um dos que tiveram mais manchetes na imprensa foi o fato de meninos de todo o mundo apostarem em usar fantasias de Elsa em público. E, entre eles, filhos de celebridades como Adele ou Charlize Theron.

Como aconteceu com o primeiro filme, aquele que quiser ver acenos à comunidade LGBT em ‘Frozen 2 vai encontrá-los. A jornada de amadurecimento e autoconhecimento de Elsa pode servir como uma metáfora perfeita daquilo que significa sair do armário

Então, o que freia a Disney? A resposta: dinheiro e política. A multinacional do Mickey está mais do que consciente da repercussão social e do efeito econômico que uma representação explícita da homossexualidade de Elsa significaria para seus cofres. Quando a hashtag #GiveElsaAGirlfriend (“dê uma namorada para Elsa”) se tornou viral em 2016, os setores mais conservadores dos Estados Unidos responderam com uma campanha reacionária pela manutenção do clássico príncipe encantado, que reuniu mais de 300.000 assinaturas digitais.

Em 2017, a versão em live-action de A Bela e a Fera também sofreu boicotes em países como Malásia e Rússia, que classificaram de gay o personagem LeFou (interpretado por Josh Gad). O Ministério da Cultura da Rússia discutiu se o filme violava a lei contra a propaganda da homossexualidade. O longa finalmente estreou nos cinemas russos, mas com a classificação de “não recomendado para menores de 16 anos”. 

O total arrecadado pelo primeiro Frozen na Rússia, equivalente a cerca de 140 milhões de reais, pode ajudar a entender o que significaria para a Disney o veto de certos países a um filme de animação por ter uma protagonista lésbica. Estava enganado quem pensava que o segundo longa de animação com maior bilheteira da história (atrás de O Rei Leão) fosse ter força suficiente para lidar com repercussões desse calibre. 

LeFou (Josh Gad), o personagem supostamente gay de ‘A Bela e a Fera’ (2017) que causou polêmica em alguns países onde pertencer à comunidade LGTBI não é aceito.
LeFou (Josh Gad), o personagem supostamente gay de ‘A Bela e a Fera’ (2017) que causou polêmica em alguns países onde pertencer à comunidade LGTBI não é aceito.

Na Espanha, a identificação da rainha de Arendelle com a comunidade gay causou uma polêmica política. Alicia Rubio, deputada do Vox na Assembleia de Madri, criticou em 2018 a normalização de “modelos e comportamentos homossexuais” no entretenimento infantil e, especialmente, no filme da Disney: “Se Frozen for lésbica, a menina também vai querer o vestidinho e a amiguinha”. Guijarro considera que suas palavras são a melhor prova do quanto é urgente apostar na inclusão. “A cultura LGBT também é importante para as pessoas que não pertencem a esse coletivo, já que é a principal arma para eliminar estereótipos e preconceitos, e até mesmo para evitar agressões. Se essa cultura nos oferecer mensagens de diversidade e respeito que incorporamos ao nosso imaginário, mensagens de ódio como as de Alicia Rubio terão cada vez menos apelo”, assinala. 

Como aconteceu com o primeiro filme, aquele que quiser ver acenos à comunidade LGBTQ em Frozen 2 vai encontrá-los. A jornada de amadurecimento e autoconhecimento de Elsa pode servir como uma metáfora perfeita daquilo que significa sair do armário, e a trilha sonora inclui canções —como Into the Unknown (“para o desconhecido”) e Show Yourself (“mostre-se”)— que permitem reinterpretar seu significado literal no filme e estabelecê-las como novos hinos de empoderamento. 

Mas entre os fãs cresce a ideia de que a cena que marcará um antes e um depois em suas vidas, o esperado beijo de amor —lésbico— que quebrará o feitiço no reino do gelo heteronormativo, ainda está por acontecer.