JUAN ARIASOpinião
i

Brasil não terá paz política enquanto não deixarem Lula voltar às urnas

Mesmo perdendo as eleições, Lula, que o melhor que sabe na vida é fazer política, poderia ter papel importante, por exemplo, na reforma do PT

Lula em Congresso do PCdoB
Lula em Congresso do PCdoBUESLEI MARCELINO (REUTERS)

O Brasil não terá paz política nem social enquanto não deixarem Lula testar sua força ou sua fraqueza nas urnas. A palavra está com os magistrados e será necessária uma série de malabarismos legais para que o ex-presidente popular possa disputar as eleições presidenciais de 2022. Contra Bolsonaro? Contra seu maior adversário, o ex-juiz e hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro?

Mais informações

Não importa quem Lula poderia enfrentar na disputa. E se Lula vencesse a eleição? Neste caso, estaria com a razão quando insiste em que uma série de abusos o impediu de concorrer à Presidência em 2018, por medo de que ele as vencesse. E se perdesse? Então, isto significaria que sua força política, na qual continua acreditando e apostando, se desgastou depois das peripécias judiciais e o período de prisão. A verdade é que tenho muito medo que este país não volte a uma normalidade política enquanto não permitirem ao velho sindicalista voltar a testar sua força como o Sansão bíblico.

Já ouvi dizer: “Que o soltem e o deixem disputar as eleições. Lula está acabado, o Brasil tomou outros caminhos políticos. A esquerda não retornará ao poder por muito tempo”. Alega-se que o fenômeno Bolsonaro não se deve à sua grande riqueza política, pois sua mediocridade ficou evidente em menos de um ano de Governo. Bolsonaro é filho, em boa parte, dos erros daqueles que o precederam e da injustiça cometida ao não permitir que Lula voltasse à arena da luta política.

Mesmo perdendo as eleições, Lula, que o melhor que sabe na vida é fazer política, poderia ter papel importante, por exemplo, na reforma de seu partido, o PT, que já foi visto como o mais ativo e bem-sucedido da esquerda moderada da América Latina. O PT, se quer voltar a contar na política com a força que teve, necessita de uma grande renovação. Em um momento de sinceridade, Lula chegou a falar de sua "refundação". Hoje, o PT, não sei se por seus pecados ou pela ausência forçada de seu líder ou por seus atrasos ideológicos, caminha como um órfão sem descobrir qual poderia e deveria ser seu papel neste momento em que a extrema direita cresce no mundo e está se apoderando do Brasil.

A esquerda democrática e progressista brasileira precisa urgentemente unir forças para oferecer alternativas de renovação após o descalabro autoritário que o bolsonarismo implementou. E isso teria de ser uma missão de um amplo leque democrático, moderno e civilizado. E aí a nova missão de Lula, candidato ou não às eleições, poderia ser importante. Se quiser, saberia como fazer isso, já que em seus dois Governos demonstrou saber dialogar com todas as forças, mesmo com a pior direita, embora às vezes possa ter se envolvido com alianças que acabaram contaminando-o, o que pode estar na raiz de muitas de suas adversidades de hoje.

No entanto, se algo não pode ser censurado ao ex-presidente carismático é não ter sabido dialogar, não só com Deus, como também até com o diabo. Lula, com sua força e vocação política, ainda pode ser uma peça fundamental do jogo de xadrez democrático de que o Brasil precisa urgentemente para se opor à onda de obscurantismo ideológico e cultural que começou a corroer este país. Se o ex-sindicalista conseguir se libertar de seus pesares judiciais, deveria entender que a política de verdade, a que é capaz de enfrentar os demônios do atraso, não pode mais ser monopolizada por um único líder, por mais carismático que seja.

Hoje, somente a união dos que se opõem à barbárie que está ameaçando o mundo pode vencer certas batalhas. Se Lula puder voltar livre à política ativa, precisará fazer um exame de consciência, que talvez tenha começado a fazer nos dias longos e tristes da prisão, e se perguntar, diante da crise das forças progressistas, por que não se preocupou em preparar novas lideranças jovens que acabaram ofuscadas por sua onipresença.

A democracia, hoje mais do que nunca, diante dos ataques que está recebendo em todos os níveis, precisa de novos estadistas e pensadores capazes de analisar este momento de perigosa metamorfose que todos estamos sofrendo, do pessoal ao comunitário. Embora possa parecer um paradoxo, do que menos precisamos no momento são os mitos e caudilhos ou messias e sim de um esforço que abrace todas as forças que buscam novos caminhos de convivência civilizada. Precisamos trabalhar de mãos dadas, capazes de olhar nos olhos uns dos outros sem raiva e sem medo do rumor das armas que soam como a morte.

Precisamos criar um clima de solidariedade no pensamento e na ação que lembre os duros momentos que a Humanidade já viveu, por exemplo, durante as guerras nos abrigos contra os bombardeios, nas catástrofes naturais e até nos campos de concentração nazistas, onde houve mostras sublimes de solidariedade humana. Solidariedade que nunca faltou ao Brasil e até foi um de seus sinais de identidade.

O mundo não precisa de novos heróis, mas da colaboração de todos os que se recusam a ser vítimas dos novos fantoches que se sentem predestinados a dominar o mundo. A essa marcha poderia somar-se um Lula já em liberdade, amadurecido pela dor e pelo que viveu como injusto e como vingança. Precisamos nos unir, os que não renunciaram às liberdades conquistadas e querem o resgate da educação e da cultura hoje ofendidos e humilhados.

Precisamos organizar a marcha em direção a uma nova civilização em que ninguém seja excluído por ser diferente nem forçado a acreditar nos deuses impostos pelos marionetistas políticos que nos negamos a adorar. Caso contrário, estaremos cavando as fossas onde nos enterrar com o melhor que temos, que é o nosso direito de viver sem que nos excluam ou sem que nós mesmos nos excluamos por medo ou por conivência.