Candidatos de laboratório para as próximas eleições municipais do Brasil

Quase 400 cidadãos que aspiram entrar na política se reúnem em São Paulo para a única aula presencial de um curso online que os prepara para disputar o pleito

Aspirantes às eleições municipais participam de encontro em São Paulo.
Aspirantes às eleições municipais participam de encontro em São Paulo.CAMILA SVENSON

É pouco o que têm em comum os que enchem este pequeno auditório no centro de São Paulo num domingo recente. Nenhum deles já ocupou cargo eletivo, mas todos estão convencidos de que a política brasileira exige uma renovação profunda, e que querem protagonizar essa mudança. E finalmente encontraram o caminho. Daniel Reis, 39 anos, mestre em estatística, estudante de matemática e pai de um filho, sabe muito bem a bandeira que pretende apresentar como candidato a vereador paulistano em 2020, e por quê. "Falta representatividade no Estado que mais mata negros. Porque as comunidades negras são as mais afetadas pela violência e a [carência de] mobilidade urbana. Sou do Grajaú, uma das zonas mais pobres e violentas de São Paulo."

Reis precisou de duas horas e três baldeações para chegar ao centro da cidade, onde um dos movimentos de renovação nascidos no calor do terremoto político que sacudiu o Brasil nos últimos anos reuniu centenas de alunos que se preparam para o vestibular das urnas.

Em um país onde as bancadas temáticas (dos evangélicos, da segurança pública e do agronegócio, por exemplo) são muito mais poderosas do que qualquer partido, onde persistem dinastias e caciques, e trocar de legenda é algo visto com naturalidade, a inovação chegou aos processos destinados a recrutar os candidatos. Outro exemplo é o Novo, um partido liberal, que irá submeter seus candidatos a três etapas de provas e entrevistas. E, como os candidatos a prefeito serão escolhidos por uma empresa de recursos humanos, terão que pagar até 4.000 reais se passarem ao segundo turno, segundo contou sua líder à Folha de S.Paulo.

Outros partidos optam pela clássica pesca de novos afiliados. O encontro dominical do movimento RenovaBR, baseado em aulas motivacionais, tem jeito de primeiro dia de colégio, porque os alunos não se conhecem. É muito mais diverso quanto ao gênero ou a raça do que qualquer Câmara parlamentar brasileira. Chegam para uma aula excepcional, a única a que estes pré-candidatos assistem pessoalmente dentro de um curso on-line de 16 semanas que este laboratório de políticos ministra a 1.400 brasileiros distribuídos por todo o país. São cidadãos que pretendem ser eleitos vereadores ou prefeitos, para conseguir o "poder da caneta": mudar o mundo, defender os direitos conquistados com tanto esforço, ou arrumar os buracos do bairro.

Este movimento financiado com doações individuais, liderado por um empreendedor que enriqueceu com as finanças, Eduardo Mufarej, aspira a repetir o sucesso das eleições de 2018, quando 16 de seus alunos foram eleitos deputados na maré da renovação. Por vários partidos, aliás. Porque, salientam os responsáveis, não se trata de ideologia. "Vamos apoiar a gente honesta, competente e talentosa", prometeu Mufarej. O grupo teve que levar as aulas para mundo virtual porque a avalanche de aspirantes foi tanta que já não havia mais dinheiro para aulas imersivas, como na campanha passada.

Uniformizados com camisetas da "primeira escola de políticos do Brasil", estes eleitos entre os 30.000 aspirantes iniciais vão se apresentando. Karina Freitas, uma empresária do interior paulista, troca as primeiras impressões com a estudante de direito Raquel Mota, eleitora desde os 16 anos e veterana de vários movimentos sociais, e com Ieda Passos, uma jornalista que virou consultora. A nova onda feminista parece ser um dos assuntos que as une, mas a partir daí tudo indica que seus projetos político-econômicos são distintos.

Alguns dos presentes já escolheram por qual partido vão se apresentar, mas a maioria ainda está na dúvida. Alguém se divide entre os esquerdistas PT e PSOL, outra entre o clássico social-democrata PSDB e o recente Novo. Nos discursos salpicados de slogans —"Preparamos pessoas comuns para serem políticos fora do comum"— se destaca a ladainha em favor do diálogo e do consenso. Justamente o contrário da política de trincheiras que os eleitores premiaram em outubro passado com a eleição de Jair Bolsonaro.

Subiram ao palco para inspirá-los alguns dos alunos mais bem-sucedidos das eleições anteriores, embora tenha faltado a deputada Tabata Amaral (PDT-SP), símbolo em Brasília da nova política e alvo de duras críticas das fileiras da esquerda, à qual pertence, por se alinhar com os liberais na Reforma da Previdência. Heni Ozi Cukier, com uma ampla e variada carreira em política internacional e segurança que o levou até a ONU, recebeu formação, apoio logístico e financeiro deste movimento para se eleger deputado estadual pelo Novo em São Paulo.

Conta que levou seu ex-chefe na secretária de Segurança Pública de São Paulo. "É coronel da Polícia Militar há décadas, mas nunca se apresentou a um cargo. Viu minha história. Depois de trabalhar com ele por ano e meio, disputei as eleições e ganhei. Ele falou, 'Poxa, pode ser uma opção'. Eu disse a ele: vai no RenovaBr, vão te ajudar". E aqui está como aluno. Cada um dos 1.400 pré-candidatos tem agora alguns meses pela frente para continuar se formando, decidir se dará o passo, escolher partido e... fazer campanha para seduzir o eleitorado em outubro de 2020.

Esse não será o final. O deputado Cukier tem os olhos voltados para além do seu atual cargo. E o matemático Reis afirma que, se não der na primeira vez, será na segunda ou terceira. "Resiliência é uma palavra que uso todo dia", despede-se.

Arquivado Em: