Um hino próprio: a nova modalidade dos protestos em Hong Kong

Centenas de pessoas se reúnem em shoppings para cantar ‘Glória a Hong Kong’

Manifestantes pró-democracia se reúnem em um shopping center de Hong Kong para cantar o hino.
Manifestantes pró-democracia se reúnem em um shopping center de Hong Kong para cantar o hino.Vincent Yu (AP)

MAIS INFORMAÇÕES

É difícil exagerar até que ponto os shopping centers estão integrados ao cotidiano da população de Hong Kong. Eles representam um setor fundamental para a economia deste território autônomo; são lugares habituais de lazer, pontos de encontro consagrados e entroncamentos inescapáveis no labirinto de passagens elevadas que permitem aos pedestres evitar o tráfego – e os frequentes torós tropicais – no centro da cidade. Nesta semana também se transformaram em auditórios improvisados quando anoitece. Centenas de manifestantes vestidos de preto se reúnem em seus átrios para cantar uma eletrizante marcha que, de modo fulminante, virou o novo hino dos protestos: “Glória a Hong Kong”.

Esta canção de letra desafiadora, concluída no final de agosto, é fruto de uma colaboração coletiva. A música é de um jovem que se identifica como Thomas e revela outros dados pessoais. A letra é o resultado das contribuições de dezenas de pessoas através das redes sociais. Com ritmo marcial e estrofes apaixonadas, foi memorizada com entusiasmo e se espalhou como pólvora desde que sua primeira versão foi publicada na Internet, há duas semanas.

Conta, inclusive, com uma espécie de clipe oficial: uma produção muito bem cuidada, vista mais de um milhão de vezes no YouTube desde sua publicação, nesta quarta-feira, em que uma orquestra de rapazes vestidos de preto, com máscaras de gás e capacetes – o uniforme dos manifestantes –, interpreta a marcha. Numa estética de apelo ao épico, imagens dos jovens músicos se misturam com fotos das mobilizações.

Na terça-feira passada, durante um jogo de futebol entre Hong Kong e Irã pelas Eliminatórias da Copa, suas notas foram cantadas pelo público. Todo um contraste com o trato ao hino nacional chinês, o oficial neste território autônomo, abafado por uma severa vaia. Em muitos shoppings da cidade, desde então, todas as noites – ou de dia, na hora do almoço – a marcha volta a soar, entoada por pessoas que utilizam a luz de seus celulares como velas, e, entre aplausos, repetem os lemas dos protestos – “Libertem Hong Kong, revolução da nossa era! Força, hongkongueses!”.

A canção já conta tem uma versão em inglês, e Thomas pediu outras contribuições para torná-lo o mais semelhante possível ao original cantonês. “Por tantas lágrimas que derramou esta terra”, começa a letra nesse idioma, para continuar: “Pela angústia que sofremos neste caos, mantemos nossas cabeças erguidas, nossas vozes firmes, que a liberdade se assente em Hong Kong”. A última estrofe termina em inglês com um: "Venham, filhos de nossa pátria, chegou o momento da revolução, a liberdade pertence a esta terra, glória a Hong Kong".

Os cânticos em público se tornaram uma tradição nestes três meses de protestos, e o repertório foi evoluindo paralelamente à mudança na natureza das mobilizações, inicialmente pacíficas, e gradualmente mais violentas. Nas primeiras semanas era onipresente o hino cristão Sing Hallelujah to the Lord (“Cante aleluia ao Senhor”), que ainda hoje continua sendo ocasionalmente ouvido. Entre as razões de seu triunfo está sua simplicidade – ouvi-lo duas ou três vezes é suficiente para aprendê-lo – e seu tom calmo, que enfatizava o caráter pacífico inicial das mobilizações. Também proporcionava uma desculpa às concentrações não autorizadas: as congregações de caráter religioso na rua não necessitam de aprovação policial prévia; as convocatórias civis, sim.

Também é frequente escutar o Do You Hear the People Sing?, da versão musical de Os Miseráveis. Há cinco anos, esta toada já há via sido o hino extraoficial do Movimento dos Guarda-Chuvas, os protestos estudantis que foram os precursores dos atuais e que paralisaram o centro de Hong Kong durante quase três meses em 2014.

Mas nenhuma canção tinha impactado como Glória a Hong Kong, a tal ponto de que alguns participantes já começam a descrevê-lo como “o novo hino” da ex-colônia britânica. “Tomara que chegue um dia em que, em um acontecimento internacional, possamos cantá-lo com a cabeça erguida”, deseja o usuário Fantasma de Fumaça, em um dos fóruns da Internet mais usados pelos manifestantes.

Uma pesquisa da Universidade de Hong Kong em junho passado, depois das duas primeiras manifestações maciças, mostrou que apenas 27% dos moradores de Hong Kong se declaram orgulhosos de serem cidadãos chineses, enquanto 71% afirmam não compartilhar esse sentimento.

Glória a Hong Kong certamente voltaria a ser ouvida nas mobilizações programadas para este fim de semana, que nesta sexta-feira, na festa do Meio do Outono, incluía cadeias humanas com faroletes e manifestações em estações de metrô, no turístico pico Vitória e na Lion Rock, a montanha mais alta do território autônomo. E também nos shoppings.

Arquivado Em: