Sexo

Quinze minutos de êxtase: esta é a provocadora promessa da meditação orgásmica

Alguns seguidores da espiritualidade oriental propõem uma forma de viver a sexualidade que desperta certo receio entre os profissionais. Em que consiste? Há algo de verdadeiro em seus proclamados benefícios?

MAIS INFORMAÇÕES

Gozar no caminho para o nirvana: esta poderia ser a descrição mais direta e inteligível do que é a meditação orgásmica, uma corrente que, contrariamente ao que a experiência sugere ao comum dos mortais, propõe que as cotas mais altas do prazer sexual se encontram antes de atingir o orgasmo. Nicole Prause, neurocientista norte-americana e fundadora do Liberos, um laboratório que tenta medir o orgasmo, admite que a primeira vez que ouviu falar disso pensou que era uma bobagem. Por que chamar de meditação uma prática que poderia ser definida como uma masturbação centrada na respiração? Enganou-se, diz, quando pensou que nada mais poderia lhe surpreender depois de ver Masters of Sex, a série televisiva sobre o casal que se atreveu a estudar a conduta sexual humana nos anos sessenta.

Uma vez superado o pasmo inicial, parece que a meditação orgásmica fisgou a cientista, que não hesitou em incluí-la nos seus estudos sobre excitação e resposta sexual. Com o uso de eletroencefalogramas, ela examinou em suas pesquisas a atividade elétrica do cérebro durante a masturbação, centrando-se nos momentos que precedem o orgasmo, e essas imagens parecem corroborar a ideia de que a viagem é mais prazerosa que chegar o destino. Segundo suas conclusões, os momentos mais gratificantes e os que detectam os maiores picos de prazer sexual acontecem antes do clímax, e não exatamente nesse momento. Prause acredita ter encontrado uma semelhança com a meditação nesse transe prévio. Outros com menos (ou nenhuma) formação científica também estão convencidos de que o maior prazer que podem extrair do sexo está nesse ponto em que as ondas do mar parece que vão romper... mas ainda continuam crescendo. Mas podemos confiar neles?

Uma sombra na tendência

O orgasmo, esse ponto culminante de satisfação e excitação sexual, leva milhares de homens e mulheres de todo o mundo à meditação orgásmica, mas são as mulheres as que mais proveito podem tirar: o programa da empresa One Taste, por exemplo, se baseia numa estimulação do clitóris por 15 minutos, à qual atribuem todo tipo de benefícios. Pode ser que o orgasmo acabe chegando, pode ser que não, mas o fato de alguém, seja quem for, estimular a zona erógena feminina com uma luva de látex durante um quarto de hora, enquanto a pessoa se concentra completamente em seus genitais, é um costume que em longo prazo, garantem, contribui para a felicidade. Dizem-no pessoas que aderiram à tendência de centrar a atenção meditativa na masturbação, em vez de na respiração, por exemplo.

Mas a empresa causou uma grande polêmica em torno desta prática desde que a publicação Bloomberg Businessweek revelou uma investigação em que 16 ex-integrantes do One Taste denunciavam abusos sexuais, violações e fraudes financeiras e emocionais, em 2018. Segundo a jornalista que assinou a reportagem, Ellen Huet, há pessoas que chegaram a pagar até 60.000 dólares (245.000 reais) por ano para assistir aulas e participar dos retiros da organização. Alguns clientes da empresa contraíram dívidas elevadas para bancar os cursos que a organização oferecia, outros declararam que eram forçados a manterem relações sexuais entre si e com os clientes, algumas vezes como estratégia de vendas, e outras com o pretexto do crescimento espiritual. Na publicação, fala-se de uma espécie de rede de prostituição que movimenta muito dinheiro através de suas aulas, programas de treinamento e retiros.

A empresa, que se centra no bem-estar e na sexualidade feminina, negou as acusações e continua promovendo-se como um estilo de vida destinado a aumentar "a saúde, a felicidade e a conexão através de métodos provados que combinam a meditação e a sexualidade consciente". Sua cofundadora e uma das pioneiras desta técnica é Nicole Daedone, considerada uma guru espiritual do sexo, que leva sob o braço uma nova forma de viver o erotismo inspirado no tantra, no sexo lento. Diz que sua meditação libera tensões e ajuda a alcançar a plenitude e a felicidade.

Apesar do lado oculto exposto pela pesquisa da publicação, Daedone continua reunindo milhares de pessoas em suas conferências e sessões. Em suas oficinas, combina noções de sexo tântrico, meditação e ioga. O crescente furor pela meditação orgásmica permitiu a presença da One Taste em várias cidades do mundo, embora alguns de seus centros tenham sido fechados depois das acusações. Em todos anunciam essa disciplina como uma prática de bem-estar única que coordena a atenção plena com o poder da experiência humana e do orgasmo.

Sem autoridade para tratar disfunções

Segundo María Padilla, diretora do centro Capital Psicólogos, em Madri, e uma das pessoas que mais pesquisou no campo da sexologia, estamos diante de uma tática puramente comercial e de entretenimento, e bastante sensacionalista. “Em nenhum momento deveria ser considerada como uma opção terapêutica, mas como um mero entretenimento ou forma de prazer indicada apenas para pessoas ou casais que já desfrutam de uma vida sexual plena”. Sua advertência assume um tom ainda mais sério quando lembra que nenhuma técnica exercida por pessoas que não sejam profissionais de sexologia ou de medicina pode ser promovida como terapia para reparar uma disfunção sexual ou um problema de casal.

Uma das definições mais simples da meditação é “a técnica de estar no que você está”. Deleitar-se no momento presente, aqui e agora, com os cinco sentidos, é algo a que Padilla não faz objeção alguma. Mas você precisa ter cautela, como com outras técnicas semelhantes. “A fraude nasce quando há pessoas que pagam e confiam nela como uma maneira profissional de curar ou resolver disfunções. A meditação orgásmica não pode ser considerada um campo de conhecimento e nem uma disciplina científica”, alerta.

Por isso vale a pena analisar quais são nossos verdadeiros propósitos antes de participar de atividades como os retiros na Serra de Gredos organizados por Laura Cárcel, que se baseiam em práticas como tantra, meditação, ioga, técnicas de Osho, danças, jogos e bioenergética, disciplina que, como terapia, é considerada uma pseudoterapia. “Cada uma é importante para tomar consciência e experimentar esse delicioso encontro como um jogo de prazer e gozo, abrindo-se ainda mais para sentir plenamente a energia sexual”, explica.

Cárcel dirige o centro do Tantra Valencia, onde exercita a meditação orgásmica com grupos de cerca de vinte pessoas e organiza retiros que custam entre 150 e 300 euros. “A meditação –pondera– “não surge de um desejo de intensificar o orgasmo, é o orgasmo que se intensifica como consequência do aprofundamento na meditação”. Ela o define como um processo trabalhoso, profundo, lento, bonito e harmonioso, como o caminho do tantra, e insiste que o objetivo não é o clímax. “Quando a consciência de uma pessoa vai se elevando porque existe uma prática contínua de meditação que é levada a todas as áreas da vida, a sexualidade se transforma. Deixa de haver uma busca por prazer e orgasmo. No entanto, geralmente acontece, a energia sexual se intensifica e os orgasmos mudam. A sexualidade acontece de uma maneira diferente e muito mais plena.”

Arquivado Em: