Crise econômica na Argentina

FMI reduz pela metade a previsão de crescimento da Argentina em 2020

Novo relatório do organismo sobre o país sul-americano destaca a austeridade fiscal do Governo, mas alerta para o risco eleitoral

O ministro da Fazenda da Argentina, Nicolás Dujovne, durante uma entrevista coletiva na sede do ministério, em Buenos Aires, na sexta-feira passada.
O ministro da Fazenda da Argentina, Nicolás Dujovne, durante uma entrevista coletiva na sede do ministério, em Buenos Aires, na sexta-feira passada.Telam

O Fundo Monetário Internacional acendeu as luzes amarelas para a economia da Argentina. Em seu novo relatório sobre o país sul-americano, publicado nesta segunda-feira, os técnicos do organismo reduziram de 2,2% para 1,1% a previsão de crescimento para 2020 e elevaram de 1,2% para 1,3% a estimativa de queda do PIB neste ano. O documento advertiu ainda que o ruído eleitoral pode gerar novas turbulências econômicas, mas elogiou que a austeridade fiscal e a férrea política monetária aplicadas pelo Governo de Mauricio Macri estejam “rendendo seus frutos” no combate à inflação.

O relatório analisa os dados que uma missão do FMI colheu entre 11 e 22 de maio em Buenos Aires. De seu resultado positivo dependia o quinto desembolso do resgate financeiro oferecido à Argentina no ano passado. O Governo disporá agora de outros 5,4 bilhões de dólares dos 57 bilhões que o FMI liberou a Macri para fazer frente aos vencimentos da dívida externa e conter a depreciação do peso, graças a intervenções controladas do Banco Central. O Executivo se comprometeu, por sua vez, a reduzir a zero o seu déficit fiscal primário (anterior ao pagamento dos juros) e a lutar contra a inflação com uma política de zero emissão de moeda e altas taxas de juros.

Mais informações

O Fundo disse que esses compromissos foram cumpridos e louvou a política macrista. “As autoridades argentinas continuam mostrando um sólido compromisso com seu programa de política econômica e cumpriram todas as metas pertinentes no marco do plano respaldado pelo FMI. Apesar de ter demorado, os esforços feitos em matéria de políticas estão começando a dar frutos”, disse o Fundo. Segundo a leitura da equipe técnica, “os mercados financeiros se estabilizaram, a posição externa e fiscal melhorou, e a economia está começando a se recuperar gradualmente da recessão do ano passado”.

Nem todas, entretanto, foram boas notícias. O Fundo observou que “os riscos do programa são elevados” e que a Argentina “continua exposta a um surto de volatilidade nos próximos meses”. “O mais desafiador é a incerteza por causa do período eleitoral que se avizinha”, destacou o texto. O FMI não disse, mas a “incerteza” se refere a um possível triunfo eleitoral do kirchnerismo nas eleições primárias de 11 de agosto e nas eleições gerais de outubro, quando Macri disputará a reeleição contra uma chapa integrada por Alberto Fernández e Cristina Fernández de Kirchner. Se a dupla Fernández-Fernández tiver um bom resultado na eleição no próximo mês e colocar em risco um segundo mandato de Macri, “a diminuição da confiança dos investidores poderia se transferir rapidamente para um aumento da taxa de juros dos bônus e dificuldades em fazer frente às necessidades de financiamento”, segundo o FMI. “Também poderia gerar mudanças nas carteiras dos investidores, afastando-os de ativos em pesos, e isso pressionaria a taxa de câmbio.”

A grande batalha de Macri foi, desde sua chegada ao poder, em dezembro de 2015, contra a depreciação do peso e a decorrente inflação, uma combinação que causou estragos à sua popularidade. A política de juros altos, de até 70%, para conter a fuga dos investidores em pesos para o refúgio do dólar provocou a paralisação do consumo interno e uma dura recessão econômica. O FMI esperava para este ano uma queda do PIB de 1,2%, e agora a elevou para 1,3%. Para o ano que vem, a previsão de crescimento é muito modesta: 1,1%, a metade do estimado há três meses, e muito abaixo dos 3,5% que o Governo de Macri projetou no orçamento enviado ao Congresso no final do ano passado.

O FMI destacou que a inflação na Argentina “continua alta”, mas com tendência de baixa. Nesta terça-feira, o Governo divulgará o IPC de junho, e se espera que esteja abaixo de 3% mensal, uma melhora com relação aos 3,4% de abril, e bem abaixo dos meses mais complicados de 2018, como setembro (6,8%) e outubro (5,4%). A variação interanual registrada em abril passado alcançou 55,8%, mas o FMI espera que em 2020 a inflação suba para 30,5%, 2,5 pontos a mais que os cálculos do Executivo argentino.