Entrevista | Edward Palmer

O ‘pai’ do sistema previdenciário sueco: “Se vivemos mais tempo, por que não trabalhar mais tempo?”

A assistência prestada à sua filha, nascida com paralisia cerebral, transformou-o num firme defensor do Estado do bem-estar europeu. Ele prepara um livro sobre o tema

Edward Palmer, na sede do BBVA em Madri.
Edward Palmer, na sede do BBVA em Madri.INMA FLORES

Professor emérito da Universidade de Uppsala, Edward Palmer é um dos pais do sistema previdenciário sueco, considerado por muitos um modelo de equidade e sustentabilidade. Embora tenha nascido em Denver (EUA), Palmer viveu a maior parte da vida na Suécia. Os cuidados prestados à sua filha mais velha, nascida com paralisia cerebral, transformou-o num incondicional defensor do sistema público de saúde do país nórdico e, em geral, do Estado de bem-estar europeu, que será tema de seu futuro livro. Aos 78 anos, ele acaba de ingressar no Fórum de Especialistas Independentes do Instituto do BBVA de Pensões, integrado por personalidades de diversas nacionalidades procedentes do mundo acadêmico.

Mais informações

Pergunta. O que podemos aprender com o sistema previdenciário sueco?

Resposta. A lição mais importante é que é possível ciar um sistema previdenciário que seja estável financeiramente e pague boas aposentadorias. Muito simples (risos).

P. O que é preciso fazer? A geração do ‘baby boom’ vão se aposentar logo e viverão mais do que seus pais. Além disso, a Espanha, por exemplo, tem uma das taxas de fertilidade mais baixas.

R. Tornar sustentável um sistema previdenciário é uma questão de longo prazo. Para começar, é preciso analisar em que momento demográfico o país se encontra. No caso da Espanha, há um grupo muito numeroso de pessoas que vão se aposentar muito em breve, e foi gasto o dinheiro extra guardado para a próxima bolha. Na minha opinião, foi uma decisão infeliz. Provavelmente todos concordem comigo, salvo os que pensaram que estavam obrigados a fazer isso.

P. Os políticos disseram que não havia outra opção...

R. Pode ser que não haja outra opção, mas há compromissos a cumprir. Quando elaboramos o atual sistema previdenciário da Suécia, no início dos anos noventa, economizamos um dinheiro pensando nos nascidos entre 1944 e 1955, o baby boom sueco. Tivemos épocas de vacas magras, mas os políticos, por sorte, não o gastaram. Para cumprir os compromissos adquiridos, é preciso conseguir duas coisas: que o novo sistema seja justo para todas as gerações e que seja financeiramente viável.

P. Trabalhar até os 70 ou 80 anos ajudará a resolver o problema?

R. É preciso estabelecer uma idade de aposentadoria, mas também pode-se recompensar financeiramente os que optarem por continuar trabalhando. Toda uma geração pensava que se aposentaria aos 68 ou 69 anos, e os que vêm depois terão que trabalhar ainda mais tempo. A longevidade continuará aumentando na Europa, é um fato. É possível convencer as pessoas de que não têm por que se aposentar necessariamente aos 65 anos. E projetar o sistema de uma maneira que possa combinar o trabalho em tempo parcial com o recebimento de uma parte da aposentadoria.

P. Esse sistema funciona bem na Suécia?

R. Na Suécia, cada trabalhador tem uma conta pessoa à qual faz contribuições durante toda a vida profissional. Na hora de se aposentar, tem a opção de continuar trabalhando e receber a aposentadoria ao mesmo tempo. Tem liberdade de escolha. Vejo isso ao meu redor: as pessoas aceitaram que a vida é assim. Muitos suecos trabalham além da idade de aposentadoria nos serviços sociais e na saúde, setores que demandam muitos trabalhadores. Com 40 ou 50 anos, você pode perfeitamente se formar para trabalhar em coisas novas. Estar em um único trabalho a vida toda não é uma boa ideia.

P. Muitas pessoas no mundo estão convencidas de que suas aposentadorias serão menores que as dos seus pais.

R. O mesmo ocorria na Suécia quando começamos a debater a reforma da previdência. A mensagem que tentamos enviar na época era que trabalhar mais tempo permite que você tenha uma aposentadoria melhor. Se você tem 25 anos, isso talvez não seja mais do que uma fantasia. Mas, à medida que envelhece, você percebe que é conveniente e vê que as pessoas ao seu redor começam a fazer isso. Com a reforma, aumentamos de 30 para 40 anos o tempo de contribuição necessário para receber uma aposentadoria. Isso obrigou uma mudança de mentalidade: as pessoas perceberam que aos 50 anos não podiam se mudar para Mallorca para tomar sol e jogar golfe. Assim, conseguimos mudar o relato e tornar o sistema sustentável. Se viveremos mais tempo, por que não trabalhar mais tempo?

P. O Estado de bem-estar escandinavo está em crise?

R. Acredito que não. A melhor prova disso foi dada há alguns anos pela revista The Economist, quando ela publicou um longo artigo sobre o tema. A capa trazia um viking com capacete, chifres e barba com o título: “O próximo supermodelo”. É muito significativo que uma publicação conservadora diga que esse é o caminho que deve ser seguido pelo resto do mundo. A preocupação na Suécia agora é com as pessoas no fim da vida. O grupo de cidadãos nascidos entre 1945 e 1955 será muito numeroso quando eles tiverem 90 anos. Há um debate aberto sobre quantas pessoas o sistema de saúde necessitará para satisfazer essa demanda.

P. A Suécia continua sendo um país igualitário?

R. A Suécia é uma sociedade relativamente igualitária, e isso tem muito a ver com a educação pré-escolar. Os países que gastam mais dinheiro público ou privado com as crianças têm índices de fertilidade mais altos. Isso ajuda a dar liberdade à mulher e que homens e mulheres dividam as tarefas domésticas e os cuidados. É imprescindível garantir um ponto de partida igualitário. Inclusive os imigrantes procedentes da Síria que acabam de chegar têm essa oportunidade. Seus filhos se incorporam de imediato ao sistema educativo, facilitando o trabalho dos pais e das mães. Desse modo, amplia-se a base de arrecadação e geram-se os recursos necessários para financiar tudo isso.